Jornal do Commercio
Patrimônio Mundial

Governo se une em defesa da candidatura de fortes a patrimônio mundial

Ministérios da Cultura, do Turismo e da Defesa se comprometeram com a causa. Dos 19 fortes candidatos ao título de Patrimônio Mundial da Unesco, três são pernambucanos

Publicado em 07/04/2017, às 21h19

Forte das Cinco Pontas, no Centro do Recife, concorre ao título concedido pela Unesco / Foto: Edmar Melo/JC Imagem
Forte das Cinco Pontas, no Centro do Recife, concorre ao título concedido pela Unesco
Foto: Edmar Melo/JC Imagem
Da Editoria Cidades

A candidatura de 19 fortes brasileiros (três deles pernambucanos) ao título de Patrimônio Mundial da Unesco ganhou o apoio dos Ministérios da Cultura, do Turismo e da Defesa. O compromisso foi firmado em solenidade nesta sexta-feira (7), no Forte das Cinco Pontas, localizado no bairro de São José, no Centro do Recife, no encerramento de seminário internacional promovido pelo Iphan.


Durante o evento, os ministros da Cultura, Roberto Freire, e do Turismo, Marx Beltrão, assinaram a Carta do Recife, conjunto de diretrizes para gestão das fortalezas elaborada por participantes do Seminário Internacional Fortificações Brasileiras Patrimônio Mundial. O ministro da Defesa, Raul Jungmann, foi representado pelo general José Luiz Jaborandy, comandante da 7ª Região Militar.


Na carta, o governo federal se compromete a promover o uso sustentável das edificações e estimular atividades turísticas, bem como ações de educação patrimonial. O documento prevê gestão compartilhada das fortalezas – garantindo as particularidades de cada edificação – e parcerias com a iniciativa privada.


“Precisamos avançar na gestão para garantir usos, manutenção e conservação dos 19 fortes. Temos de mostrar nosso compromisso com as edificações. Não basta receber o título de patrimônio mundial, os fortes devem ter condições de visitação pública”, destaca a presidente do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), Kátia Bogéa.




De agora em diante, diz ela, o desafio é criar esse modelo de gestão. Os 19 fortes, situados em dez Estados, faziam parte dos sistema de defesa do Brasil e foram edificados do século 16 até o início do século 19, com diferentes técnicas construtivas. Todos estão na Lista Indicativa Brasileira a Patrimônio Mundial da Humanidade.

CANDIDATURA


Hoje, cada País só pode submeter uma proposta por ano ao Comitê de Patrimônio Mundial da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco). A candidatura das 19 fortificações será apresentada, possivelmente, em 2020. É a primeira sugerida pelo Brasil à Unesco como bem seriado.


“Essa é uma questão que extrapola os três ministérios, é uma causa de todos os brasileiros”, diz o ministro Marx Beltrão. O ministro Roberto Freire acrescenta que cultura não pode ser vista só pelo fortalecimento da identidade, mas também como uma atividade econômica fundamental. E os fortes teriam essa vocação.


As edificações pernambucanas candidatas ao título de Patrimônio Mundial da Unesco são os Fortes das Cinco Pontas, do Brum e Orange, todos ligados ao período holandês no Brasil (1630-1654).


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Educação, emprego e futuro Educação, emprego e futuro
Investir em educação é um pressuposto para o crescimento econômico, a geração de empregos e o aumento da renda. Aos poucos, empresas dos mais variados setores entram numa engrenagem antes formada apenas pelo poder público.
Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM