Jornal do Commercio
Patrimônio

Instituto Arqueológico, Histórico e Geográfico Pernambucano investe em acessibilidade

Museu ganhará elevador, rampas, placas em braile e marcações táteis no piso. Serviços custarão R$ 270 mil e serão concluídos até dezembro

Publicado em 15/09/2013, às 09h15

Reforma é financiada pelo programa da Caixa Econômica Federal de Apoio ao Patrimônio Cultural Brasileiro / Foto: Diego Nigro / JC Imagem

Reforma é financiada pelo programa da Caixa Econômica Federal de Apoio ao Patrimônio Cultural Brasileiro

Foto: Diego Nigro / JC Imagem

Marina Barbosa

O acervo do Instituto Arqueológico, Histórico e Geográfico Pernambucano vai ficar mais próximo dos portadores de deficiências físicas e visuais no fim deste ano. É que o museu, localizado em um casarão amarelo da Rua do Hospício, no Centro do Recife, está ganhando elementos de acessibilidade como elevador, rampas, placas em braile e marcações táteis no piso. Fundado em 1862, o museu é o mais antigo do País e o primeiro do Estado a receber estruturas que garantam acessibilidade para todos os visitantes.

A turismóloga Clarisse Fraga ressaltou que as obras são importantes para permitir que mais pessoas tenham acesso ao acervo do instituto, composto por móveis, pinturas, armamentos e documentos que retratam episódios e personagens importantes da história pernambucana. Entre os objetos em exposição, há desde painéis que mostram a expulsão dos holandeses até a primeira prensa de jornal do Estado. “O espaço abriga elementos importantes para a história e a cultura de Pernambuco, mas apresenta dificuldades de acessibilidade. O museu precisa estar bem preparado para receber turistas, pesquisadores e pernambucanos”, afirmou.

Clarisse Fraga elaborou o projeto-executivo de reforma do instituto em parceria com o arquiteto José Luiz Mota Menezes. Ela disse que os serviços pretendem atender melhor tanto cadeirantes e deficientes visuais quanto os estudiosos que já frequentam o local. “Atualmente, a maior parte dos visitantes é composta por pesquisadores. Muitos deles são idosos e têm dificuldade de locomoção. Por isso, alguns não conseguem subir a escada que dá acesso às salas do primeiro andar”, explicou.


Galeria de imagens

Legenda
Anteriores
Próximas

EDITAL - As obras que pretendem melhorar o acesso ao museu estão avaliadas em R$ 270 mil e são financiadas pelo programa da Caixa Econômica Federal de Apoio ao Patrimônio Cultural Brasileiro. O edital que aprovou a reforma foi liberado em maio e as obras começaram a ser realizadas em agosto deste ano. A primeira etapa do serviço contempla a instalação de uma plataforma elevatória que comporta até duas pessoas, sendo uma delas cadeirante, e a melhoria dos banheiros do imóvel. Depois disso, serão construídos corrimãos e rampas na entrada e no interior do museu. O local também vai ganhar marcações podotáteis entre as salas de exposição, ou seja, demarcações no piso para guiar deficientes visuais.

Coordenados pela produtora Bureau de Cultura e Turismo, os serviços de acessibilidade devem ser finalizados até dezembro. Para viabilizar a reforma, três salas do instituto ficam interditadas nesse período. Os objetos que estavam expostos nesses cômodos foram relocados para outras salas. Por isso, o espaço não precisou ser fechado para a realização das obras. O local continua recebendo visitantes de segunda a sexta-feira, entre as 13h e as 17h e, aos sábados, das 8h às 12h. Quando a reforma estiver concluída, o local também vai ganhar monitores capacitados para receber pessoas com mobilidade e visão reduzida.

Leia mais na edição impressa do Jornal do Commercio deste domingo (15)




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM