Jornal do Commercio
Urbanismo

Forte do Buraco, hoje em ruínas, fazia parte da defesa do Recife

Construção do século 17, o Forte do Buraco foi parcialmente dinamitado pela Marinha na década de 1950

Publicado em 17/04/2016, às 08h08

As ruínas do Forte do Buraco ficam escondidas por mato e árvores, atrás da Vila Naval e da Escola de Aprendizes Marinheiros / Foto: Diego Nigro/JC Imagem

As ruínas do Forte do Buraco ficam escondidas por mato e árvores, atrás da Vila Naval e da Escola de Aprendizes Marinheiros

Foto: Diego Nigro/JC Imagem

Cleide Alves
cleide@jc.com.br

O Forte do Buraco fica por trás da Escola de Aprendizes Marinheiros e da Vila Naval, na Praia do Istmo (Ponta Del Chifre). No passado, defendia a entrada da barra, por onde os navios entravam no Porto. “É tão antigo quanto o Forte do Brum, mas está isolado, caiu em desuso”, afirma o arquiteto e urbanista José Luiz Mota Menezes.

Batizado Madame Bruynne, na cartografia antiga, o Forte do Buraco era feito de terra batida (taipa), como as demais fortificações holandesas no Brasil. Só depois de 1654, com a saída dos flamengos, os portugueses cobrem com pedra as fortalezas feitas de barro socado, informa o arquiteto.

“O local escolhido para o sistema de defesa é holandês. Porém, os fortes que conhecemos são portugueses e dentro deles há partes da fortificação flamenga”, esclarece José Luiz, estudioso da evolução urbana do Recife.

Metade do Forte do Buraco foi dinamitada pela Marinha para a construção da Base Naval, que acabou sendo implantada no Rio Grande do Norte. A fortaleza, na época, era tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e teve de ser destombada para ser derrubada.

Em 2005, o Iphan tombou as ruínas do forte. “Aquele é um lugar propício ao lazer e não para construção de prédio, uma ação no istmo beneficia o Recife, Olinda e os moradores da Ilha do Maruim”, destaca o arquiteto.

Comunidade pobre instalada em Olinda, a Ilha do Maruim é contemplada na proposta da Reconexão Turística Recife-Olinda, diz Cláudio Marinho, consultor do projeto. “Além de resgatar a história e promover o turismo, há o empreendedorismo social envolvendo a população”, declara.

O projeto também está interligado com a ciclovia projetada para a Avenida Cruz Cabugá, em Santo Amaro, e com o futuro memorial em homenagem ao cantor Chico Science (1966-1997) ao lado da Cruz do Patrão, monumento do século 18 escondido na zona portuária, diz o secretário Felipe Carreras.

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

#ConexãoPelaVida #ConexãoPelaVida
Há quase dois séculos, o Real Hospital Português mantém a sua atenção voltada para o bem-estar dos pacientes. Conheça um pouco mais sobre a instituição médica que aos 162 não para de se modernizar
Agreste Empreendedor Agreste Empreendedor
O Agreste pernambucano é a região que mais cresce em Pernambuco. E, por incrível que pareça, a força motriz que puxou esse desenvolvimento foi o empreendedorismo.
Envelhecer bem Envelhecer bem
Com eles não tem isso de ficar em casa ou passar boa parte do dia lendo ou na frente da televisão. Não suportam dias monótonos. Eles são muito ativos e encaram qualquer desafio, até porque querem aproveitar a vida da melhor forma possível.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM