Jornal do Commercio
Iceberg

Desprendimento de iceberg da Antártida é preocupante, dizem cientistas

Cientistas afirmam também que aquecimento global acelerou o processo de desprendimento de iceberg

Publicado em 14/07/2017, às 09h38

Iceberg tem 1 trilhão de toneladas / Foto: AFP
Iceberg tem 1 trilhão de toneladas
Foto: AFP
Agência Brasil

Cientistas australianos descreveram nesta quinta-feira (13) a ruptura de um iceberg de 1 trilhão de toneladas da Antártida como "profundamente preocupante". As informações são da Xinhua.

Estudiosos do Reino Unido confirmaram, na quarta-feira (12) que a enorme barreira de gelo Larsen C, com área de 5,8 mil quilômetros quadrados (área equivalente ao Distrito Federal), separou-se da Antártida entre 10 e 12 de julho.

Trata-se do terceiro episódio na parte Antártida que fica mais próxima da América do Sul, depois que as barreiras de gelo Larsen A e B entraram em colapso em 1995 e 2002, respectivamente.

Nathan Bindoff, chefe do Programa Oceanos e Criosfera do Instituto de Estudos Marinhos e Antárticos (IMAS), disse que a ruptura aceleraria o afinamento do gelo na Antártida, o que significa que mais rupturas são iminentes.

"Os grandes icebergs que se separam das principais barreiras de gelo são um componente crítico da história da Antártida", disse Bindoff em uma declaração nesta quinta-feira.



"As barreiras de gelo reforçam a camada de congelada da Antártida e diminuem a taxa de perda de gelo na região. Portanto, um grande iceberg como este significa que veremos uma aceleração das geleiras aterradas atrás da barreira de gelo Larsen C.

"Surpreendentemente, essa aceleração das geleiras contribuirá para o aumento do nível do mar nos próximos anos. Vimos precisamente esse efeito no nível do mar quando a barreira de gelo Larsen B se separou".

Apesar do colapso ser um processo natural, Ian Simmonds, professor da Faculdade de Ciências da Terra da Universidade de Melbourne, disse que o aquecimento global causado pelo homem acelerou o processo.

"A ruptura deste enorme iceberg da barreira de gelo Larsen C é profundamente preocupante. Isso ocorre após o colapso de uma parte da barreira de gelo Larsen B em fevereiro de 2002", disse Simmonds.

"As causas dessas rupturas são semelhantes. As temperaturas aumentaram drasticamente na região ao longo das últimas décadas. Isso significa que as temperaturas do verão ficam agora geralmente acima do ponto de congelamento, e o derretimento da superfície enfraquece significativamente as barreiras de gelo".


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.
Agreste seco Agreste seco
A seca colocou de joelhos uma região inteira. Fez o Agreste sertanejar. Os cinco anos consecutivos sem chuva em Pernambuco ganharam aqui a dimensão de uma tragédia. Silenciosa e diária.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM