Jornal do Commercio
cidades cidades
  • Tamanho do texto:
  • A-
  • A+

justiça

Morre pernambucano que ficou 19 anos preso injustamente

O caso de Marcos Mariano da Silva foi reconhecido pelo STJ como o maior erro judicial da história do Brasil

Publicado em 22/11/2011, às 23h46

Amanda Tavares

Gabriela López

Marcos Mariano foi encontrado morto pela esposa, Lúcia, que ia acordá-lo para jantar / Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem

Marcos Mariano foi encontrado morto pela esposa, Lúcia, que ia acordá-lo para jantar

Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem

Morreu, na noite desta terça-feira (22), aos 63 anos, Marcos Mariano da Silva. Ele foi a primeira pessoa a receber indenização do Estado de Pernambuco por ter sido preso injustamente. O pernambucano ficou 19 anos detido no Presídio Aníbal Bruno, no Sancho, Zona Oeste do Recife, acusado de um homicídio que nunca cometeu. Ele foi encontrado morto dentro de casa, no bairro de Afogados, pela esposa, a dona de casa Lúcia Vicente Rodrigues. Ainda não se sabe a causa da morte.

O caso de Marcos foi reconhecido pelo STJ como o maior erro judicial da história do Brasil. "Apesar de tudo, ele sempre acreditou muito na Justiça. Infelizmente, não teve condições de completar o ciclo que tanto queria", declarou o advogado de Marcos desde o início da ação, Afonso Bragança.

 

Marcos Mariano foi preso pela primeira vez em 1976, no Cabo de Santo Agostinho, mas seis anos depois o verdadeiro culpado foi identificado e ele foi solto. A liberdade durou apenas alguns anos. Em 1985, ele voltou à unidade prisional porque a polícia entendeu que ele estava foragido. Foi preciso três anos e um mutirão processual para que a Justiça reconhecesse que Marcos estava preso sem culpa. Durante o segundo período em que esteve recluso, Marcos ficou cego dos dois olhos após ser ferido por estilhaços de bomba de gás lacrimogênio em uma rebelião.

Assim que foi solto, o ex-mecânico e ex-motorista decidiu entrar com uma ação judicial contra o Estado pedindo indenização de R$ 2 milhões por danos morais e materiais. A primeira parte foi paga em 2009. Com o dinheiro, Marcos comprou casas para ele e os parentes. Para não pagar a segunda parte, o Estado entrou na Justiça e, coincidentemente, ontem saiu a decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) negando o recurso.

Emocionada, a esposa, que deparou-se com Marcos morto no momento em que foi acordá-lo para jantar, lembrou dos momentos difíceis enfrentados pelo casal. “Quando ele saiu da cadeia, passamos por muitas dificuldades. Tivemos que morar na casa da minha mãe, na Várzea, depois alugamos um quarto, em Camaragibe, e não tínhamos dinheiro para pagar as contas. As coisas melhoraram há dois anos (quando o Estado pagou a primeira parte da indenização)".

“Durante vários anos, o casal dependeu de favores dos amigos. Comprávamos cestas básicas, medicamentos e pagávamos o aluguel”, contou o policial Laurentino de Brito, amigo da família.

Palavras-chave

imprima
envie para um amigo
reportar erro

Comentar


nome e-mail
comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

Fotos do dia

Terminal de Xambá fechado na manhã desta sexta, durante paralisação de motoristas e cobradores
Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem

> JC Imagem

Terminal de Xambá fechado na manhã desta sexta, durante paralisação de motoristas e cobradoresMototaxistas aproveitam para lucrar com a paralisação dos ônibusPopulação aguarda terminal Integrado de Xambá abrir para pegar coletivoPopulação aguarda coletivo no Terminal Integrado Joana BezerraPopulação aguarda coletivo no Terminal Integrado Joana Bezerra

Ranking do dia

Especiais JC

O adeus a Eduardo Campos O adeus a Eduardo Campos
Especial com matérias, fotos e vídeos de Eduardo Campos, morto em acidente aéreo no dia 13 de agosto de 2014
A história de mim A história de mim
Especial do JC mostra a história de todos nós.
Facebook Twitter RSS Youtube
Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM