Jornal do Commercio
CONCURSO

Após uma década, Colégio Militar do Recife abre vagas para o ensino médio

As inscrições para o concurso podem ser feitas até o dia 12 de setembro, mês em que acontecem as provas

Publicado em 25/08/2016, às 08h00

A escola é referência no ensino e prima pela disciplina, ética, hierarquia e responsabilidade.  / Foto: Bobby Fabisak/ JC Imagem
A escola é referência no ensino e prima pela disciplina, ética, hierarquia e responsabilidade.
Foto: Bobby Fabisak/ JC Imagem
MARGARIDA AZEVEDO

No Colégio Militar do Recife, os bons exemplos são valorizados. A escola, pertencente à rede federal de ensino e administrada por militares, funciona no bairro do Curado, Zona Oeste do Recife. Prima pela disciplina, ética, hierarquia e responsabilidade. Tem um processo seletivo bastante concorrido para as vagas da 6ª série do ensino fundamental, com mais de 30 candidatos por vaga. A novidade é que após uma década sem abrir vagas para o ensino médio haverá este ano seleção para 10 novos alunos do 1º ano. As inscrições para o concurso podem ser feitas até 12 de setembro. As primeiras provas estão marcadas para 25 de setembro.

“Um dos nossos diferenciais é a qualidade do ensino. Todos os professores, sejam civis ou militares, são concursados, passam por um rigoroso processo seletivo. Nossas turmas têm no máximo 30 alunos”, destaca o diretor do colégio, coronel Jean Martins. “Ensinamos aos nossos alunos valores que vão além dos que estão nos livros didáticos como camaradagem e disciplina”, observa o comandante. A escola teve nota 6,7 no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) de 2013 (avaliação de qualidade aferida pelo Ministério da Educação). No Exame Nacional do Ensino Médio de 2014 ficou com média 619,695.

Cada turma tem um sargento que a acompanha e observa o desempenho individual dos alunos, além do comportamento. Se o estudante apresenta dificuldade de aprendizado participa de aulas de reforço para que consiga alcançar o desempenho do restante dos colegas. Os melhores alunos, entre 10% e 15% de cada série, ganham condecorações e recebem patentes graduadas, de acordo com as notas. Ana Letícia Fortes, 16 anos, por exemplo, é major-aluna. “No primeiro ano que entrei no colégio, no 9º ano, tive dificuldade e fiz o reforço”, lembra Ana, hoje no 3º ano do ensino médio.

 

REGRAS

O colégio é rigoroso com algumas regras. O uniforme tem que estar sempre limpo e bem passado, os sapatos engraxados. Os rapazes devem apresentar-se barbeados. As alunas não podem pintar as unhas com cores fortes, assim como o batom tem que ser discreto. Brincos não podem ser maiores que a auréola da orelha. Nada de cabelos soltos. Uma vez por semana os estudantes participam do hasteamento das bandeiras e cantam o hino nacional. 

A cada semana um aluno é indicado para ser o chefe da sua turma. É responsabilidade dele organizar as filas durante os deslocamentos pelos corredores do colégio; organizar e limpar a sala e informar ao professor, no início de cada aula, se há algum colega faltoso. Os docentes são saudados pelos estudantes com uma continência ao começar as atividades.

Embora seja uma escola pública, existe a cobrança de mensalidade (cerca de R$ 200). O aluno que não tiver condições de pagar conta com apoio da Associação de Pais e Mestres (APM). A entidade ampara o estudante carente com uniforme, transporte, alimentação ou custeia as mensalidades. 

Merenda e livros são repassados pelo governo federal. O colégio tem uma excelente estrutura para esportes. Há campo de futebol, piscina, ginásio coberto, três quadras (duas cobertas), sala de judô, academia e sala de xadrez. Os alunos praticam atletismo, voleibol, basquete, handebol e pentatlo entre outros esportes. Desde o 6º ano começam a participar da banda musical. Há laboratórios de física, química, robótica, idiomas, artes, biologia e informática.

 

Recomendados para você


Comentários

Por Jair Valença,27/11/2017

Sou do ensino da escola Militar do Recife! devido a toda essa disciplina e cobrança. espero que quando minha filha tiver idade consiga ingressar na unidade!

Por Mark Twain,25/07/2017

Sistema Colégio Militar. É como deveriam ser todas as escolas públicas do Brasil. Colégio Militar avante, futuro da pátria, seremos! Com desempenho acadêmico superior ao da maioria das escolas públicas brasileiras, instituições administradas pelo Exército unem professores capacitados, boa infra-estrutura e disciplina. Essa dinâmica está disponível para quem estuda com afinco, possui organização, disciplina, espírito de vencedor e não abraça discursos de fracassado. A principal diferença entre os colégios militares e as escolas civis é o que tange a questão da disciplina. As regras dentro dessas instituições são rígidas. Apesar de a aula começar às 7h, o aluno que atravessa o portão de entrada às 6h30 é considerado atrasado. Se o uniforme não estiver impecável (há militares do Exército Brasileiro lotados na unidade militar de ensino designados exclusivamente para observar isso), pode não ter acesso à sala de aula. Fica de castigo no interior do colégio até o fim do turno. Há normas também sobre a aparência. O corte de cabelo masculino é feito com máquina 2, e refeito de 15 em 15 dias. Não é permitido barba, bigode ou cavanhaque, brinco, piercing nem óculos escuros. Guarda-chuva, somente na cor preta. Os cabelos femininos podem ficar soltos, contanto que não ultrapassem a altura da gola do uniforme. Se médio ou longo, deve ser preso. Mechas coloridas são proibidas. As unhas devem ser incolores ou pintadas apenas nas cores branca e rosa-clara. Ao cruzarem com um professor, diretor ou monitor, os alunos devem prestar continência. Namorar, beijar, andar abraçado ou de mãos dadas é considerado transgressão disciplinar e os pais são chamados. Se não seguir as regras, DESLIGAMENTO DA INSTITUIÇÃO! Deve ser assim, sempre! Quem quiser ser marginal, vá para as escolas públicas tradicionais ou mesmo muitas escolas civis, onde a putaria corre solta sob todos os aspectos.

Por Peer Gynt,25/10/2016

Saulo, remoendo ler o ultimo edital para ingresso no CMR que, de resto, segue o modelo dos editais dos Colégios Militares em todo pais.

Por Saulo,05/09/2016

PEER GYNT,26/08/2016, o CM admite alunos com deficiência sim, o caráter dele é assistencial e preparatório.

Por Carlos ,26/08/2016

Se a escola não fosse inclusiva ou de alto nievel o sobrinho da senhora na iria tentar se inscrever nela, vale ressaltar que as condições que envolvem as praticas pedagógicas limitam pessoas para algumas situações neste caso outras instituições de ensino passam a ser opção para quem deseja uma educação de ato nível como por exemplo o Colégio de Aplicação. Foi dito que a escola Militar e preconceituosa infringindo a CF 88. As escolas Militares possuem sua especificidades da qual a CF além de ser respeitada e colocada como pratica de estudo destas instituições é preciso aceitar as diferenças sejam elas quais forem e consequentemente as limitações que cada um apresenta não posso ser um piloto de formula 1 mas posso ser um excelente profissional de qualquer área ao qual posso me incluir, e isso não é está contra a CF.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

As Paixões de José Pimentel, o eterno Jesus As Paixões de José Pimentel, o eterno Jesus
O JC preparou um hotsite especial em homenagem ao ator e diretor Jose Pimentel, o eterno Jesus Cristo do teatro pernambucano
Nordeste Renovável Nordeste Renovável
Com a força dos ventos e a incidência solar, o Nordeste desponta como oásis. Não só para o turismo, nem apenas no Litoral. Na geração de energia sustentável está a nova fonte de riqueza da Região, principalmente no interior
Vidas Compartilhadas Vidas Compartilhadas
O JC apresenta o mundo da doação e dos transplantes de órgãos pelas vozes de pessoas que ensinam, mesmo diante das adversidades, a recomeçar a vida quantas vezes for preciso.

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM