Jornal do Commercio
CRIATURAS DO ZOO

Dois Irmãos tem segunda maior coleção do País em espécies de abelha

Ao todo, 11 espécies da Mata Atlântica e Caatinga podem ser observadas no zoo

Publicado em 14/05/2017, às 10h30

O objetivo é preservar as espécies, além de estudá-las / Foto: Ricardo Labastier/ JC Imagem
O objetivo é preservar as espécies, além de estudá-las
Foto: Ricardo Labastier/ JC Imagem
Amanda Rainheri

Quem visita o Parque de Dois Irmãos, na Zona Oeste do Recife, pode conhecer a segunda maior coleção de abelhas em quantidade de espécies do Brasil. A novidade apresentada ao público no ano passado é motivo de curiosidade para os visitantes, já que as abelhas, todas nativas de Pernambuco, não possuem ferrão.  

>> Dois Irmãos: conheça Leo, um rei traumatizado à procura de um amor

>> Sena: um dos moradores mais antigos do Parque de Dois Irmãos

Ao todo, são 11 espécies, entre elas a Plebeia Mínima, uma das menores do mundo. Dez são originárias da Mata Atlântica, enquanto uma é da Caatinga. O objetivo, além da preservação, é o estudo dos insetos, uma vez que sete que estavam desaparecidas da natureza foram identificadas no próprio zoo.  



MATA ATLÂNTICA

"As abelhas nativas têm um papel muito importante na questão da polinização. Já foi encontrado em trabalhos que elas seriam responsáveis por 90% da polinização da Mata Atlântica", afirma o zootecnista André Pimentel. Segundo ele, isso quer dizer que plantas podem voltar a existir no entorno do parque e atrair animais diferentes para a região.


Galeria de imagens

Legenda
Anteriores
Próximas


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.
Agreste seco Agreste seco
A seca colocou de joelhos uma região inteira. Fez o Agreste sertanejar. Os cinco anos consecutivos sem chuva em Pernambuco ganharam aqui a dimensão de uma tragédia. Silenciosa e diária.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM