Jornal do Commercio
Mobilização

PMs fazem assembleia nesta terça por isonomia salarial com civis

Categoria negociou com o governo em abril, mas diz que acordo não vem sendo cumprido e deve ser ampliado

Publicado em 06/12/2016, às 07h14

Em abril, PMs lotaram assembleia e por pouco não decretaram greve / Giovana Torreão/Especial para o JC Imagem
Em abril, PMs lotaram assembleia e por pouco não decretaram greve
Giovana Torreão/Especial para o JC Imagem
Cidades

Oito meses depois de fechar acordo com o governo do Estado, evitando uma iminente paralisação, policiais militares voltam a se reunir em assembleia, às 14h desta terça, na Praça do Derby, área central do Recife. A categoria alega que vários itens do acordo não foram cumpridos e quer voltar a negociar sobre um Programa de Valorização Profissional, que inclui a implantação da remuneração na forma de subsídio para todos os cargos dos militares e bombeiros e a revisão do Plano de Cargos e Carreiras (PCC), de forma aos salários se equipararem aos da Polícia Civil.

“É preciso isonomia entre as polícias. Um soldado em início de carreira deve ganhar o mesmo que um agente ganha. Os militares precisam de 30 anos para chegar ao teto salarial, enquanto os civis vão levar 20 anos. Não existe esse tratamento diferenciado. O governo vem dizendo que está em crise, mas reconheceu o trabalho de nossos colegas. Ficamos felizes por eles, mas também queremos esse reconhecimento”, afirma o presidente da Associação de Cabos e Soldados (ACS), Albérisson Carlos.

Em outubro, o Estado negociou com a Polícia Civil um plano de reajuste – a ser implementado entre janeiro de 2017 e dezembro de 2018 – no qual o salário de fim de carreira dos agentes vai se igualar ao piso dos delegados. Hoje, o salário inicial de um soldado é de R$ 3,6 mil, com auxílio-transporte. O de um agente é R$ 3,2 mil, mas passa para cerca de R$ 3,7 mil em janeiro e R$ 3,9 mil em 2018. No acordo firmado com os PMs, em abril, foi oferecido R$ 400 de auxílio­transporte para os praças e R$ 600 os oficiais, ativos e inativos, além de R$ 750 de auxílio­uniforme, entre outros itens. 

O sindicalista também reclama da falta de estrutura da corporação. “As guarnições estão sem radiotransmissores. As munições são racionadas, pouquíssimas. As armas são inadequadas, assim como a carga de serviços. Temos mandado vários ofícios ao governo, mas desde o dia 27 de abril eles não nos chamam para negociar.”

Negociações

O presidente da Associação de Cabos e Soldados (Aspra), José Roberto Vieira, critica o fato de o governo ter passado a negociar com os comandos, quando há dois anos já havia se formado uma mesa com as entidades de classe. “Nada contra os coronéis, mas quem fala pela tropa são as entidade representativa de classes. Para que então foi criada a mesa de negociação?”, questiona, por meio de nota.

“Até agora, nada do que pedimos foi atendido. Como podemos conter a escalada da violência se não nos dão as mínimas condições de trabalho?”, salienta. “</DC>Se houver uma greve da Polícia e Corpo de Bombeiros, a culpa é da falta de habilidade do governo.” 

A Secretaria de Administração do Estado foi procurada pelo JC mas disse que não se pronunciaria sobre o assunto, por enquanto.

Palavras-chave

Recomendados para você


Comentários

Por rodoupho,04/02/2017

Parabéns PMs!!!!! Agora, por favor, prendam os rapazes vendendo celulares sem nota fiscal no Camelodromo da Avenida Dantas Barreto, entre 11 horas e 14 horas, de seg a sábado. Ficam dentro do camelodromo na altura da livraria a paulus. Ficam varios rapazes, incluindo alguns proximos aparentemente olheiros. Pode ser que entre estes esteja alguem procurado pela policia.

Por Marcelo Lima,07/12/2016

Ao caro professor, caso realmente seja, haja vista de suas palavras não conterem o mínimo de educação e respeito, pois seu próprio comportamento demonstra que há algo de errado consigo mesmo, apesar de considerar sua verbalização como reflexo do descaso que a área de educação sofre com a inércia por parte do governo, assim como da segurança pública e saúde. Não vejo em suas palavras a representação da classe dos professores devido à pobre exposição de pensamento sem conhecimento de causa. Quero dizer que não se trata de exercer o cargo de soldado, cabo, sargento e por aí em diante, mas do valor que todos os profissionais devem merecer a devida atenção. Todos os agentes públicos têm suas funções distintas, mas sempre em busca de um bem comum que é a promoção do bem estar da sociedade. Espero que o nobre educador repense antes de balbuciar falácias sem nexo. P.S. Não costumo postar comentários, a fim de evitar litígios desnecessários, mas às vezes precisamos nos posicionar para afastar ações sem sentido.

Por edmar,07/12/2016

boa noite, em relação ao comentário que o salário de SOLDADO é maior que a de um médico eu não sei de onde é está comparação, mas tenho certeza que é no mínimo e sendo educado mentirosa a não ser que os médicos estejam em alguma atividade paralela pois o que vemos aos olhos nus é o contrario no que tange padrão de vida destas categorias, ou seja vejo os médicos andam de carão importado e os SOLDADOS pedindo carona para irem trabalha.

Por ana,07/12/2016

muito bem. quero ver o medico trabalhar sem pm nas ruas.

Por Luana ,07/12/2016

Os policiais militares tem todo direito de lutarem por melhorias salariais mas não da para pedirem isonomia salarial quando para ser soldado basta ter o segundo grau e para ser policial civil tem que ser graduado. Humanamente impossível e injusto a equiparação. Da mesma forma os oficiais. Não necessitam ser formados em direito para exercer suas funções apesar de terem incluído isso na carreira. Eles não formalizam prisão alguma. Eles prendem e levam para o Delegado para formalizar. Os delegados são carreira jurídica e eles não são. Além do mais esse aumento na realidade, no caso dos delegados, não é um aumento salarial mas sim uma equiparação salarial com outros delegados que já ganham esses valores que foram dados pela Justiça através de ação judicial impetrada há muitos anos atrás. O Estado está só reconhecendo um direito e se livrando de uma dívida maior que ele teria que pagar pois os delegados estão abdicando do direito de retroagir em ações que lhe dariam o dinheiro que deixaram de ganhar nos últimos anos.Com isso a PM faz uma tempestade em um copo d'água.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.
Agreste seco Agreste seco
A seca colocou de joelhos uma região inteira. Fez o Agreste sertanejar. Os cinco anos consecutivos sem chuva em Pernambuco ganharam aqui a dimensão de uma tragédia. Silenciosa e diária.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM