Jornal do Commercio
JOÃO PESSOA

Pernambucano é procurado por estuprar e engravidar enteada de 11 anos

Menina teve complicações no parto, mas deu à luz nesse fim de semana, na Paraíba, a uma criança saudável, fruto do estupro do padrasto pernambucano

Publicado em 13/09/2017, às 21h33

Segundo informações da delegada, a menina começou a ser abusada quando ainda tinha 10 anos / Foto: EBC
Segundo informações da delegada, a menina começou a ser abusada quando ainda tinha 10 anos
Foto: EBC
JC Online
Com informações do Portal Correio, da Paraíba

A Polícia do Estado da Paraíba está à procura de um pernambucano suspeito de estuprar uma menina de 11 anos. A garota, que seria sua enteada, deu à luz nesta semana e o bebê seria resultado dos abusos que sofreu, de acordo com a delegada responsável pelo caso Joana D'Arc, por cerca de 6 meses. Agora, o promotor da Infância e Juventude de João Pessoa Alley Borges Escorel pede que a guarda do bebê seja tirada da mãe.

Segundo informações da delegada, a menina começou a ser abusada quando ainda tinha 10 anos. O crime seria cometido em um sítio localizado na Zona Sul de João Pessoa. "A menina não convivia com a mãe, ela tinha sido criada pela avó e fazia pouco tempo que tinha ido morar com a mãe", afirmou a delegada.

De acordo com a investigadora, não há indícios de envolvimento da mãe no crime, mas Joana D'Arc afirma que houve "falta de cuidado", pela mãe permitir que a filha saísse com o padastro. "Ela e o padastro da menina moravam há alguns anos juntos, cerca de 2 ou 3 anos. Então ele ainda era um homem estranho dentro de casa", concluiu.



A menina deu à luz no domingo (10). A gravidez foi descoberta após ela passar mal e ser levada por uma tia para o posto de saúde. Ela já estava com cinco meses de gestação.

O suspeito está foragido desde que a gravidez foi descoberta.

Perda da guarda

O promotor da Infância e Juventude de João Pessoa, Alley Borges Escorel, pediu que a guarda do bebê fosse retirada da menina porque, de acordo com ele, a mãe da garota abusada pelo padrasto teria sido negligente ao não perceber que a filha estaria sofrendo os abusos. Além disso, segundo o promotor, a menina teria sido obrigada a trabalhar mesmo estando grávida.

A decisão pela permanência ou não da guarda do bebê com a mãe deve sair nesta semana.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM