Jornal do Commercio
Meio Ambiente

Projeto Praias do Capibaribe aproxima recifenses da natureza

Evento acontece todo mês e leva lazer, educação e debates para as margens do Rio Capibaribe

Publicado em 12/02/2014, às 00h01

O evento conta com píer, piscinas fixas e flutuantes. / Foto: Divulgação

O evento conta com píer, piscinas fixas e flutuantes.

Foto: Divulgação

Maiara Melo

"Eu quero nadar no Capibaribe". É esse desejo, quase improvável de ser vivido no Recife, que mobiliza centenas de pessoas por um causa: conscientizar a população e, assim, tentar salvar um dos rios mais importantes da cidade. O método foi juntar várias iniciativas, ligadas à arte, lazer e educação, criando o projeto Praias do Capibaribe, que estimula o convívio mais aproximado entre o ser humano e a natureza. No início, a ação atraía uma média de público de 300 pessoas, mas chegou a mil na última edição.

Tudo começou em 2008, quando foi criado o Eu quero nadar no Capibaribe - uma coletânea de 36 vídeos, onde recifenses mostram como contribuem, com pequenos gestos cotidianos, para salvar o planeta. "Tem uma mulher que junta o óleo já usado e faz sabão, porque sabe que se jogar no ralo, vai poluir o rio, entre outros exemplos. São personagens verdadeiros", explicou a coordenadora do projeto Bruna Pedrosa. Todos os vídeos são chamados de cápsulas verdes e foram gravados em duas temporadas. Na festa de lançamento da segunda, em 2011, nasceu a Prainha, como é carinhosamente chamada. "Foi no La Greca, no Parnamirim. Foi aí que decidimos levar a iniciativa para outras margens do Capibaribe."

A segunda edição, ainda em 2011, foi a Praia do Derby, no jardim do Instituto dos Arquitetos do Brasil (IAB-PE), como encerramento de um workshop de arquitetura. A terceira, foi a Praia da Aurora, no Aurora Eco Fashion. "Para padronizar, batizamos de Praias do Capibaribe e tornamos o evento mensal", lembra Bruna. Todo último domingo do mês é voltado para a iniciativa, exceto quando coincide com feriados comemorativos, como Ano Novo e Carnaval.Geralmente, o evento reúne cerca de 300 pessoas. Na última edição, que aconteceu no dia 2, no quintal da Fundação Joaquim Nabuco (Fundaj), mil pessoas participaram. 

“Tivemos o apoio de um workshop, realizado através de uma parceria da Fundaj com o projeto Parque Capibaribe, da Prefeitura do Recife e UFPE. Lá, foram criados os mobiliários.” Após 15 dias de debates sobre como aproveitar o espaço público para o bem comum, voluntários construíram um píer, piscinas fixas e flutuantes, entre outros objetos. Arquitetos franceses e suíços, experientes por esse tipo de trabalho em seus países, ministraram as aulas.

“Não ganhamos e nem gastamos dinheiro. Vendemos produtos para manter o projeto, que tem bandas de música e projeção das cápsulas verdes.” A água das piscinas, claro, não vem do rio. “Elas ficam no nível da água, para que a pessoa tenha a sensação de estar no rio e pense que isso pode ser possível, se ajudarmos.” Bruna espera que o projeto seja copiado. “Apesar de sermos os criadores, queremos que se repita, para que o rio seja salvo e usufruído por todos.” A estudante de arquitetura, Rebecca Dantas, de 20 anos, participou pela primeira vez do projeto. “Esta e tantas outras ações são a prova de que juntos podemos mudar a realidade física e utilitária do espaço público. Sabemos a importância que o Rio Capibaribe tem, só não damos o real valor. Experiência incrível.”

Para ver as cápsulas verdes e outras informações sobre as Praias do Capibaribe, é só acessar o site capibaribe.info.

Leia matéria completa no caderno de Cidades, do Jornal do Commercio desta quarta-feira (11).




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM