Jornal do Commercio
Paralisação Geral

Polícia Civil de Pernambuco adere à paralisação geral do dia 28

Policiais são contra reformas econômicas propostas pelo governo federal. Paralisação deve durar 24h

Publicado em 19/04/2017, às 23h55

Policiais civis decidiram em assembleia parar atividades no dia 28 de Abril / Foto: Arquivo/JC Imagem
Policiais civis decidiram em assembleia parar atividades no dia 28 de Abril
Foto: Arquivo/JC Imagem
JC Online

Os Policiais Civis de Pernambuco devem parar por 24h no próximo dia 28 deste mês. Esta foi a decisão da classe reunida em uma assembleia na noite desta quarta-feira (19). De acordo com os dirigentes do Sindicato que representa os profissionais no Estado (Sinpol), a manifestação é contra as reformas econômicas defendidas pelo governo federal e se integrará à paralisação geral programada para o dia 28. A decisão da paralisação foi definida apesar de recente entendimento do Supremo Tribunal Federal (STF) contrário à greve de policiais no Brasil. Além da Polícia Civil, metroviários e bancários de Pernambuco também decidiram parar as atividades.

“Somos contra a reforma da Previdência, contra a reforma trabalhista, contra a terceirização irrestrita. Por isso, vamos parar e se juntar às demais categoria de trabalhadores, contra esta pauta de retrocessos”, afirmou o presidente do Sinpol, Áureo Cisneiros. O líder sindical acredita que as reformas não serão benéficas para os trabalhadores. “São medidas que vão tirar os direitos dos trabalhadores e participaremos ativamente dos atos para barrar essa pauta”, analisou.



Cisneiros explicou ainda que a paralisação não deve afetar as atividades dos profissionais no Instituto de Medicina Legal (IML), mas deixou claro o número de profissionais que cruzarão os braços. O vice-presidente do Sinpol, Rafael Cavalcanti, explicou que as diretrizes da paralisação serão definidas em reunião de diretoria ainda sem data definida para quando vai ocorrer.

Inconstitucional

A decisão da assembleia de parar as atividades de profissionais da Polícia Civil ocorreu 14 dias após o plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) definir como “inconstitucional” a deflagração de greve por policiais e servidores públicos da área de segurança pública. O presidente do Sinpol discorda da decisão do Supremo. “A gente acha equivocado a decisão que impede greve dos policiais civis. Nós entendemos que somos servidores públicos civis com direito a sindicalização e a Cobrapol (Confederação Brasileira de Trabalhadores Policiais Civis) já está recorrendo desta decisão”.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

#ConexãoPelaVida #ConexãoPelaVida
Há quase dois séculos, o Real Hospital Português mantém a sua atenção voltada para o bem-estar dos pacientes. Conheça um pouco mais sobre a instituição médica que aos 162 não para de se modernizar
Agreste Empreendedor Agreste Empreendedor
O Agreste pernambucano é a região que mais cresce em Pernambuco. E, por incrível que pareça, a força motriz que puxou esse desenvolvimento foi o empreendedorismo.
Envelhecer bem Envelhecer bem
Com eles não tem isso de ficar em casa ou passar boa parte do dia lendo ou na frente da televisão. Não suportam dias monótonos. Eles são muito ativos e encaram qualquer desafio, até porque querem aproveitar a vida da melhor forma possível.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM