Jornal do Commercio
Solidariedade

Voluntários constroem cisternas em Riacho das Almas

Projeto arrecadou R$ 58 mil para a construção de quatro cisternas em Riacho das Almas

Publicado em 12/04/2017, às 11h39

Cisternas de 16 mil litros ficarão prontas nesta sexta-feira (14) / Divulgação
Cisternas de 16 mil litros ficarão prontas nesta sexta-feira (14)
Divulgação
JC Online

Uma brigada de 10 alunos da PUC-Rio começou a construção de quatro cisternas de 16 mil litros em duas comunidades rurais de Riacho das Almas (PE), agreste pernambucano. A ação é resultado de um financiamento coletivo online, liderado pelos próprios estudantes, que arrecadou 58 mil reais para as construções através do projeto Água para Vidas da ONG Habitat para a Humanidade Brasil. As cisternas ficarão prontas nesta sexta-feira (14), construídas em um esforço conjunto pelos voluntários e pelas famílias, sempre orientados e apoiados por uma equipe da Habitat composta por pedreiros e técnicos construtivos especializados.

O voluntariado surgiu do interesse da engenheira ambiental Raquel Flinker que, depois de atuar em ação semelhante na mesma cidade junto à Habitat Brasil em 2015, sentiu-se motivada a engajar outras pessoas na causa. “Foi uma vivência única onde pude ver a realidade do Agreste e quebrar meus próprios estereótipos. Pude colocar a mão na massa de verdade e profundamente ajudar famílias que têm acesso limitado a água de qualidade. Ficou claro, para mim, que esse projeto poderia acrescentar na formação de engenheiros ambientais. O Água para Vidas une conhecimento técnico, transformação social e sem a menor dúvida, crescimento pessoal”, explica Raquel.

Município de 20 mil habitantes, localizado na microrregião do Vale do Ipojuca, a 131 km de Recife, Riacho das Almas é um dos municípios que sofre com a pior seca dos últimos 100 anos no Nordeste. Os desafios na falta de acesso à água obrigam as famílias a caminharem cerca de 2 km para conseguir entre 20L a 150L (quando conseguem o apoio de uma carroça para carregar). O sofrimento é ainda maior para famílias com crianças e idosos, que muitas vezes precisam participar do deslocamento para ajudar na busca de água.



“Durante o período de seca, os desafios com a renda familiar são agravados, já que a maioria das famílias da região trabalha com a agricultura. O projeto faz uma escolha de priorizar aquelas mais vulneráveis, que recebem em média meio salário mínimo por mês, não têm acesso a água em casa, são lideradas por mulheres e têm crianças, idosos ou pessoas com deficiência física vivendo no local. A presença dos voluntários em ações como esta são fundamentais para que o contexto de vulnerabilidade social dessas famílias seja percebido por pessoas que vivem em realidades mais favoráveis e que podem engajar outras no processo de transformação social, como ficou bem claro nesta ação incentivada pela Raquel entre seus colegas”, detalha a Gerente de Programas da Habitat Brasil, Mohema Rolim.

Projeto Água para Vidas 

O projeto Água para Vidas já atendeu famílias vivendo em extrema pobreza nas zonas rurais, sem acesso a água, em cerca de 15 municípios do estado de Pernambuco. O projeto contempla a reforma e ampliação de telhados para captação de água de chuva, juntamente com a construção de cisternas de placas para armazenamento. Além disso, as famílias participam de cursos de capacitação em temáticas como Gestão de Recursos Hídricos, educação financeira e Gênero, Direitos Humanos e Políticas Públicas. Até o momento, cerca de 430 famílias já foram atendidas pelo projeto.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Educação, emprego e futuro Educação, emprego e futuro
Investir em educação é um pressuposto para o crescimento econômico, a geração de empregos e o aumento da renda. Aos poucos, empresas dos mais variados setores entram numa engrenagem antes formada apenas pelo poder público.
Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM