Jornal do Commercio
JC 360

Ensino técnico: uma porta para o mercado de trabalho

MEC amplia oferta de ensino técnico com MedioTec e com o novo ensino médio, para facilitar entrada do jovem no mercado de trabalho

Publicado em 26/07/2017, às 06h00

Eduardo é estudante do 3º ano do Ensino Médio do Etepam e valoriza muito o ensino técnico que cursa / Ashlley Melo/JC360
Eduardo é estudante do 3º ano do Ensino Médio do Etepam e valoriza muito o ensino técnico que cursa
Ashlley Melo/JC360
JC Online

O ensino técnico no Brasil sempre foi considerado uma formação complementar ao ensino médio. É claro que nem todo mundo se interessa pela área, mas alguns estudantes sequer cogitam a possibilidade de entrar em um curso profissionalizante durante o ensino médio ou ao fim da escola. Segundo o Ministério da Educação (MEC), apenas 18% dos jovens de 18 a 24 anos ingressam no ensino superior. O que quer dizer que a maioria termina o ensino médio sem qualquer formação profissional e vai buscar o mercado de trabalho sem qualificação.

Mas a formação técnica pode cumprir um papel muito importante no desenvolvimento do estudante e da região onde ele vive. Hoje em dia, por meio de mapeamentos e levantamentos, é possível direcionar as formações e preparar os adolescentes para as necessidades do mundo do trabalho. É dessa forma que está sendo feito o MedioTec, nova estratégia do MEC que faz parte do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec).

A ideia é estimular os estudantes do ensino médio a se matricularem em cursos técnicos no contraturno, com prioridade para os estudantes das escolas públicas. As vagas levam em conta as demandas locais, com dados sobre oportunidades reais de inserção. O novo programa visa ofertar ao aluno uma ampla formação, com dupla certificação regular. Serão investidos R$ 700 milhões para 82 mil novas vagas na rede pública, em 14 Estados.

“Estamos estimulando os alunos que estão fazendo ensino médio e que não pensaram na área técnica a pensar nisso”, afirma a secretária de Educação Profissional e Tecnológica do MEC, Eline Nascimento. “Os países que têm o menor índice de desemprego entre jovens são os que mais investiram em ensino técnico. Preparam o jovem para o mundo do trabalho, de modo que ele trabalha em cima de soluções reais”, continua. 

O diretor geral do Senai, Rafael Lucchesi, acredita no potencial do ensino técnico como porta para o mercado de trabalho

As vantagens dos cursos técnicos não param por aí: de acordo com levantamento do Serviço Nacional de Aprendizagem (Senai), eles são responsáveis pelos maiores índices de empregabilidade. No Senai Pernambuco, por exemplo, o curso com maior empregabilidade é o de automação industrial, em que 88% dos estudantes conseguem uma colocação no mercado de trabalho. Em seguida, vêm os cursos de administração empresarial e produção de moda, com 75% de empregabilidade cada. Até 2020, o Senai estima que Pernambuco precise capacitar 384 mil trabalhadores para profissões industriais. Os dados fazem parte do Mapa do Trabalho Industrial 2017-2020.

Além disso, dados da Fundação Itaú Social mostram que estudantes concluintes do ensino médio profissionalizante recebem 12% a mais, em termos salariais, que um estudante do médio regular. “O jovem sai mais preparado para ser empreendedor. Eles conseguem ver onde aplicar o conhecimento, o que é algo fundamental para o adolescente”, diz Eline.

Os benefícios do ensino técnico são tantos e tão evidentes que estudos do Banco Mundial, do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), da Organização dos Estados Americanos (OEA) e outros organismos indicam a necessidade de fomentar e induzir uma formação profissional mais integral e conectada com as demandas. Além do MedioTec, o novo ensino médio do MEC também vai estimular o ensino profissionalizante, trazendo a formação técnica como um dos itinerários informativos. O aluno vai ter a opção de deixar a escola com os diplomas de ensino médio e técnico.



“Com relação à reforma do ensino médio, estamos estimulando que o aluno possa escolher, ao longo do período, o ensino técnico. Ao longo do ensino médio eu vou fazer BNCC e, na hora de aprofundar, eu escolho o itinerário técnico. Vou escolher determinado curso na área técnica e já vou sair com as duas formações”, explica Eline Nascimento.

“O Novo Ensino Médio tem grande importância porque ele pode propiciar à juventude brasileira um melhor acesso ao mundo do trabalho. Como vimos, somente 18% dos jovens vão para a universidade. Na realidade brasileira, na forma como estava o sistema educacional, nós excluíamos 82% dos jovens. Temos que pensar em que caminhos fazer”, explica o diretor geral do Senai, Rafael Lucchesi.

O “Sistema S” é o exponente do ensino técnico no Brasil. Composto por 11 organizações, incluindo os Serviços Nacionais de Aprendizagem Industrial (Senai), Comercial (Senac) e Rural (Senar), o sistema se dedica à formação profissional em suas respectivas áreas, além de prestar assistência social, técnica, consultoria e pesquisa. Elas são mantidas por contribuições estipuladas pela Constituição Federal.

A gestora do Etepam, Sandra Domitilia, e o estudante Eduardo Vinícius, de 17 anos

Alguns institutos no estado já se dedicam a fornecer o ensino médio integrado ao ensino técnico. Espalhadas por Pernambuco existem 26 Escolas Técnicas Estaduais (ETEs), além do Instituto Federal de Pernambuco (IFPE), na Zona Oeste do Recife. A primeira escola nesse formato do estado, hoje chamada Escola Técnica Estadual Professor Agamenon Magalhães (Etepam), surgiu no modelo atual em 1928 (é a mais antiga escola técnica do norte-nordeste) e se mantém em forte atividade. Dos seus 1547 estudantes matriculados, 467 fazem ensino médio e técnico juntos.

“A formação integral do estudante não é só passar mais tempo na escola. É cuidar da formação dele como um todo. Da parte intelectual, cognitiva, e de formação humana, ao mesmo tempo em que prepara o aluno para o mercado profissional e para a academia”, explica a gestora da Etepam, Sandra Domitilia de Carvalho.

O estudante Eduardo Vinícius, de 17 anos, está terminando o terceiro ano do ensino médio e reconhece a grande chance a que teve acesso ao cursar o ensino técnico integrado, no Etepam.

“Antes de começar o médio com o técnico, eu fiquei apreensivo por causa da carga horária. Depois que entrei, vi que tinha conseguido uma ótima oportunidade. É super legal você acabar seu ensino médio juntamente com um curso técnico, é um prelúdio pro mercado de trabalho. Além disso, acho que você se torna uma pessoa melhor, tem experiência profissional”, conclui.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM