Jornal do Commercio
FRAUDE AMBIENTAL

Estudo acusa ExxonMobil de ter alimentado dúvidas sobre clima

Mudanças climáticas já seriam conhecidas pela empresa desde a década de 1980

Publicado em 23/08/2017, às 02h32

'A ExxonMobil enganou o público', concluíram os especialistas em História das Ciências. / Foto: AFP
'A ExxonMobil enganou o público', concluíram os especialistas em História das Ciências.
Foto: AFP
AFP
Céline SERRAT

A ExxonMobil sabia desde os anos 1980 que a mudança climática era um fenômeno real causado pelo homem, mas em público alimentou as dúvidas, enganando seus acionistas e os cidadãos, segundo um estudo publicado nesta terça-feira.

O artigo, que amplia uma pesquisa do site InsideClimate News divulgada em 2015, se baseia na análise de 187 documentos produzidos pelo gigante petroleiro americano entre 1977 e 2014: publicações científicas, documentos internos e artigos pagos no New York Times.

"Identificamos uma contradição sistemática entre o que a Exxon dizia sobre as mudanças climáticas nos círculos privados e acadêmicos e o que dizia em público no New York Times", explicou à AFP Geoffrey Supran, um dos autores do estudo publicado na Environmental Research Letters.

Assim, em 83% das publicações científicas e em 80% dos documentos internos estudados se reconhece que a mudança climática é "real e causada pelo homem", mas paralelamente, em "81% dos artigos publicados no New York Times expressam dúvidas" sobre isso.



Para os autores, Supran e Naomi Oreskes, da Universidade de Harvard, ao ter financiado a pesquisa científica, a ExxonMobil "contribuiu para o progresso da ciência sobre o clima", mas enquanto isso "alimentou as dúvidas" sobre o fenômeno.

"A ExxonMobil enganou o público", concluíram os especialistas em História das Ciências.

Ocultação

Supran e Oreskes explicaram ter desenvolvido o estudo depois que a companhia desmentiu as informações de alguns veículos de mídia, que acusaram a empresa de ter ocultado dados científicos sobre as mudanças climáticas.

"Rechaçamos claramente as acusações (...) Nossa empresa, de forma contínua, pública e aberta, investigou e falou dos riscos ligados às mudanças climáticas", defendeu a empresa, na qual o atual secretário de Estado dos Estados Unidos, Rex Tillerson, passou 41 anos, dirigindo-a entre 2006 e 2016.

 


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM