Jornal do Commercio
tpa

Taxa de Preservação em Fernando de Noronha sobe para R$ 45,60

Valor é pago diariamente por turistas durante a estada no arquipélago

Publicado em 09/01/2013, às 19h22

 / Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem

Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem

Do JC Online

A Taxa de Preservação Ambiental (TPA) para permanência no arquipélago de Fernando de Noronha sofreu reajuste de 5,5% desde o dia 1º deste ano. O valor pago diariamente pelo turista passou de R$ 43,20 para R$ 45,60. O aumento ocorre todos os anos, e os recursos são destinados, entre outras coisas, para cobrir despesas de manutenção da ilha. Um mês de estada custa R$ 3.762. São isentos moradores e quem está a trabalho.

Os valores da Taxa de Ancoragem e da Taxa de Licença também foram reajustados. No primeiro caso, uma embarcação de cinco metros, por exemplo, passará a pagar R$ 45,60 por dia que permanecer ancorada, sem movimentação de carga. A segunda taxa, voltada para quem exerce atividade no distrito, é agora de R$ 342.

A TPA existe desde 1989, sob decreto da Lei 10.403, com a instituição dos tributos no âmbito do Distrito Estadual de Fernando de Noronha. “Essa cobrança não tem um impacto muito grande para quem vem visitar Noronha. É importante que os turistas entendam que os valores retornam em benefícios para eles mesmos”, explica o diretor de Gestão Insular do Distrito, Reginaldo Valença.

Palavras-chave




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Educação, emprego e futuro Educação, emprego e futuro
Investir em educação é um pressuposto para o crescimento econômico, a geração de empregos e o aumento da renda. Aos poucos, empresas dos mais variados setores entram numa engrenagem antes formada apenas pelo poder público.
Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM