Jornal do Commercio
FLAGRANTE

Economista goiano preso com munições no Aeroporto

Projéteis são de uso restrito da Polícia Federal

Publicado em 17/07/2017, às 07h40

Calibre é de uso restrito da Polícia Federal / Reprodução/PF
Calibre é de uso restrito da Polícia Federal
Reprodução/PF
JC Online

A Polícia Federal prendeu em flagrante, no último dia 8, um economista, separado, de 67 anos, natural e residente em Goiânia (GO), que tentou embarcar do Aeroporto Internacional do Recife com destino à cidade de Guaralhos (SP) com oito munições de calibre restrito (9 mm) e uma munição de calibre .32.  A prisão aconteceu durante fiscalização de rotina realizada pelos Agentes de Proteção da Aviação Civil, no embarque doméstico. 

O economista recebeu voz de prisão em flagrante e levado para a sede da Polícia Federal no Cais do Apolo, onde acabou sendo autuado pela prática do crime contido no artigo 16 da Lei nº 10.826/2003 – (manter sob sua guarda munição de USO PROIBIDO OU RESTRITO, sem autorização e em desacordo com determinação legal – pena: 3 a 6 anos de reclusão, além de multa). 



O economista não teve direito a fiança. Ele realizou Exame de Corpo de Delito no Instituto de Medicina Legal (IML) e em seguida foi conduzido para a audiência de custódia, de onde foi liberado para responder ao processo em liberdade. Em seu interrogatório o economista informou que é aposentado, trabalha Companhia Energética de Goiás e que havia viajado de férias com sua família para a cidade de Maragogi, no litoral norte de Alagoas. Disse ainda que nunca havia possuído arma de fogo e que tais munições haviam sido dadas para ele por um cozinheiro que era policial militar durante uma pescaria em Mato Grosso.

ESTATÍSTICAS DE APREENSÃO DE MUNIÇÕES NO AEROPORTO

Este já é o segundo caso de descoberta de munições em bagagens de mão no Aeroporto dos Guararapes. O primeiro ocorreu em 01.05.2017, onde foi preso um farmacêutico de 40 anos, que é funcionário público estadual de Cumaru/PE por volta das 13:30h, quando estava transportando 12 munições .38 de calibre permitido. Na ocasião o suspeito pagou uma fiança no valor de R$ 5 mil reais e foi liberado para responder pelo crime em liberdade. A fiança nesse caso só foi possível em virtude do crime de manter sob sua guarda munição de USO PERMITIDO, sem autorização e em desacordo com determinação legal tem penas de 2 a 4 anos de reclusão, por isso a concessão da fiança.

 


Palavras-chave

Recomendados para você


Comentários

Por WALDIR TAVARES,17/07/2017

ISSO É UMA VERGONHA, A PESSOA SER PRESA APENAS POR ESTA COM ALGUMAS MUNIÇÕES E AINDA MAIS DE USO PERMITIDO. E O FIM DA PICADA GENTE; ENQUANTO ISSO DELINQUENTES MIRINS MATADO O POVO E NADA ACONTECE. E UM VERDADEIRO ABSURDO MEU POVO, ISSO TEM QUE ACABAR. PUNIR UM CIDADÃO E PREJUDICAR A VIDA DELE E POR TABELA SUA FAMÍLIA POR UMA BESTEIRA DESSA. ME DIGAM QUAL FOI O CRIME QUE ESSE CIDADÃO COMETEU. ISSO É UMA VERDADEIRA IMBECILIDADE DOS QUE CRIARAM ESSE VERGONHOSO ESTATUTO DO DESARMAMENTO. E POR ISSO QUE DETERMINADAS PESSOAS COM UM PODER AQUISITIVO MELHOR ESTA INDO EMBORA DO BRASIL PARA PAÍSES CIVILIZADOS.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

O Mundo de Rafa O Mundo de Rafa
Rafael foi diagnosticado com síndrome de Asperger apenas aos 11 anos. Seus desenhos contam pedaços muito importantes da sua história. Exprimem momentos de alegria, de comemoração e também de desabafo, de dor
Gastos dos parlamentares pernambucanos Gastos dos parlamentares pernambucanos
Os deputados federais da bancada pernambucana gastaram, no 1º semestre deste ano, R$ 5,1 milhões em verbas de cotas parlamentares. Já os senadores gastaram R$ 692 mil. Os dados foram coletados com base no portal da transparência da Câmara e do Senado
Um metrô ainda renegado Um metrô ainda renegado
São 32 anos de operação e uma eterna luta por sobrevivência. Esse é o metrô do Recife

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM