Jornal do Commercio
outro lado do carnaval

Um poliglota no lixo da folia

Marcone Silva cata latinhas para sobreviver e orienta turistas em inglês, espanhol, francês, italiano ou alemão

Publicado em 04/02/2013, às 06h23

 /
Maiara Melo
maiaramelo29@gmail.com

A história de Marcone Manoel Santos da Silva é surpreendente e igualmente emocionante. Com 41 anos, ele sustenta a esposa grávida de cinco meses e dois filhos, de 1 e 5 anos, com o pouco que consegue catando latinhas, em Olinda. Para adquirir o máximo de dinheiro, chega a passar três dias sem voltar para casa, tomando banho de mar e comendo restos de comida que encontra no lixo. Aposta na folia para reforçar a renda. O inesperado desta rotina é que ele conversa com os turistas, esclarecendo dúvidas e dando informações sobre nossa cultura em inglês, espanhol, francês, italiano ou alemão. “Falo melhor em outras línguas do que em português”, confessa com a maior naturalidade do mundo.

O homem que tinha tudo para trazer no rosto a amargura de uma vida sofrida, mas escolheu mostrar os olhos pequenos, por causa do sorriso largo, mora no bairro de Caixa D’água, em Olinda. “Quando eu sorrio, quase fico sem enxergar”, brinca. O modesto poliglota paga R$ 120 mensais por um quarto sem conforto, mobiliado graças a doações da vizinhança e dos pais. “Minha preocupação agora é com o bebê, que daqui a pouco chega. Tenho que arrumar um enxoval e um lugar melhor para morar, porque uma criança precisa de espaço.” Marcone consegue catar latas suficientes para arrecadar R$ 7 diariamente. Ele está aproveitando o período de festa para trabalhar mais e conseguir acumular o necessário para o conforto do terceiro filho. “Às vezes acontece de alguém chegar e levar o que eu catei, enquanto estou dormindo. Aí complica ainda mais a minha vida.”

LIÇÕES - Há mais de 20 anos – ele não sabe precisar quanto – trabalhava ajudando comerciantes da orla de Boa Viagem. “Eu fui observando, ouvindo, prestando atenção, conversando com os turistas e acabei aprendendo os idiomas”, conta. Com isso, trabalhou nas praias do Litoral Sul do Grande Recife, como Gaibu e Calhetas. “Comecei a mostrar as praias para o povo que vinha de fora. Virei uma espécie de guia”, lembra. Em busca de uma vida melhor, foi para o Ceará, onde morou duas décadas. “Lá, conheci a minha mulher e tive meus filhos. Voltei para Pernambuco há oito meses.” Desde então, sem oportunidade de emprego, optou pela coleta para sobreviver. “Sou trabalhador, tenho força e coragem. O que eu não posso é roubar e matar. Uso a minha disposição para conseguir meu dinheirinho honestamente. Eu podia roubar, mas vou fazer isso não. Prefiro voltar para casa em paz.”

Quando chega em casa, a luta continua. “Lá não tem água encanada. Eu pego uns baldes, vou em um poço, encho e deixo o suficiente para ir catar as minhas latinhas com a certeza de que a minha esposa não vai precisar fazer esforço.” Durante o período em que fica fora de casa, para se comunicar com a família, sempre que pode, arruma um celular emprestado de algum folião, para pedir a bênção à mãe e ao pai. “Tenho que falar com mainha e painho. Perguntar sobre as crianças”, explica.

Quem quiser ajudar, Marcone mora na Rua dos Marajás, nº 155, Caixa D’Água, Olinda.




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Educação, emprego e futuro Educação, emprego e futuro
Investir em educação é um pressuposto para o crescimento econômico, a geração de empregos e o aumento da renda. Aos poucos, empresas dos mais variados setores entram numa engrenagem antes formada apenas pelo poder público.
Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM