Jornal do Commercio
EDUCAÇÃO

Professora é espancada por mãe de aluno no Cabo de Santo Agostinho

Caso aconteceu no dia 22 de fevereiro e expõe a violência escolar a que docentes estão submetidos

Publicado em 04/03/2018, às 05h15

Bastante abalada, professora não sabe se voltará à sala de aula / Foto: Felipe Ribeiro /  JC Imagem
Bastante abalada, professora não sabe se voltará à sala de aula
Foto: Felipe Ribeiro / JC Imagem
Margarida Azevedo

Com sete anos de magistério, uma professora da rede municipal do Cabo de Santo Agostinho, no Grande Recife, foi agredida por uma mãe de aluno, no dia 22 de fevereiro. A violência foi praticada na frente de pais e alunos e deixou a docente bastante abalada.  "Nunca imaginei passar por uma situação como aquela. Doeu na alma”, diz.

Na semana passada, um professor de uma escola da rede estadual localizada no Recife ganhou na Justiça o direito a uma indenização que deve ser paga por uma ex-aluna. Leia, abaixo, a entrevista com a professora do Cabo:

JC – Como aconteceu a agressão?
PROFESSORA – No terceiro dia de aula, a aluna chegou em casa com uma mancha no braço, segundo a mãe dela. Elas voltaram na escola e a mãe perguntou à porteira por mim. Eu já havia ido embora. A mãe disse que a filha tinha contado três versões para o ferimento: que havia batido na porta, que um colega tinha machucado ela e, depois, que a professora tinha batido nela. Como não me encontraram, foram embora.

JC – E depois?
PROFESSORA – Elas voltaram no dia seguinte. Faltavam uns 20 minutos para começar o turno. A mãe me abordou, dizendo logo que eu tinha batido na filha dela. Perguntei à menina se isso realmente tinha acontecido. A criança estava com os lábios roxos de tão nervosa, tremendo. Não respondeu nada. A mãe puxou meu cabelo e meu deu um soco no rosto, do lado esquerdo. Desmaiei e caí no chão. Ela continuou chutando meu rosto. Só parou quando o marido dela, que estava do lado, e a diretora da escola, intervieram e a tiraram de cima de mim. Alunos e pais que chegavam viram tudo. Muita gente presenciou a agressão. (ela chora neste momento)



JC – Como a senhora ficou?
PROFESSORA – Muito abalada (continua chorando). Fiquei desorientada. Fui socorrida. Depois estive na Delegacia do Cabo e registrei uma queixa. Também fui ao IML no Recife para exame de corpo de delito. Meu rosto ficou desfigurado, quatro dias para desinchar. Os lábios estouraram. Por sorte não aconteceu nada grave com meu olho. Só sai de casa uma semana depois. Estava com medo.

JC – A senhora pretende voltar para escola ou para sala de aula?
PROFESSORA – (Silêncio). Não sei o que fazer daqui pra frente. Estou com medo de voltar. Nunca passei por tanto constrangimento. Chorei muito todos esses dias. Escolhi ser professora por vocação, gosto muito de alfabetizar. Tem que haver uma relação de confiança entre a escola, os pais e os professores. Tenho um filho de 3 anos e jamais faria mal a uma criança. A agressão que sofri doeu na minha alma. Os hematomas doeram, mas vão sumir. O constrangimento, a humilhação, o desrespeito, não. As marcas ficarão para sempre.

JC – Espera que a mãe da aluna seja punida?
PROFESSORA – Estou preocupada com a menina, que desde o episódio não foi mais para a escola. A criança é que sai perdendo. Soube que no ano passado a mãe dela agrediu outra professora, em outra escola. Queria que a mãe fosse punida para não fazer isso de novo.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva
Rodoviários: ''máquinas'' sem manutenção Rodoviários: ''máquinas'' sem manutenção
Carga horária excessiva, más condições de trabalho, terminais sem estrutura apropriada e os riscos ocupacionais aos quais estão submetidos. O transporte rodoviário está em quarto lugar entre as profissões com mais com comunicações de acidentes de trabalh
#UmaPorUma #UmaPorUma
Existe uma história para contar por trás de cada assassinato de mulher em Pernambuco. Uma por uma, vamos contar todas. Mapear onde as mataram, as motivações do crime, acompanhar a investigação e cobrar a punição dos culpados. Um banco de dados virtual.

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM