Jornal do Commercio
financiamento

Governo estuda estímulo à migração de alunos para novo modelo do Fies

Novo Fies prevê desconto das prestações diretamente do salário formal

Publicado em 11/07/2017, às 10h14

O programa tem cerca de 2,2 milhões de contratos ativos e taxa de calote superior a 50% / Foto: Acervo JC Imagem
O programa tem cerca de 2,2 milhões de contratos ativos e taxa de calote superior a 50%
Foto: Acervo JC Imagem
Estadão Conteúdo

O governo federal estuda a possibilidade de oferecer redução nas taxas de juros a alunos vinculados ao atual Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) que aceitarem migrar para o novo modelo. Em troca, teria maior eficiência na hora de cobrar as parcelas do empréstimo, já que o Novo Fies prevê desconto das prestações diretamente do salário formal.

O incentivo à migração por meio do "juro real zero" é considerado saída importante para que o governo consiga desarmar a bomba-relógio que o atual Fies se tornou para as contas públicas. O programa tem cerca de 2,2 milhões de contratos ativos e taxa de calote superior a 50%. Como o fundo garantidor cobre só 10% de inadimplência, em breve o Tesouro Nacional precisará fazer aportes para bancar o rombo bilionário.

A proposta ainda está em análise pelo governo e precisará ser regulamentada pelo Comitê Gestor do Fies (CG-Fies), que será constituído por integrantes dos Ministérios do Planejamento, da Fazenda e da Educação, do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) e das universidades privadas. A equipe econômica sabe, no entanto, que a migração dos alunos deve enfrentar resistência das instituições educacionais, que terão de contribuir com valores maiores para o fundo garantidor do novo Fies.

"A ideia é ter incentivo de migração do modelo antigo para o novo a partir da possibilidade de até reduzir a taxa de juros desses contratos, para que esses alunos tenham essa modalidade de pagamento vinculada à renda. Isso é importante para sanar o Fies", explica o assessor especial do Ministério do Planejamento Arnaldo Lima Junior, que participou da elaboração das novas regras.



O aluno paga hoje juro nominal de 6,5% ao ano, o que poderia ser vantajoso em tempos de inflação elevada. Com os preços subindo em média 3% ao ano, porém, acaba impondo taxa de juros real acima de 3% ao ano. O "juro real zero" do novo Fies propõe só correção de valores dos contratos pela inflação.

Ninguém será obrigado a migrar, mas poderá avaliar qual será a modalidade mais vantajosa. Para o governo, os descontos nos juros se reverteriam positivamente no pagamento em dia de maior número de contratos.

Empresas

O governo também quer incentivar empresas a contratarem o Fies para bancar um curso superior a seus funcionários. Para isso, o Ministério do Trabalho deve propor ao Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo ao Trabalhador que o fundo empreste R$ 250 milhões no ano que vem para essa modalidade. A fonte de recursos mais barata contribuiria para uma taxa menor de juros, que o próprio Codefat estima que deva ficar abaixo da taxa básica, a Selic, hoje em 10,25% ao ano. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.
Agreste seco Agreste seco
A seca colocou de joelhos uma região inteira. Fez o Agreste sertanejar. Os cinco anos consecutivos sem chuva em Pernambuco ganharam aqui a dimensão de uma tragédia. Silenciosa e diária.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM