Jornal do Commercio
justiça federal

Justiça condena dois dos cinco réus pela morte do advogado Manoel Mattos

Flávio Pereira e José Martins foram condenados. Já Sérgio da Silva, José Nilson e Cláudio Borges foram inocentados

Publicado em 15/04/2015, às 23h49

Mãe de Manoel Mattos, Nair Ávila acompanhou os dois dias do julgamento / Foto: Ricardo B. Labastier/JC Imagem

Mãe de Manoel Mattos, Nair Ávila acompanhou os dois dias do julgamento

Foto: Ricardo B. Labastier/JC Imagem

Do JC Online
Com informações da repórter Ciara Carvalho

Atualizada à 0h51

Após dois de julgamento, a Justiça Federal em Pernambuco condenou, na noite desta quarta-feira, dois dos cinco réus acusados de envolvimento no assassinato do advogado Manoel Bezerra de Mattos Neto, em 2009. O sargento reformado Flávio Inácio Pereira foi condenado pelo júri popular a 26 anos de prisão e José da Silva Martins, a 25 anos em regime fechado. Já Sérgio Paulo da Silva, José Nilson Borges e Cláudio Roberto Borges foram inocentados por entendimento dos jurados de que não havia provas suficientes para a condenação dos três.

O Ministério Público Federal (MPF) vai recorrer da sentença relativa a José Nilson e Cláudio Borges. O júri, presidido pela juíza Carolina Malta, foi realizado na sede da Justiça Federal de Pernambuco, no Jiquiá, Zona Oeste do Recife. Os condenados não poderão recorrer da sentença em liberdade.

O MPF pediu transferência dos condenados para presídios federais. De acordo com o procurador da República Fabrício Carrer, que atuou na acusação, a absolvição de José Nilson revela uma contradição, já que os jurados reconheceram que ele forneceu a arma do crime, mas não decidiram pela sua condenação. Em relação a Cláudio, a acusação vai recorrer por entender que havia, sim, provas suficientes para condená-lo. Quanto a Sérgio, o próprio MPF pediu absolvição do acusado por entender que não havia certeza da participação do suspeito na execução.

A mãe de Manoel Mattos, Nair Ávila, comemorou parcialmente as condenações. "Não foi como a gente queria, mas foi uma vitória muito grande. Tenho certeza de que, onde meu filho estiver, ele vai estar feliz com o resultado. Estou com o coração aliviado e a justiça só pôde ser feita devido à transferência do júri para Pernambuco. Se fosse na Paraíba, tenho certeza de que o resultado não seria o mesmo", disse.

Para Eduardo Fernandes, que atuou como assistente de acusação e faz parte da ONG Dignitatis, esse resultado é histórico porque conseguiu condenar mandante e executor do primeiro julgamento federalizado do País.

No segundo dia do julgamento dos réus acusados de matar o advogado, há seis anos, na Paraíba, houve debates entre as partes. O Conselho de Sentença foi composto por sete jurados, sendo quatro mulheres e três homens.

No lado da acusação, cinco procuradores da República apresentaram trechos de depoimentos de testemunhas, de Manoel Mattos, a dinâmica da execução, análises de provas, além de fotos da vítima e do local do crime, no município de Pitimbu (PB). O procurador Marcos Queiroga relatou que Manoel Mattos declarou em depoimento à Polícia Federal que se sentia ameaçado pelo sargento Flávio.

A primeira fase do julgamento dos réus começou nesta terça-feira (14) com atrasos e tentativas de prolongamento pela defesa. A audiência só iniciou por volta das 11h, após os advogados de defesa pedirem a anulação do júri, sob a alegação de que a juíza não havia divulgado a profissão de cada jurado. O pedido, no entanto, foi negado.

Nessa terça-feira, o primeiro a ser interrogado pela juíza foi o acusado de ser o mentor do crime, o sargento da Polícia Militar Flávio Inácio Pereira. Cláudio Roberto Borges, apontado como um dos principais mentores do assassinato; o irmão de Cláudio, José Nilson Borges, que teria emprestado a arma usada no crime; além de José da Silva Martins e Sérgio Paulo da Silva.

O julgamento foi considerado histórico por ter sido o primeiro a ter a federalização concedida. Em 2010, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) autorizou a instauração do Incidente de Deslocamento de Competência, mecanismo previsto na Constituição desde 2004 para crimes que envolvam violação de direitos humanos. O processo sofreu dois deslocamentos de competência, da Justiça Estadual para a Federal e da Justiça da Paraíba para a de Pernambuco.

Manoel Mattos foi morto no dia 24 de janeiro de 2009, em uma casa de veraneio localizada na Praia Azul, em Pitimbu, na Paraíba. O advogado, que também havia sido vereador na cidade de Itambé, na Zona da Mata Norte de Pernambuco, e vice-presidente do Partido dos Trabalhadores (PT), foi assassinado a tiros de espingarda calibre 12, em um claro caso de execução. Manoel era especialista na defesa dos trabalhadores rurais e havia denunciado grupos de extermínio que atuavam na divisa de Pernambuco e da Paraíba.


Galeria de imagens

Legenda
Anteriores
Próximas

Palavras-chave




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

O Hobbit - 80 anos O Hobbit - 80 anos
Como a maioria dos hobbits, Bilbo Bolseiro leva uma vida tranquila até o dia em que recebe uma missão do mago Gandalf. Acompanhado por um grupo de anões, ele parte numa jornada até a Montanha Solitária para libertar o Reino de Erebor do dragão Smaug
Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM