Jornal do Commercio
ABASTECIMENTO

Barragem do Cajueiro atinge nível máximo e tira Garanhuns do racionamento de água

A última vez que a barragem sangrou foi no ano de 2015. Os outros dois mananciais que alimentam o sistema também se recuperaram

Publicado em 17/07/2017, às 16h45

A última vez que a barragem sangrou foi no ano de 2015 / Foto: Divulgação/Compesa
A última vez que a barragem sangrou foi no ano de 2015
Foto: Divulgação/Compesa
Estadão Conteúdo

A Barragem do Cajueiro, o maior reservatório do Sistema de Abastecimento de Garanhuns, no Agreste Meridional de Pernambuco, está vertendo. O Cajueiro foi beneficiado com as chuvas regulares que caem na região desde o mês de maio, e atingiu sua capacidade máxima de armazenamento, de 14,5 milhões de metros cúbicos de água, tirando o município e outros da região do sistema de racionamento.

A última vez que a barragem sangrou foi no ano de 2015. Os outros dois mananciais que alimentam o sistema, as barragens de Inhumas e Mundaú, também apresentaram boa recuperação com o período de inverno, e alcançaram o nível máximo de acumulação, volume que deu condições da Compesa eliminar o racionamento de água na 'Cidade das Flores' no último dia 10.



A seca prolongada na região tinha levado Inhumas ao colapso em março deste ano. Graças às chuvas e à localização do reservatório em uma bacia hidrográfica de alto rendimento, o manancial apresentou uma excelente recuperação.

Abastecimento

De acordo com a Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa), com as três barragens cheias, há condições de garantir o fornecimento de água para Garanhuns até o próximo período chuvoso, em maio de 2018 - considerando o clima normal para região.

Além de Garanhuns, esse sistema de distribuição de água atende as cidades de Angelim e São João e o distrito de São Pedro.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.
Agreste seco Agreste seco
A seca colocou de joelhos uma região inteira. Fez o Agreste sertanejar. Os cinco anos consecutivos sem chuva em Pernambuco ganharam aqui a dimensão de uma tragédia. Silenciosa e diária.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM