Jornal do Commercio
Feriado

Padronização da Praia de Boa Viagem agrada banhistas

No feriado de Tiradentes, população aprova os novos equipamentos colocados na orla de Boa Viagem

Publicado em 21/04/2017, às 13h16

Cadeiras e guarda-sóis padronizados pelo Projeto Orla, em Boa Viagem / Foto: Jedson Nobre/JC Imagem
Cadeiras e guarda-sóis padronizados pelo Projeto Orla, em Boa Viagem
Foto: Jedson Nobre/JC Imagem
Da Editoria Cidades

Banhistas que aproveitam o feriado nacional desta sexta-feira (21) na Praia de Boa Viagem, Zona Sul do Recife, elogiaram os novos equipamentos colocados pela prefeitura na faixa de areia entre as Ruas Antônio Falcão e Henrique Capitulino. No trecho de 850 metros de extensão, há cadeiras, guarda-sóis, espreguiçadeiras e mesas de apoio padronizadas.


“Está uma maravilha. Os turistas vão gostar mais ainda de Boa Viagem com a praia organizada”, afirma Célia Trancoso, moradora do bairro. “Eu trouxe minhas cadeiras, mas nem abri. Vou aposentar e usar as cadeiras novas, muito confortáveis”, acrescenta Célia, acompanhada de um grupo de amigas. “Somos ratas de praia.”




Os novos equipamentos começaram ser colocados em Boa Viagem na terça-feira (18), com a inauguração da primeira etapa do Projeto Orla, uma parceria da prefeitura com a iniciativa privada. O trecho entre as Ruas Antônio Falcão e Henrique Capitulino foi adotado pelo Centro Universitário Maurício de Nassau (Uninassau), que financiou a compra do material de trabalho dos comerciantes.


Galeria de imagens

Legenda
Anteriores
Próximas

PADRINHOS


Os 73 barraqueiros cadastrados nessa região receberam equipamentos e terão assistência por 30 meses. Eles precisam montar as cadeiras às 7h e recolher toda antes das 18h, diariamente. Na proposta de padronização, a prefeitura dividiu os oito quilômetros da orla do Pina e de Boa Viagem em dez trechos. Os outros nove ainda estão à espera de padrinhos.


Recomendados para você


Comentários

Por PEDRO GUEDES,22/04/2017

Exatamente, o mercado de são josé está um horror. É muito descaso dos poderes públicos deixarem chegar a esse ponto. Faz vergonha, principalmente se compararmos com outros mercados como citou marcos. Os mercados de belo horizonte e o de curitiba são exemplos de cidadania, de respeito para com as pessoas que lá trabalham e principalmente para com as pessoas que vão comprar as usas mercadorias. Custa colocar dignidade, limpeza, organização, gestão comprometida com o bem estar de todos que utilizam aquele espaço?

Por Marcos,21/04/2017

E o Mercado de São José e o seu entorno! Aquilo está um lixo e precisa de intervenção urgente. Não precisava nem se equiparar ao mercado de BH. Se se inspirarem no Mercado Modelo de Salvador já ajudava bastante.

Por MARGARIDA SOUZA,21/04/2017

É uma pena que os nossos prefeitos nunca tiveram a sensibilidade e a inteligência para utilizar os exemplos de outras capitais no que diz respeito a urbanização, padronização, organização, disciplinamento e capacitação dos barraqueiros e vendedores ambulantes na orla. Qual o problema em seguir o que deu certo em outras cidades? O povo com toda a certeza irá agradecer. Agora eu só não entendi o motivo desse projeto ter um prazo para o seu término, 30 meses, o que seria em outubro de 2019 e o pior é que estão esperando por empresários que se interessem pelos outros lotes do projeto.

Por CARLOS ALBERTO,21/04/2017

Que amadorismo, sempre o amadorismo, vamos começar a trabalhar com seriedade, principalmente essa questão do turismo em nossa cidade e em nosso Estado. Que coisa mais ridícula, começar uma ação de padronização com apenas um trecho sendo beneficiado, esperando que apareçam padrinhos para ajudarem os barraqueiros dos outros nove trechos, e se não aparecerem continuará a bagunça e a desorganização de sempre, e depois dos 30 meses o que será desse trecho agraciado?



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.
Agreste seco Agreste seco
A seca colocou de joelhos uma região inteira. Fez o Agreste sertanejar. Os cinco anos consecutivos sem chuva em Pernambuco ganharam aqui a dimensão de uma tragédia. Silenciosa e diária.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM