Jornal do Commercio
Até o final do ano

Aedes esterilizados por energia nuclear serão soltos no Recife para controlar reprodução

Projeto-piloto começará em três bairros da capital, ainda não divulgados. Técnica já foi testada com sucesso

Publicado em 14/07/2017, às 06h53

Mosquitos esterilizados vão 'frear' a reprodução / Foto: JC Imagem
Mosquitos esterilizados vão 'frear' a reprodução
Foto: JC Imagem
Cidades

Até o final do ano, o Recife passará a disseminar milhares de mosquitos Aedes aegypti estéreis na natureza, para combater a proliferação dos insetos transmissores de dengue, chicungunha e zika. A técnica de esterilização utiliza energia nuclear e já vem sendo testada em algumas cidades do Estado, do País e do mundo, mas é a primeira vez que ela será aplicada em larga escala, segundo a prefeitura. Para isso, o município assinou, ontem, termo de cooperação técnica com a Biofábrica Moscamed, em parceria com a Agência Internacional de Energia Atômica.

Poucas informações foram repassadas a respeito do projeto-piloto, que vem sendo discutido há um ano e oito meses. Conforme o secretário municipal de Saúde, Jailson Correia, durante dois anos R$ 3,1 milhões do Fundo Nacional de Saúde (FNS) serão aplicados na iniciativa, que começará por três bairros de grande incidência de arboviroses, mas que ainda não estariam definidos. “Estamos estudando. Vamos negociar com as comunidades, trabalhar em conjunto”, justificou.

O diretor-presidente da Moscamed, Jair Virgínio, explicou que a técnica não é salvadora, ela vem se somar às já existentes. “Nós fazemos a liberação do macho esterilizado e quando ele encontrar a fêmea (só ela é que pica) vai ser capaz de copular com ela e não ter descendentes”, esclarece. A fêmea só precisa de uma cópula ao longo da vida. “A tecnologia diz que nós temos que liberar de nove a cem machos estéreis para cada macho selvagem identificado em campo. Mas ainda estamos avaliando quantos vamos soltar”.

Conforme o diretor, se não houvesse retroalimentação, a população de mosquitos de determinadas regiões seria eliminada em cinco gerações. “O Aedes é capaz de transmitir mais de 24 arboviroses. O que nós queremos é diminuir essa população até que fique abaixo do nível de transmissão dessas doenças”.



SUCESSO NA AGRICULTURA

O diretor-geral adjunto da Agência Internacional de Energia Atômica, Aldo Malavasi, afirmou que a técnica foi aplicada com sucesso na agricultura em mais de trinta países. E que o Recife pode servir de exemplo para todo o mundo. Os cooperados salientaram que a tecnologia é fornecida gratuitamente. Os recursos são para a criação, esterilização e soltura.

O prefeito Geraldo Julio comemorou o pioneirismo dessa “experiência em escala global”. O arquipélago de Fernando de Noronha é um dos locais que vem estudando a técnica em escala menor, tendo liberado cerca de 30 mil mosquitos estéreis, numa parceria da Fiocruz e Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).

Este ano foram notificados 1.773 casos de arboviroses no Recife, sendo 1.293 casos de dengue, 416 de chicungunha e 64 de zika, sendo confirmados 500 de dengue e 189 de chincungunha. De três óbitos notificados, um foi confirmado para dengue.


Recomendados para você


Comentários

Por Zeca,14/07/2017

Eita ! Vem aí a Chicungunha atômica!



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM