Jornal do Commercio
ZIKA VIRUS

HRW adverte que persiste contexto que favoreceu zika no Brasil

Entre 2015 e abril de 2017, o total de 2.753 casos de zika foram registrados no país

Publicado em 14/07/2017, às 02h10

'A qualquer momento pode surgir outra epidemia', advertiu João Guilherme Bieber, pesquisador da Human Rights Watch (HRW) / Foto: Divulgação/Fiocruz
'A qualquer momento pode surgir outra epidemia', advertiu João Guilherme Bieber, pesquisador da Human Rights Watch (HRW)
Foto: Divulgação/Fiocruz
AFP

Os problemas que permitiram que a epidemia de zika atingisse há dois anos o Brasil persistem, advertiu nesta quinta-feira João Guilherme Bieber, pesquisador da Human Rights Watch (HRW).

"O que importa e reconhecer que os problemas que permitiram que a epidemia de zika ocorresse há dois anos continuam a persistem. E preciso que haja investimentos e politicas governamentais que resolvam estes problemas. Não basta considerar que porque a emergência acabou o perigo desapareceu. Ele continua, a qualquer momento pode surgir uma nova epidemia', destacou Bieber, durante a apresentação do relatório "Abandonadas e desprotegidas: O impacto da epidemia de zika em mulheres e jovens no nordeste do Brasil".

Segundo o documento de 103 páginas, não responder aos problemas que contribuíram para a escalada da zika no Brasil "deixa a população vulnerável a futuras epidemias e a outras ameaças sérias à saúde pública".



"A qualquer momento pode surgir outra epidemia", advertiu Bieber. 

Entre 2015 e abril de 2017, o total de 2.753 casos de zika foram registrados no Brasil, e mais de 3 mil estão sendo investigados.

"Descobrimos que o surto do vírus Zika no Brasil impactou desproporcionalmente as mulheres e as meninas e agravou antigos problemas de direitos humanos, incluindo o acesso inadequado à água e ao saneamento, as disparidades raciais e socioeconômicas no acesso à saúde e as restrições aos direitos sexuais e reprodutivos. Esses problemas existiam muito antes de o governo confirmar a transmissão local do vírus Zika. No entanto, o surto e a resposta nacional e internacional trouxeram atenção renovada a esses desafios de saúde pública e direitos humanos no Brasil", destaca o relatório.

Critério

A Human Rights Watch analisou a questão dos direitos humanos através da lente do surto de Zika. "Nossa pesquisa encontrou lacunas na resposta das autoridades brasileiras que têm impactos particularmente prejudiciais sobre mulheres e meninas e deixam a população em geral vulnerável a surtos contínuos de doenças graves causadas por mosquitos".

O vírus da zika, descoberto em 1947 em uma selva de Uganda com este nome, começou a se propagar em 2015 no nordeste brasileiro e rapidamente se converteu em uma epidemia explosiva que atingiu toda a América Latina.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.
Agreste seco Agreste seco
A seca colocou de joelhos uma região inteira. Fez o Agreste sertanejar. Os cinco anos consecutivos sem chuva em Pernambuco ganharam aqui a dimensão de uma tragédia. Silenciosa e diária.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM