Jornal do Commercio
PALEONTOLOGIA

Amazônia foi habitada por crocodilo gigante

Artigo de pesquisadores brasileiros sobre o animal pré-histórico foi publicado em importante revista científica

Publicado em 22/02/2015, às 08h05

Animal era do tamanho de um caminhão: media 12,5 metros e pesava mais de 8 toneladas / Tito Aureliano (ilustração)

Animal era do tamanho de um caminhão: media 12,5 metros e pesava mais de 8 toneladas

Tito Aureliano (ilustração)

Claudia Parente

No período Mioceno, há oito milhões de anos, um predador gigante habitava os megapântanos que existiam na região amazônica. Medindo cerca de 12,5 metros e pesando 8,4 toneladas, ele era do tamanho do famoso Tiranossauro rex, mas tinha uma mordida duas vezes mais potente. Estava no topo da cadeia alimentar. Este mês, o supercrocodilo Purussaurus brasiliensis foi apresentado ao mundo pela respeitada revista científica Plos ONE. O artigo é de um grupo de pesquisadores de várias universidades do Brasil, incluindo a Federal de Pernambuco.

Segundo o pesquisador Tito Aurealiano, da UFPE, o animal tinha sido descrito apenas em resumo expandido de congresso, em língua portuguesa. “Resolvemos reunir tudo o que se conhecia do supercroc e fazer uma revisão completa”, explica. Um dos autores do artigo é Jonas Souza Filho, que encontrou o crânio do Purussaurus em 1986, no Acre. Esse fóssil de 1,40 metro norteou os estudos para a publicação do artigo.

Tito Aureliano conta que ele e os colegas Aline Ghilardi, Robson Guilherme, Mauro Cavalcanti e Douglas Riff desenvolveram um modelo matemático para estimar as medidas do animal e o impacto de sua mordida. “Usamos informações de jacarés brasileiros e de crocodilos do mundo inteiro para criar esse modelo”, explica. “Agora, ele poderá ser utilizado em pesquisas com outros táxons de super croc.”

Leia mais na edição digital do JC deste domingo (22)




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.
Agreste seco Agreste seco
A seca colocou de joelhos uma região inteira. Fez o Agreste sertanejar. Os cinco anos consecutivos sem chuva em Pernambuco ganharam aqui a dimensão de uma tragédia. Silenciosa e diária.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM