Jornal do Commercio
Meio Ambiente

Projeto Praias do Capibaribe aproxima recifenses da natureza

Evento acontece todo mês e leva lazer, educação e debates para as margens do Rio Capibaribe

Publicado em 12/02/2014, às 00h01

O evento conta com píer, piscinas fixas e flutuantes. / Foto: Divulgação

O evento conta com píer, piscinas fixas e flutuantes.

Foto: Divulgação

Maiara Melo

"Eu quero nadar no Capibaribe". É esse desejo, quase improvável de ser vivido no Recife, que mobiliza centenas de pessoas por um causa: conscientizar a população e, assim, tentar salvar um dos rios mais importantes da cidade. O método foi juntar várias iniciativas, ligadas à arte, lazer e educação, criando o projeto Praias do Capibaribe, que estimula o convívio mais aproximado entre o ser humano e a natureza. No início, a ação atraía uma média de público de 300 pessoas, mas chegou a mil na última edição.

Tudo começou em 2008, quando foi criado o Eu quero nadar no Capibaribe - uma coletânea de 36 vídeos, onde recifenses mostram como contribuem, com pequenos gestos cotidianos, para salvar o planeta. "Tem uma mulher que junta o óleo já usado e faz sabão, porque sabe que se jogar no ralo, vai poluir o rio, entre outros exemplos. São personagens verdadeiros", explicou a coordenadora do projeto Bruna Pedrosa. Todos os vídeos são chamados de cápsulas verdes e foram gravados em duas temporadas. Na festa de lançamento da segunda, em 2011, nasceu a Prainha, como é carinhosamente chamada. "Foi no La Greca, no Parnamirim. Foi aí que decidimos levar a iniciativa para outras margens do Capibaribe."

A segunda edição, ainda em 2011, foi a Praia do Derby, no jardim do Instituto dos Arquitetos do Brasil (IAB-PE), como encerramento de um workshop de arquitetura. A terceira, foi a Praia da Aurora, no Aurora Eco Fashion. "Para padronizar, batizamos de Praias do Capibaribe e tornamos o evento mensal", lembra Bruna. Todo último domingo do mês é voltado para a iniciativa, exceto quando coincide com feriados comemorativos, como Ano Novo e Carnaval.Geralmente, o evento reúne cerca de 300 pessoas. Na última edição, que aconteceu no dia 2, no quintal da Fundação Joaquim Nabuco (Fundaj), mil pessoas participaram. 

“Tivemos o apoio de um workshop, realizado através de uma parceria da Fundaj com o projeto Parque Capibaribe, da Prefeitura do Recife e UFPE. Lá, foram criados os mobiliários.” Após 15 dias de debates sobre como aproveitar o espaço público para o bem comum, voluntários construíram um píer, piscinas fixas e flutuantes, entre outros objetos. Arquitetos franceses e suíços, experientes por esse tipo de trabalho em seus países, ministraram as aulas.

“Não ganhamos e nem gastamos dinheiro. Vendemos produtos para manter o projeto, que tem bandas de música e projeção das cápsulas verdes.” A água das piscinas, claro, não vem do rio. “Elas ficam no nível da água, para que a pessoa tenha a sensação de estar no rio e pense que isso pode ser possível, se ajudarmos.” Bruna espera que o projeto seja copiado. “Apesar de sermos os criadores, queremos que se repita, para que o rio seja salvo e usufruído por todos.” A estudante de arquitetura, Rebecca Dantas, de 20 anos, participou pela primeira vez do projeto. “Esta e tantas outras ações são a prova de que juntos podemos mudar a realidade física e utilitária do espaço público. Sabemos a importância que o Rio Capibaribe tem, só não damos o real valor. Experiência incrível.”

Para ver as cápsulas verdes e outras informações sobre as Praias do Capibaribe, é só acessar o site capibaribe.info.

Leia matéria completa no caderno de Cidades, do Jornal do Commercio desta quarta-feira (11).




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.
Agreste seco Agreste seco
A seca colocou de joelhos uma região inteira. Fez o Agreste sertanejar. Os cinco anos consecutivos sem chuva em Pernambuco ganharam aqui a dimensão de uma tragédia. Silenciosa e diária.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM