Jornal do Commercio
cidades cidades
  • Tamanho do texto:
  • A-
  • A+

CRIANÇAS ESPECIAIS

Autismo é desafio para escolas

Síndrome é mais comum do que se pensa, mas achar colégio preparado para lidar com o problema é árdua missão

Publicado em 01/04/2012, às 15h20

Margarida Azevedo

Ângela, mãe de Vitória, e Selma, mãe de Heloísa, ajudaram na formação dos professores / Foto: Clemílson Campos/JC Imagem

Ângela, mãe de Vitória, e Selma, mãe de Heloísa, ajudaram na formação dos professores

Foto: Clemílson Campos/JC Imagem

Vitória, 13 anos, nasceu no Recife. Heloísa, 5, na cidade de Vitória de Santo Antão, Zona da Mata pernambucana. Gilberto, 4, é de Angola, no continente africano. Os três fazem parte do universo de crianças autistas ou com espectro autista, o que significa que têm características da síndrome. Estima-se que uma em cada 110 crianças seja diagnosticada com autismo, tornando a doença mais comum que o câncer infantil, diabete e aids pediátricos. Vitória, Heloísa e Gilberto também enfrentaram dificuldade de encontrar uma escola que estivesse preparada para recebê-los.

O autismo é uma síndrome comportamental que compromete a capacidade cognitiva, a interação social e a comunicação. Afeta o modo como a pessoa percebe o mundo. Em geral, os autistas têm repertório restrito de atividades e interesses e funcionamento anormal na capacidade de imaginação. "O tempo de aprendizado de uma criança autista é diferente das demais crianças, pois a atenção e a concentração são comprometidas. Por isso a importância de um currículo individualizado, compatível com o tempo dessa criança", observa o psicopedagogo Victor Eustáquio.

Pesquisa realizada pela Somar, clínica especializada em atraso de desenvolvimento, localizada no bairro da Torre, Zona Oeste do Recife, onde Victor Eustáquio atua, revela que 87,5% das escolas não estão preparadas para receber alunos autistas. O levantamento aponta também que no entendimento de 65% dos entrevistados, as crianças com autismo atrapalham o rendimento da turma. A enquete, que ouviu 40 profissionais de escolas públicas e particulares da capital pernambucana, mostra ainda que para 72,5% deles, o autismo é a patologia mais difícil de ser trabalhada.

"Há uma carência de recursos humanos e materiais para que os educadores possam desenvolver uma intervenção pedagógica consistente, que envolva a permanência e participação com qualidade para a educação dos alunos portadores do espectro autista, bem como assistência e orientação aos familiares, já tão sofridos do ponto de vista afetivo, social e financeiro", ressalta o médico psiquiatra José Marcelino Bandim, do Instituto de Medicina Integral Professor Fernando Figueira (Imip). Ele coordena pesquisas abordando o transtorno autista e lançou recentemente o livro A criança autista e a escola (Edições Bagaço).

Vitória estuda no Colégio Ethos, em Casa Forte, Zona Norte. Heloísa, na Escola Reino Infantil, na cidade de Feira Nova, Agreste, onde mora com os pais. Gilberto é aluno do Centro Municipal de Educação Infantil Ana Rosa Falcão de Carvalho, que fica em Santo Amaro, área central do Recife.

"Vitória passou por três escolas. Na Ethos, eu ajudei a preparar a escola e a professora", conta a mãe da garota, Maria Ângela Lira. Com Heloísa não foi diferente. "Trouxe a professora para participar de uma formação no Recife", lembra Selma Araújo, mãe da criança.

A família de Gilberto veio para o Brasil em busca de tratamento para ele, que está há menos de um mês na escola. "Não há assistência na África. Não esperava ter dificuldade no Brasil. Visitei duas outras escolas. O problema maior é a falta de informação", afirma Danila Chipenda.

Leia mais na edição deste domingo do JC.

Palavras-chave

imprima
envie para um amigo
reportar erro

Comentários

Por kassia,22/11/2012

ja procurei o neuro pediatra ja levei para fono,psicologa,neuro,geneticista,terapeuta,otorrino e varios outros medicos mas sem exito.

Por kassia,22/11/2012

realmente é muito dificil e tenho um filho chamado miguel tem 4 anos e tem autismo faz 1 ano que eu descobri mas ainda não consegui achar uma escola que consiga terminar oa no letivo com ele já três escolas pediu para que eu tirasse ele da escola e sinto meu filho discriminado me ajudem por favor.

Por Rosilane,17/10/2012

Obrigada, Maria pelas dicas.

Por Maria,17/10/2012

Rosilane, Procure um psiquiatra infantil e uma neurologista infantil. Esses profissionais são imprescindíveis para um diagnóstico mais preciso.

Por Rosilane,23/09/2012

Há mais de 3 anos busco diagnostico para minha filha.Atualmente ela tem 9 anos.Já estudou em 3 escolas, mas sem muito sucesso.Há 2 anos estuda em uma escola particular, mas não tenho vistomresultado algum. Ela faz acompanhamento com psicopedagogo e uma pediatra que tem tido um olhar diferenciado para ela.Essa semana ela de-me um parecer sinais de autismo acompanhado de tiques e mutismo seletivo.Qual outro profissional preciso encaminhar minha filha!!!Para uma mãe é muito desesperador, imagina para uma mãe educadora!!!!

Comentar


nome e-mail
comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

Fotos do dia

Vandalismo no TI do Barro: ônibus foram depredados
Foto: Diego Nigro/JC Imagem

> JC Imagem

Vandalismo no TI do Barro: ônibus foram depredadosÔnibus foi queimado no TI do Barro por usuários revoltados com a demora dos coletivosVandalismo no TI do Barro: ônibus foram depredadosDurante a greve, motoristas esvaziaram pneus dos coletivos no Terminal de XambáDurante a greve, motoristas esvaziaram pneus dos coletivos no Terminal de Xambá

Ranking do dia

Especiais JC

Especial Ariano Suassuna Especial Ariano Suassuna
Veja caderno especial publicado no JC no dia seguinte à morte do escritor e dramaturgo Ariano Suassuna
A revolução da energia A revolução da energia
Em um momento difícil para a gestão de energia no Brasil, o JC traz um especial, no JC Online e no Jornal do Commercio, mostrando que essa é uma área essencial e em plena revolução
Facebook Twitter RSS Youtube
Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM