Jornal do Commercio
Susto

Rapaz que desapareceu no Recife é reencontrado e já está com a família

Lucas Fasanaro estava desaparecido desde a última sexta-feira (9)

Publicado em 12/06/2017, às 19h25

Familiares do jovem publicaram em suas redes sociais que ele já está em casa / Foto: Reprodução/ Facebook
Familiares do jovem publicaram em suas redes sociais que ele já está em casa
Foto: Reprodução/ Facebook
JC Online

Familiares de Luca Fasanaro, de 22 anos - que desapareceu na última sexta-feira (9)-, publicaram nas suas redes sociais que o jovem já está em casa. A mãe dele, Michelle Fasanaro, informou ontem (11) ao JC que Luca sumiu depois de se encontrar com uma cliente em frente a uma loja de calçados em Beberibe, na Zona Norte do Recife. O jovem teria ido buscar parte do dinheiro de uma encomenda, já que trabalha comercializando kits para festas com a esposa.

Na publicação que fez na sua página pessoal do Facebook no início da noite desta segunda-feira (12), Michelle agradece às pessoas que torceram para que Luca reaparecesse e diz apenas que o filho está bem. "Estou muito feliz por meu filho estar em casa com vida e com saúde. Estou feliz também em ver que vocês estão felizes por ele ter retornado à família", escreveu. Procurada por telefone pela reportagem para fornecer mais detalhes sobre a volta de Luca, Michelle não atendeu às chamadas.



DRAMA FAMILIAR

Em 2013, a família Fasanaro passou por outro drama: a morte da irmã de Michelle, Danielle Solano Fasanaro, na época com 35 anos. A modelo foi morta a tiros pelo marido Emerson Du Vernay Brandão (inicialmente, ele foi identificado como André Cabral Muniz). Por horas, Emerson manteve o filho de Danielle refém, quando resolveu se entregar à polícia. Preso, o acusado espera por julgamento por júri popular, que deve acontecer no próximo dia 24 de agosto.


Palavras-chave

Recomendados para você


Comentários

Por PAULO,13/06/2017

Realmente, a mãe tem que esclarecer o que realmente aconteceu. Se o filho saiu pra galinhar, como é comum nos dias de hoje, tem que dar satisfação à sociedade, já que na hora do desespero e antes que a polícia se pronunciasse, ela divulgou o caso pela imprensa. E a polícia, que perdeu tempo e dinheiro público, tem que exigir explicações.

Por MARCELO TAVARES,13/06/2017

A senhora deixe de ser palhaça e de respostas a imprensa quando foi mendigar a imprensa com a morte da filha ,correi logo pros jornais , agora fazer a polícia peder tempo procurando um irresponsável com tantas mais de caráter procurando filhos com defit mental e crianças também raptadas que não aparecem tanto na imprensa . apesar que a policia só foi por que passou na imprensa, ela também não é santa é igual a senhora interesseira e sem vergonha....

Por GUEDES PEIXOTO FALAMANSINHA,13/06/2017

Virou moda jovens sumirem, criarem comoção nas redes sociais pela volta deles e quando retornam não explicam o motivo de seus sumiços. Palhaçada isso. Se sumiu, criou grupos de buscas, grupos de orações, etc, etc. Tem que explicar o motivo do sumiço sim senhora.

Por eu,13/06/2017

Não querem falar com a imprensa? mas na hora que precisou falou ! nada ,nada , o marido deu uma pulada de cerca e não querem falar , pq mobilizou a policia , e os meios de comunicação !



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM