Jornal do Commercio
fauna brasileira

Luta para salvar o tatu-bola

Governo federal aprova plano para tentar proteger mascote da Copa do Mundo, que corre risco de desaparecer

Publicado em 22/06/2014, às 11h48

 / René Cordeiro/Divulgação

René Cordeiro/Divulgação

Claudia Parente
cparente@jc.com.br

Em meio à riqueza da fauna brasileira, o animal escolhido para representar o País como mascote da Copa do Mundo está ameaçado de desaparecer da natureza em menos de 50 anos. O frágil tatu-bola Tolypeutes tricinctus, espécie 100% nacional, sofre as consequências da devastação do seu principal habitat, a caatinga, e da voracidade de caçadores. Para evitar esse destino cruel, o Ministério do Meio Ambiente aprovou o Plano de Ação Nacional de Conservação do Tatu-Bola (PAN), elaborado pelo Instituto Chico Mendes de Biodiversidade (ICMBio).

Uma das 38 ações previstas no PAN é promover a divulgação do animal, tornando o tatu-bola o símbolo de preservação da caatinga, tarefa que o médico veterinário e professor da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf) René Cordeiro vem desempenhando. Em busca do mascote, que não é registrado em Pernambuco há dez anos, ele foi até o Parque Nacional da Serra da Capivara (PI) em companhia do biólogo José Alves. Acabaram encontrando uma fêmea, que atuou como “modelo” em fotos e vídeo feitos para sensibilizar a população. O material será divulgado nas redes sociais de entidades ambientalistas. “O tatu-bola não é uma espécie conhecida. Ele é muito confundido com o tatu-peba”, explica Renê.

Devido à fragilidade do bicho, não há exemplares em nenhum zoológico do mundo, só em áreas de caatinga bem preservadas. “A presença dele em um local é um bom indicador ambiental”, informa Renê Cordeiro. O tatu-bola mede entre 40 e 43 cm e seu peso varia de 1 a 1,8 kg. As três cintas móveis que possui no torço permitem que curve a carapaça, adquirindo o formato de uma bola para se defender dos predadores.

Tanto o veterinário quanto o biólogo fazem parte do cordão de pesquisadores indignados com a atitude da Fifa em relação ao mascote. “Ele nem sequer apareceu na abertura da Copa do Mundo. A entidade usou a imagem do animal na propaganda do evento, mas não destinou um centavo até agora para ajudar na sua preservação”, reclama José Siqueira. O biólogo é um dos três autores de um artigo publicado na revista científica Biotropica, sugerindo ao governo federal que, a cada gol feito na Copa, mil hectares de caatinga fossem preservados. Até a presente data, não houve qualquer retorno.

Leia mais na edição deste domingo (22)




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

O Hobbit - 80 anos O Hobbit - 80 anos
Como a maioria dos hobbits, Bilbo Bolseiro leva uma vida tranquila até o dia em que recebe uma missão do mago Gandalf. Acompanhado por um grupo de anões, ele parte numa jornada até a Montanha Solitária para libertar o Reino de Erebor do dragão Smaug
Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM