Jornal do Commercio
Minha Casa Minha Vida

Construção de 194 moradias pelo Minha Casa Minha Vida é anulada em PE

A decisão partiu do ministro das Cidades, Bruno Araújo, que suspendeu portaria autorizando moradias populares pelo Minha Casa Minha Vida

Publicado em 18/05/2016, às 18h18

Casas populares construídas em Petrolina (PE) pelo programa Minha Casa Minha Vida foram entregues semana passada / Foto: Divulgação
Casas populares construídas em Petrolina (PE) pelo programa Minha Casa Minha Vida foram entregues semana passada
Foto: Divulgação
Da Editoria Cidades

Um total de 194 casas populares deixarão de ser construídas em Petrolina, município do Sertão de Pernambuco, com a decisão do ministro das Cidades, Bruno Araújo (PSDB-PE), de suspender portarias que selecionavam projetos de moradia social pelo programa Minha Casa Minha Vida, na modalidade Entidades. Os projetos foram apresentados ao governo federal pela Ong Habitat para a Humanidade Brasil.

Vinculado à Secretaria Nacional de Habitação do Ministério das Cidades, o Minha Casa Minha Vida Entidades beneficia famílias com renda mensal de até R$ 1,6 mil. É uma modalidade operada por instituições sem fins lucrativos ligadas a movimentos de luta por moradia. “Levamos de dois a três anos para viabilizar um projeto desse”, observa a arquiteta Socorro Leite, diretora-executiva nacional do Habitat Brasil.

Socorro Leite acrescenta que os moradores beneficiados se envolvem com o projeto desde o princípio. “O nível de mobilização é muito diferente do Minha Casa Minha Vida executado pelo mercado formal. O trabalho social começa muito antes da construção das habitações”, declara a arquiteta. “E isso se reflete na sustentabilidade da produção. A inadimplência é menor nessa modalidade”, destaca.

A Habitat teve projetos interrompidos em Pernambuco, Tocantins e Goiás, somando 499 unidades residenciais. Todos tinham sido selecionados pela presidente afastada Dilma Roussef. As casas previstas para Petrolina fazem parte da terceira etapa do Projeto Novo Tempo, o primeiro do Sertão executado nessa modalidade. “A primeira e a segunda etapa foram entregues semana passada”, diz Socorro Leite.

De acordo com ela, a Habitat conseguiu construir ou está executando mais de duas mil moradias pelo Minha Casa Minha Vida Entidades nesses três Estados e também no Ceará. Mais da metade está em Pernambuco, nos municípios de Petrolina e Paulista (Grande Recife, ainda em processo). Depois de receber a casa, a família tem prazo de dez anos para pagar pelo imóvel, comprometendo até 5% da renda.

“É um projeto importante, que vem sendo discutido e aperfeiçoado, mas a partir de agora a gente não sabe se essa modalidade será mantida. O fato é que as pessoas existem e não têm moradia. É um corte que impacta na população mais frágil. Essas pessoas estão na luta há muitos anos. Não podemos aceitar que um ato dessa natureza possa destruir o sonho de milhares de famílias”, destaca a arquiteta.

O ministro tomou posse semana passada e também cancelou a reunião da Coordenação do Conselho Nacional das Cidades, agendada para quinta-feira (19). Socorro Leite lembra que o Conselho é responsável pelas Conferências das Cidades, que estão discutindo a participação do Brasil na Terceira Conferência da ONU sobre Moradia (Habitat III), programada para o mês de outubro de 2016 em Quito, capital do Equador.

“Nossa preocupação é que a atual gestão do ministério não reconheça o importante papel que esse conselho tem na discussão das políticas urbanas do País. Debater e definir políticas com a participação da sociedade é um avanço que o Brasil teve e que é referência para o mundo. Será um grande retrocesso esse governo fragilizar esse espaço”, diz Socorro.

Recomendados para você


Comentários

Por Graça,19/05/2016

Já começaram!! Suspenderam a pílula do câncer, a fosfoetanolamina, os cursos de extensão, mestrados e doutorados da UFPE serão pagos....mais uma vez o pobre vai se ferrar! precisaremos comprar os eletrodomésticos por consórcio como antigamente....Cuidem bem da sua TV LCD ,geladeira Smartfone...pois depois...só Deus sabe!!

Por milton cordova junior,19/05/2016

Golpe foi aquele dado em 2014 (mediante eleições manipuladas) dado pela maior mediocre e incomPTente "nunca antes visto na história deste país", a tal da mediocre da Dilma, que ARRASOU com o Brasil. Os numeros estão aí, nós todos vamos pagar a conta e o que espanta é um bando de FANATICOS ESTUPIDOS que insistem em apoiar a TERRORISTA - que, aliás, deveria estar na cadeia pelos crimes cometidos na década de 60. Ou assaltar banco e matar gente não é crime?????

Por POR GOLPISTAS,19/05/2016

Tá na hora de ficar de olho nos deputados golpistas daqui de pernambuco, pra na próxima eleição deixá-los chorando.

Por Bruno,19/05/2016

Golpista só sabe dar golpe, já começaram a destruir o povo.

Por Cidadao,18/05/2016

Muito simples para um Ministro biônico cortar logo de entrada investimentos na área de habitação popular. Com isso também elimina-se milhares de empregos na construção civil de todo país e fora o material de construção de deixara de ser comercializado.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

O Mundo de Rafa O Mundo de Rafa
Rafael foi diagnosticado com síndrome de Asperger apenas aos 11 anos. Seus desenhos contam pedaços muito importantes da sua história. Exprimem momentos de alegria, de comemoração e também de desabafo, de dor
Gastos dos parlamentares pernambucanos Gastos dos parlamentares pernambucanos
Os deputados federais da bancada pernambucana gastaram, no 1º semestre deste ano, R$ 5,1 milhões em verbas de cotas parlamentares. Já os senadores gastaram R$ 692 mil. Os dados foram coletados com base no portal da transparência da Câmara e do Senado
Um metrô ainda renegado Um metrô ainda renegado
São 32 anos de operação e uma eterna luta por sobrevivência. Esse é o metrô do Recife

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM