Jornal do Commercio
VIOLÊNCIA

Em 40 dias, polícias prendem três quadrilhas de roubos a bancos

Ações significam uma reação após uma onda de assaltos no Estado

Publicado em 17/03/2017, às 08h00

Três pessoas foram presas na operação / Divulgação/PF
Três pessoas foram presas na operação
Divulgação/PF
JC Online

Se os entornos dos bancos em Pernambuco ainda são terras sem lei, ao menos o poder público já esboça um reação no sentido de desmantelar grupos criminosos especializados em explosões de agências.</DC> Nos últimos 40 dias, três quadrilhas foram desarticuladas pelas polícias. A mais recente, na manhã de ontem, quando três criminosos de um grupo de oito pessoas foram presos pela Polícia Federal (PF) em diferentes locais de Pernambuco e Alagoas.

O bando foi responsável pelo assalto às agências do Banco do Brasil em Rio Formoso (Litoral Sul de Pernambuco), em setembro de 2016, e de Colônia Leopoldina em Alagoas, um mês depois. Ainda participaram do assalto à residência do chefe de gabinete do prefeito de Ipojuca (também no Litoral Sul), e da tentativa de roubo aos caixas eletrônicos de um posto de combustível em Sirinhaém, na mesma época.

Cinco criminosos ainda estão foragidos, incluindo o líder do grupo, Flávio Roberto Lucas, o Flávio Galego, 33 anos. Dos oito integrantes, sete respondem a processos na Justiça e já estiveram no sistema prisional por crimes que vão de homicídio qualificado a tráfico de drogas. Segundo a Polícia Federal, a quadrilha tinha ramificações nos sistemas prisionais de Alagoas e de Pernambuco. Foram presos: Airton Lucas Soares de Araujo, 27 anos, Bruno Santiago, 28 anos, e Paulo Ciriaco da Silva, 24 anos. 

Com eles foram apreendidos R$ 46 mil em espécie, dois carros roubados e a emulsão utilizada para explodir os bancos. O material foi detonado pelo Grupamento Antibomba da PF, em Sirinhaém, no final da manhã de ontem. Os três foram encaminhados para o Presídio do Agreste, na cidade de Girau de Ponciano, a 130 quilômetros de Maceió.

No último dia 2, a Polícia Militar de Pernambuco conseguiu frustrar o roubo às agências do Banco do Brasil e Itaú no município do Cabo de Santo Agostinho, no Grande Recife. Durante a ação, cinco criminosos foram mortos, e outros cinco foram presos após uma perseguição com intenso tiroteio em canaviais do Cabo e de Moreno, também na Região Metropolitana. Foi a reação mais forte das forças de segurança desde o início da onda de assaltos a bancos, em meados de 2015.

No início de fevereiro, policiais militares e rodoviários federais conseguiram prender o paranaense Paulo Donizete Siqueira de Souza, o Vírus, de 52 anos, após perseguição e tiroteio em plena Avenida Ernesto de Paula Santos, uma das mais movimentadas do bairro de Boa Viagem, na Zona Sul, às 13h. Donizete é considerado um dos maiores especialistas nacionais em roubos a bancos, e tem mandados contra ele expedidos pelas justiças de São Paulo e do Paraná.

MAIS UMA

Um dia após a Secretaria de Defesa Social (SDS) divulgar uma redução de 33% nas ocorrências de assaltos a bancos no Estado, a agência do banco Bradesco de Ibimirim, no Sertão pernambucano, foi explodida. A investida ocorreu por volta das 3h, quando homens armados atiraram para o alto e lançaram os explosivos para arrombar a agência. Não há informações sobre a quantia levada pelos bandidos. Segundo a Polícia, a gência do Bradesco era a única disponível na cidade.

Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.
Agreste seco Agreste seco
A seca colocou de joelhos uma região inteira. Fez o Agreste sertanejar. Os cinco anos consecutivos sem chuva em Pernambuco ganharam aqui a dimensão de uma tragédia. Silenciosa e diária.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM