Jornal do Commercio
JOÃO PESSOA

Pernambucano é procurado por estuprar e engravidar enteada de 11 anos

Menina teve complicações no parto, mas deu à luz nesse fim de semana, na Paraíba, a uma criança saudável, fruto do estupro do padrasto pernambucano

Publicado em 13/09/2017, às 21h33

Segundo informações da delegada, a menina começou a ser abusada quando ainda tinha 10 anos / Foto: EBC
Segundo informações da delegada, a menina começou a ser abusada quando ainda tinha 10 anos
Foto: EBC
JC Online
Com informações do Portal Correio, da Paraíba

A Polícia do Estado da Paraíba está à procura de um pernambucano suspeito de estuprar uma menina de 11 anos. A garota, que seria sua enteada, deu à luz nesta semana e o bebê seria resultado dos abusos que sofreu, de acordo com a delegada responsável pelo caso Joana D'Arc, por cerca de 6 meses. Agora, o promotor da Infância e Juventude de João Pessoa Alley Borges Escorel pede que a guarda do bebê seja tirada da mãe.

Segundo informações da delegada, a menina começou a ser abusada quando ainda tinha 10 anos. O crime seria cometido em um sítio localizado na Zona Sul de João Pessoa. "A menina não convivia com a mãe, ela tinha sido criada pela avó e fazia pouco tempo que tinha ido morar com a mãe", afirmou a delegada.

De acordo com a investigadora, não há indícios de envolvimento da mãe no crime, mas Joana D'Arc afirma que houve "falta de cuidado", pela mãe permitir que a filha saísse com o padastro. "Ela e o padastro da menina moravam há alguns anos juntos, cerca de 2 ou 3 anos. Então ele ainda era um homem estranho dentro de casa", concluiu.



A menina deu à luz no domingo (10). A gravidez foi descoberta após ela passar mal e ser levada por uma tia para o posto de saúde. Ela já estava com cinco meses de gestação.

O suspeito está foragido desde que a gravidez foi descoberta.

Perda da guarda

O promotor da Infância e Juventude de João Pessoa, Alley Borges Escorel, pediu que a guarda do bebê fosse retirada da menina porque, de acordo com ele, a mãe da garota abusada pelo padrasto teria sido negligente ao não perceber que a filha estaria sofrendo os abusos. Além disso, segundo o promotor, a menina teria sido obrigada a trabalhar mesmo estando grávida.

A decisão pela permanência ou não da guarda do bebê com a mãe deve sair nesta semana.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Julgamento de Lula Julgamento de Lula
O Tribunal Regional Federal da 4ª Região confirmou, no histórico 24 de janeiro de 2018, a condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e ampliou a pena para 12 anos e 1 mês de reclusão
Copa do Nordeste 2018 Copa do Nordeste 2018
A 15ª edição da Copa do Nordeste tem um sabor especial. 2018 marca a volta das transmissões de futebol da TV Jornal. Ao lado da co-irmã de Caruaru e de nove afiliadas do SBT Nordeste, a emissora vai levar ao público todas as emoções do torneio
Conheça o Cambinda Brasileira, maracatu rural mais antigo em atividade Conheça o Cambinda Brasileira, maracatu rural mais antigo em atividade
Conheça o Cambinda Brasileira, maracatu rural mais antigo em atividade

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM