Jornal do Commercio
Grupos caçadores

Arqueólogos da UFPE descobrem sítio pré-histórico em Araçoiaba

O lugar, na terras de uma usina de açúcar, era usado como oficina por povos nômades para o fabrico de lâminas feitas de quartzo hialino

Publicado em 14/10/2015, às 08h08

Pesquisadores em busca de vestígios da pré-história em canavial no Grande Recife / Foto: Fernando da Hora/JC Imagem

Pesquisadores em busca de vestígios da pré-história em canavial no Grande Recife

Foto: Fernando da Hora/JC Imagem

Cleide Alves
cleide@jc.com.br

Arqueólogos da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) descobriram em Araçoiaba, município da Região Metropolitana do Recife, vestígios de grupos caçadores que viviam por aqui muito antes dos índios e da chegada de Pedro Álvares Cabral ao Brasil, em 1500. Os principais indícios da presença dos povos nômades no sítio pré-histórico são fragmentos de raspadores e lâminas feitos de quartzo hialino encontrados debaixo de um canavial.

“É o que chamamos hoje de instrumentos de cozinha, seriam as facas do passado. A lâmina era usada para tirar a pele e cortar os nervos dos animais”, explica o arqueólogo Grégoire Van Havre, um dos coordenadores da pesquisa. “Localizamos, pela primeira vez, o que seria a oficina onde eles lascavam o cristal para fabricar as peças”, afirma a arqueóloga e coordenadora dos trabalhos, Cláudia Oliveira.

Durante a pesquisa de campo, encerrada sexta-feira passada (9), foram resgatados de mil a 1,5 mil pedaços de quartzo. Pelos cálculos iniciais, 5% a 10% desse volume correspondem às facas – uma lasca de um lado e retoques do outro, criando o gume. “Houve uma ocupação intensa na área, mas não podemos dizer ainda quando isso aconteceu e nem por quanto tempo”, declara Grégoire Van Havre.

Os caçadores, possivelmente, tiravam as lascas do cristal fazendo pressão com outra pedra mais dura ou com chifres de animais, diz o arqueólogo. “Havia outras matérias-primas disponíveis na área, como o quartzo róseo, o leitoso e o branco. Mas esses grupos se especializaram no quartzo hialino (transparente como vidro), o mais puro que existe, isso prova que eram profissionais”, afirma o pesquisador.

A oficina está situada num terreno de 800 metros quadrados, de propriedade de uma usina de cana-de-açúcar. “Chama a atenção uma concentração tão grande da pedra no local, talvez seja um núcleo de quartzo. É difícil encontrar cristais assim, grandes, transparentes, bem formados, com todas as faces naturalmente definidas. Isso é resultado de uma cristalização lenta”, avalia a geóloga da UFPE Lucila Borges.

Ela visitou o sítio arqueológico pré-histórico sexta-feira passada (9), a pedido de Cláudia Oliveira. E levantou a possibilidade de se tratar de um pegmatito, rocha ígnea cristalizada lentamente. “Para confirmar, falta encontrar feldspato e mica, o que pode ocorrer em outras partes do terreno”, comenta. O núcleo de quartzo, diz Lucila Borges, é uma concentração do cristal dentro do pegmatito.


Galeria de imagens

Legenda
Anteriores
Próximas

 

A pesquisa em Araçoiaba teve início em março de 2015, quando professores da UFPE passaram a acompanhar a obra de implantação de linhas de transmissão de energia na região. Os pesquisadores identificaram 16 sítios arqueológicos. Em três deles, batizados Sítio Rodrigues 1, 2 e 3, apareceram o material lítico. O oficina fica no Sítio Rodrigues 3.

“Estamos fazendo um trabalho de salvamento arqueológico, é o registro completo das informações, quando não é possível levar as peças para o laboratório na universidade”, informa Cláudia Oliveira. Ela pretende expandir os estudos em busca de novos sítios e mais dados sobre os grupos caçadores-coletores, para tentar recuperar a forma de produção dos artefatos.

De acordo com a professora, não é fácil datar material lítico. “Se acharmos uma fogueira, a datação é feita pelo Carbono 14. A mesma técnica pode ser aplicada para marcas de sangue nas lâminas. Não iríamos descobrir quando a pedra foi lascada, mas saberíamos o período em que o instrumento foi usado.”

Nenhum outro vestígio – cerâmica, osso, madeira ou carvão – aflorou no terreno. Apenas cristais. “Os grupos caçadores-coletores não conheciam a cerâmica”, observa Cláudia. Na Bahia, uma lâmina semelhante foi datada de 2 a 3 mil anos antes do tempo presente, pela fogueira associada ao achado, diz Grégoire.




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

O Hobbit - 80 anos O Hobbit - 80 anos
Como a maioria dos hobbits, Bilbo Bolseiro leva uma vida tranquila até o dia em que recebe uma missão do mago Gandalf. Acompanhado por um grupo de anões, ele parte numa jornada até a Montanha Solitária para libertar o Reino de Erebor do dragão Smaug
Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM