Jornal do Commercio
defesa animal

Protetora de animal pede ajuda para cachorros abandonados em Aldeia

Mais de 80 cachorros estão passando privação após a cuidadora deixar local por problemas de saúde

Publicado em 21/08/2017, às 08h15

Animais estão abandonados em casa em Aldeia e protetores pedem ajuda / Foto: Divulgação
Animais estão abandonados em casa em Aldeia e protetores pedem ajuda
Foto: Divulgação
JC Online

Protetores de animais de Aldeia pedem ajuda para cuidar e dar novos lares a animais abandonados, que estão vivendo em situação de extrema carência na localidade. São cerca de 80 cães que viviam sob os cuidados de uma senhora em uma granja, mas por problemas de saúde ela precisou se afastar e os animais começaram a passar privações. Os defensores já acionaram a Prefeitura de Camaragibe e contratam veterinário para fazer o atendimento emergencial, mas pedem doações de ração e remédios para cuidar dos bichos e prepará-los para adoção.

A casa em que os animais estão é alugada e os proprietários, que pediram para não ter nem nome nem o endereço do imóvel divulgados, deixaram que eles ficassem no local enquanto passam por tratamento.

A protetora de animais Luciane Nascimento, da ONG Patinhas, está ajudando nos cuidados e explicou que os cachorros estão muito debilitados, porque ficaram dias sem alimento. Além de desnutridos, muitos estão machucados, por causa do abandono.



“Existia uma moradora que cuidava deles, mas, infelizmente, a pessoa acumulou animais e não teve mais condições, nem de saúde nem financeira, para continuar dando atenção e eles já estão há alguns meses nessa situação”, explicou.

Na tentativa de amenizar o caso, os protetores se articularam com a pet-shop JR Rações, localizada na Estrada de Aldeia, Km 10,5, Vera Cruz, para que o local sirva de apoio para o recebimento de doações. Passado o cuidado inicial, a luta é para arranjar lar para os animais, explica Luciane.

O grupo se uniu para organizar a campanha para arrecadar ração e remédios. “Eles se comprometeram a receber donativo e a dar desconto no material comprado lá. A gente precisa de material de limpeza, remédios para vermes e ração”, diz a protetora.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM