Jornal do Commercio
Em Pernambuco

Homicídios crescem 39,7% no 1º semestre de 2017 em relação a 2016

Junho registrou 380 assassinatos, o menor número do ano, mas ainda assim é 14,5% maior do que junho de 2016

Publicado em 14/07/2017, às 20h18

Em seis meses, 2.876 pessoas foram mortas no Estado / Bobby Fabisak/JC Imagem
Em seis meses, 2.876 pessoas foram mortas no Estado
Bobby Fabisak/JC Imagem
Cidades

Um total de 380 pessoas foram assassinadas em Pernambuco no mês de junho, uma média de 12,6 por dia. O número é 14,5% maior do que o mesmo período do ano passado, quando foram contabilizados 332 homicídios. Em se tratando do semestre, são 2.876 mortes, uma média de 15,8 ao dia e 39,7% a mais do que de janeiro a junho de 2016, que teve 2.059 homicídios. Contudo, a Secretaria de Defesa Social (SDS) salienta que é o terceiro mês consecutivo de queda dos números.

>> Cabo e Igarassu entre as cidades mais violentas do Brasil

>> 2016 foi o ano mais violento em Pernambuco desde 2009

Em maio, foram registrados 457 assassinatos, 77 a mais do que em junho. Em abril foram 514. Em março, 551. Em fevereiro, 496. Em janeiro, 478. “Junho foi o mês que apresentou o menor número de homicídios em 2017 no Estado”, destaca o secretário de Defesa Social, Antônio de Pádua. “Dos 380 casos notificados, mais de 55% são motivados por tráfico de drogas ou entorpecentes, acerto de contas e outras atividades criminais”.

Conforme a SDS – que não realizou coletiva como faz mensalmente para apresentar os números, os Crimes Violentos contra o Patrimônio (CVPs), incluindo roubos a veículos, também atingiram o menor registro do ano. No total, foram 9.624 ocorrências, uma queda de mais de 11% em relação a maio, com 10.912 casos.



OUTROS CRIMES

No recorte referente aos roubos de veículos, foram 1.727 ocorrências no mês de maio, contra 1.614 no mês de junho (-6%). Os indicadores de violência doméstica e estupros tiveram queda de 11,8% (de 2.337 casos para 2.649) e 18,2% (de 170 para 139), respectivamente. Já os de roubos a ônibus, agências bancárias, arrombamento de caixas eletrônicos e assaltos a carros fortes apresentaram estabilidade.

As estatísticas somam 1.970 pessoas autuadas em flagrante delito em junho; 233 armas apreendidas, 432 mandados de prisão cumpridos, 453 menores apreendidos e 392 ocorrências por tráfico de drogas.

Índice de violência de junho

 


Recomendados para você


Comentários

Por RODRIGO BATISTA,15/07/2017

É pior que nos países em guerra. Não se pode mais andar tranquilamente pelas ruas de nosso Estado, isso é fato. Mas apenas o governador não entende isso.

Por Sávio,15/07/2017

Parabéns governador de Pernambuco, Paulo Câmara, conseguiu um feito que nenhum governadores conseguiram. Até nas TV's as esposas dos policiais militares, dizem, que você não quer nada com eles

Por wiliam jones-carvalho,15/07/2017

Mentira!!!!!! A lei do desarmamento reduziu ha quase ZERO o numero de homicidios no Brasil!!!!!!!!

Por yrky,15/07/2017

E ainda tem uns idiotas que falam que aqui é um bom lugar para morar, que não tem guerra, furacoes e terremotos. Aqui a violencia mata mais que guerra, inundações e deslizes de terra mata igual furacoes e terremotos. E ainda temos os mais corruptos politicos. Aqui é bom porque mesmo?



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM