Jornal do Commercio
SEGURANÇA

Pernambuco tem o primeiro semestre mais violento em dez anos

Taxa de homicídios por 100 mil pessoas é a maior desde o início do Pacto pela Vida

Publicado em 18/07/2017, às 10h36

Semestre teve recorde de assassinatos / Diego Nigro/JC Imagem
Semestre teve recorde de assassinatos
Diego Nigro/JC Imagem
JC Online

Nem mesmo a redução, por três meses consecutivos, no número de homicídios (entre março e junho deste ano) evitou que Pernambuco tivesse o primeiro semestre mais violento desde a criação do Pacto pela Vida (PPV), em 2007. No índice de homicídios por grupos de 100 mil habitantes, a taxa de 30,6 nos primeiros seis meses deste ano é a maior no comparativo com os mesmos períodos entre 2007 e 2016. Em número absolutos, foram 2.876 assassinatos, enquanto a segunda maior marca foi precisamente no primeiro ano do PPV, com 2.423 ocorrências.

Também em números absolutos, o primeiro semestre de 2017 representou um aumento de 39,4% em relação ao do ano passado. Já na relação entre as taxas por grupo de 100 mil pessoas, mais aumento: 37,8% no comparativo entre 2017 e 2016.
No balanço geral dos anos entre 2007 e 2016, a maior taxa de assassinatos por 100 mil pessoas ainda é a do primeiro ano do Pacto, com 54. Após cinco anos de redução, 2013 fechou com o menor índice já registrado em Pernambuco desde a concepção da política pública: 33,7. Desde então, no vácuo da saída de Eduardo Campos do poder, em 2014, e na esteira da crise econômica que tomou de assalto o País, os números aumentaram até 2016 fechar com uma taxa de 48,2 homicídios para cada grupo de 100 mil habitantes.

Ao contrário do que vinha fazendo desde o início do ano, o governo do Estado não realizou qualquer anúncio dos dados relativos ao mês de junho, quando foi confirmada a tendência de queda no número absoluto de mortes violentas intencionais. O pico absoluto de todo o período de dez anos do Pacto pela Vida foi atingido em março deste ano, quando 551 pessoas foram assassinadas em Pernambuco. O mês de junho terminou com 380 homicídios.

JC-CID0718_VIOLENCIA

Para o coordenador do Movimento PE da Paz, Tales Ferreira, a tendência de queda nos três últimos meses é um dado positivo. “Principalmente quando se observa que, pela primeira vez desde outubro de 2016, um mês termina com menos de 400 mortes”, registra. Mas, segundo ele, o cenário da criminalidade no Estado permanece crítico. “São números ainda muito altos, e o governo utiliza uma metodologia errada ao comparar os dados de mês a mês de um mesmo ano. O correto seria analisar um determinado período e o seu equivalente em anos anteriores”, diz. Entre março e junho de 2016, por exemplo, a tendência também foi de redução no número de homicídios.



Segundo o Instituto Sou da Paz, “a meta básica do Pacto pela Vida era reduzir em 12% ao ano as taxas de mortalidade violenta intencional. Entre 2007 e 2013 a redução foi de 31% (4.560 homicídios para 3.121, conforme tabela abaixo). O número voltou a crescer novamente em 2014, com a morte do então governador Eduardo Campos”, diz, em nota, a entidade.
“Com a recente troca de comando da Secretaria de Defesa Social, é importante questionar qual é o compromisso do novo chefe da pasta com a retomada do Pacto Pela Vida”, afirma Carolina Ricardo, representante do Sou da Paz.

GOVERNO

O secretário de Planejamento e Gestão do Estado, Márcio Stefanni, coordenador do PPV, garante: “O Pacto continua vivo e vai conseguir reverter os números e dar maior sensação de segurança à população.” Na avaliação do gestor, a redução de assassinatos nos últimos três meses é indicador disso.

“Não estou fugindo dos números, mas o crescimento da violência é um problema nacional. A redução dos últimos três meses já é resultado da política adotada pelo governo (um investimento de R$ 290 milhões em frota, pessoal e criação de batalhões). A gente acredita que tenha encontrado o caminho. O próximo semestre vai ser melhor do que esse”, afirma o secretário.


Palavras-chave

Recomendados para você


Comentários

Por RANDOLFO JÚNIOR,19/07/2017

Que eu saiba segurança pública se faz com inteligência, investimento e material humano. Jamais se fará com delegacias sem efetivo suficiente para investigar os crimes, com prédios caindo aos pedaços, paredes mofadas, falta de equipamentos para imprimir ou até mesmo sem papel para imprimir, com portas quebradas. Não adianta querer esticar a quantidade de pessoas sem contratações, levem em conta as aposentadorias, as mortes. Não é retirando pessoas de determinados locais e colocando em outros locais, isso é enrolação, estão diluindo as equipes e não suprimindo as suas faltas. Afinal pago impostos para ter segurança e para os bolsos de qual político estão indo todo esse dinheiro?

Por FRANCISCO SOUZA,19/07/2017

É cada pateta que aparece para falar besteira. Se é para comparar Recife com Paris compare todo o IDH, seu babaca.

Por GABRIEL CARRERAS,19/07/2017

É vergonhoso e imoral que secretários do governo Estadual venham a público dizer que sentem-se seguros em andar pelas ruas de nosso Estado. Aí eu concluo: com seguranças é bom demais. Agora vá andar com o celular nas mãos pela Avenida Boa Viagem ou Pela Avenida Conde da Boa Vista sem seguranças. Querem tapar o sol com a peneira, iludindo a população pernambucana com essas estórias fantasiosas. Todos os dias dezenas de assaltos em todas as cidades de Pernambuco. Todos os dias explosões de caixas eletrônicos. Todos os dias dezenas de assaltos a ônibus e pasmem: as empresas de ônibus proíbem os motoristas de levarem as vítimas (clientes que utilizam os serviços de transportes públicos pagos), a não ser que tenham roubado a renda do ônibus.

Por LYRA,18/07/2017

Hilário, porque esse jornalismo mente tanto, porque inventam tantas coisas ruins contra os nossos "queridos e respeitados políticos", os pobrezinhos tão honestos, sérios, que nunca meteram as mãos sujas no erário público, que dão a vida pelo povo, cuidando da saúde, segurança, educação e ainda dá moradia para o povo. Bom, não pensem que estou ficando maluco, foi tudo uma maneira de expressar o quanto esses BANDIDOS, entendam-se políticos, nada fazem, são mentirosos e sem vergonha e ainda por cima arrumam uns tais ASPONES, para que possam ser ajudados nas mentiras, como por exemplo os ligados a segurança, que mentem mais que PINÓQUIO, para eles não existe criminalidade e sim ilusão de ótica do trabalhador que é assaltado todos os dias. Adeus Paulo Câmara, aqui em PE tu não ganharás nem mesmo eleição para porteiro do prédio que resides lá na MADALENA, a não ser que o povo realmente seja mais safado que você.

Por SÓ FALO A VERDADE,18/07/2017

MAS O DESGOVERNADOR DIZ QUE É TUDO INVENÇÃO DA POPULAÇÃO. PERNAMBUCO TÁ COMPLETAMENTE ENTREGUE AS BARATAS.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM