Jornal do Commercio
PARALISAÇÃO

Quase 2 mil professores decidem continuar greve nas escolas municipais do Recife

O Simpere estima que cerca de 80% da categoria esteja de braços cruzados desde o último dia 15

Publicado em 20/03/2017, às 18h02

Nesta quarta-feira (22), um ato será realizado pelos professores em frente ao prédio da Prefeitura do Recife / Foto: Reprodução/Facebook
Nesta quarta-feira (22), um ato será realizado pelos professores em frente ao prédio da Prefeitura do Recife
Foto: Reprodução/Facebook
JC Online

Após assembleia realizada nesta segunda-feira (20), os professores da rede municipal de ensino do Recife decidiram manter a greve da categoria que já se arrasta desde a última quarta-feira (15), mesmo dia em que um grande ato foi realizado em todo o País contra as reformas anunciadas pelo presidente Michel Temer. De acordo com o Sindicato Municipal dos Profissionais de Ensino da Rede Oficial do Recife (Simpere), além da pauta nacional, a classe reivindica o reajuste de 7.64%  no salário, conforme determina o piso nacional.

Ainda segundo o Simpere, uma mesa de negociação já foi realizada com o secretário de Educação do Recife, que se negou a oferecer o reajuste para a categoria. "Tivemos uma mesa de negociação com o secretário e ele nos confirmou que não irá pagar o piso nacional a todos os professores. Segundo ele, o reajuste só será aplicado aos profissionais em início de carreira", confirmou a assessoria do Simpere.

O Simpere estima que cerca de 80% da categoria esteja de braços cruzados. A rede municipal de ensino conta com 320 unidades de ensino, que atendem a cerca de 90 mil estudantes. São 232 escolas de ensino fundamental  - das quais cinco oferecem ensino integral, 53 creches e 21 creches-escolas, além de 14 Unidades de Tecnologia na Educação (Utecs), conforme informa a PCR.

Nova assembleia

Nesta quarta-feira (22), um ato será realizado pelos professores em frente ao prédio da Prefeitura do Recife, no Cais do Apolo, às 9h. No mesmo dia, durante a tarde uma nova assembleia será realizada para definir os rumos da paralisação.

 


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.
Agreste seco Agreste seco
A seca colocou de joelhos uma região inteira. Fez o Agreste sertanejar. Os cinco anos consecutivos sem chuva em Pernambuco ganharam aqui a dimensão de uma tragédia. Silenciosa e diária.
#PeloCaminhar #PeloCaminhar
Mais do que mobilidade, caminhar também é apropriar-se da cidade. Mas o caminhar está difícil. A mobilidade a pé necessita de uma infraestrutura própria, decente, que eleve o pedestre ao posto maior. Por isso o JC lança a discussão #PeloCaminhar.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM