Jornal do Commercio
Violência

Advogado quer rever tipificação penal imposta a PMs do Caso Itambé

Ministério Público denunciou PMs por homicídio doloso simples. Defesa de família da vítima quer que crime seja duplamente qualificado

Publicado em 14/06/2017, às 07h04

Promotor João Elias Filho denunciou os PMs por homicídio doloso / DIVULGAÇÃO
Promotor João Elias Filho denunciou os PMs por homicídio doloso
DIVULGAÇÃO
Ciara Carvalho
ciaracalves@gmail.com

Apesar de comemorar o posicionamento do Ministério Público, o advogado da família do jovem Edvaldo da Silva Alves, Ronaldo Jordão, vai pedir a revisão da tipificação penal imputada aos PMS denunciados. O promotor João Elias da Silva Filho denunciou, nesta terça-feira (13), os dois principais policiais envolvidos no caso por homicídio simples. Ronaldo Jordão defende que os acusados respondam por homicídio duplamente qualificado.

Segundo o advogado, as qualificadoras seriam motivo fútil e impossibilidade de a vítima se defender. “Houve uma premeditação do crime e ficou claro que o jovem não teve a menor condição de se defender. Ainda não tive acesso aos termos da denúncia, mas entendemos que as qualificadoras precisam ser consideradas”, disse Jordão.

O irmão de Edvaldo, José Roberto da Silva, ficou emocionado ao falar sobre a decisão do MPPE. “Eu só faço chorar, chorar. Ganhei força para lutar, brigar para que esses bandidos sejam presos. Contei para minha mãe e ela também se sentiu mais forte. Depois do resultado do inquérito, ficamos sem esperança, mas agora estou confiante de que a justiça será feita”, afirmou. Na sexta-feira, a família de Edvaldo deverá assinar o contrato que autoriza o pagamento de indenização por parte do Estado. O valor, no entanto, não foi divulgado.

DENÚNCIA DO MPPE

Contrariando a conclusão da Polícia Civil, o promotor João Elias da Silva Filho denunciou os dois PMs envolvidos na morte por homicídio doloso, quando há intenção de matar ou se assume o risco de que isso aconteça. A pedido do MPPE, o capitão Ramon Tadeu Silva Cazé, que ordenou o disparo, e o soldado Ivaldo Batista de Souza Júnior, autor do tiro, deverão ir a júri popular. O oficial também responderá por crime de tortura, por ter espancado e arrastado Edvaldo depois que o rapaz já estava sangrando e caído no chão. Nesse caso, além da pena prevista, o capitão poderá perder o cargo na Polícia Militar.



No inquérito policial, concluído no início deste mês, o delegado Pablo Carvalho indiciou os dois militares por homicídio culposo. A conclusão gerou revolta e indignação de vários setores da sociedade. Para justificar a decisão, o delegado afirmou que os PMs não tinham treinamento para usar balas de borracha e, por isso, eram inabilitados para portar a arma. Esse foi o ponto central de discordância por parte do Ministério Público. O promotor João Elias disse que as imagens do protesto, no qual ocorreu o crime, não deixam dúvidas de que os policiais eram tecnicamente habilitados. “De forma alguma, estamos diante de uma pessoa que não sabia manusear a arma. Erros foram cometidos e é preciso assumir a responsabilidade pelo dolo eventual”, afirmou o representante do MPPE.


O promotor fez questão de ressaltar que, em nenhum momento, a vítima reagiu ou ofereceu ameaça aos policiais. “Não houve qualquer tipo de resistência física ou comportamento agressivo. O jovem não portava pau, pedra, nenhum objeto na mão. Pelo contrário, ele estava totalmente desarmado.” Ele disse que, apesar de demonstrar conhecimento no manuseio da arma, o soldado Ivaldo aumentou a letalidade do tiro ao se aproximar da vítima na hora do disparo. “O correto era o PM estar a uma distância de 20 metros para efetuar o disparo. Além de não respeitar essa recomendação, ele se aproximou ainda mais. Cometeu um erro crucial para determinar o desfecho trágico”, afirmou.


Outra diferença de entendimento foi o número de policiais denunciados. Enquanto no inquérito o delegado indiciou apenas o capitão e o soldado Ivaldo, na peça apresentada pelo Ministério Público foram denunciados também o tenente Silvino Lopes de Souza e o soldado Alexandre Dutra da Silva, ambos pelo crime de omissão em face da conduta de tortura. O promotor entendeu que os policiais não fizeram nada para evitar as agressões cometidas contra Edvaldo após ser atingido pelo tiro. A denúncia foi protocolada ontem, pela manhã, na comarca de Itambé. Caso a Justiça acate o posicionamento do MPPE, os PMs já passam a ser considerados réus e serão julgados criminalmente.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM