Jornal do Commercio
CRIATURAS DO ZOO

Águia com chumbo alojado nas asas não pode deixar Parque Dois Irmãos

O animal foi atingido por um tiro de espingarda de chumbinho no interior do Estado

Publicado em 14/05/2017, às 15h30

Munição não pôde ser removida da asa do animal / Foto: Reprodução
Munição não pôde ser removida da asa do animal
Foto: Reprodução
Amanda Rainheri

Muitos animais acabam em zoológicos devido à atividade de caça. É o caso da águia-chilena, ou águia-pé-de-serra, que vive no Parque de Dois Irmãos, na Zona Oeste do Recife. O animal foi atingido por um tiro de espingarda de chumbo no interior do Estado e não pôde ter a munição removida das asas.  

>> Dois Irmãos: conheça Leo, um rei traumatizado à procura de um amor

>> Sena: um dos moradores mais antigos do Parque de Dois Irmãos

>> Dois Irmãos tem segunda maior coleção do País em espécies de abelha

>> Dois Irmãos: macacos desaparecidos por 300 anos podem ser observados

>> Dois Irmãos: conheça a tigresa que trata gastrite causada por estresse

>> Pingo: a raposa que não sobreviveria fora do Parque de Dois Irmãos

>> Dois Irmãos abriga única arara-de-garganta-azul do Brasil 

"A localização dos grãos de chumbo não permite a retirada", explicou o gerente do parque, George Rêgo Barros. Segundo ele, na natureza, a ave, que costuma voar até os Andes, não conseguiria alcançar um bom desempenho de voo.



EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Além de ter uma nova oportunidade de vida, a águia agora tem como missão mostrar os impactos da ação humana na natureza aos visitantes. "Infelizmente, esta é uma realidade, recebemos muitos animais feridos que não têm condições de voltar para a natureza", lamenta Barros.


Galeria de imagens

Legenda
Anteriores
Próximas


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.
Agreste seco Agreste seco
A seca colocou de joelhos uma região inteira. Fez o Agreste sertanejar. Os cinco anos consecutivos sem chuva em Pernambuco ganharam aqui a dimensão de uma tragédia. Silenciosa e diária.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM