Jornal do Commercio
Urbanismo

Obra do Túnel da Abolição ainda precisa de complementos

O Túnel da Abolição fica na Madalena, Zona Oeste do Recife. Fata concluir o jardim e instalar o elvador

Publicado em 17/09/2017, às 12h51

Praça sobre o túnel ficou incompleta / Foto: Guga Matos/JC Imagem
Praça sobre o túnel ficou incompleta
Foto: Guga Matos/JC Imagem
Da Editoria Cidades

O Túnel da Abolição, inaugurado em 12 de abril de 2015 no bairro da Madalena, Zona Oeste do Recife, continua incompleto apesar de estar em funcionamento há dois anos e cinco meses. É certo que a passagem subterrânea de 287 metros de extensão cumpre sua função de ligar a Rua Real da Torre à Rua João Ivo da Silva, sob a Avenida Caxangá. A obra eliminou um dos cruzamentos mais congestionados da região, mas faltam complementos, como o jardim ao lado do Museu da Abolição, o ponto de ônibus no túnel e o elevador, para atender idosos e pessoas portadoras de deficiência.

Com sentido único de tráfego, o Túnel da Abolição custou R$ 16 milhões e integra o corredor Leste-Oeste, via exclusiva para o transporte coletivo que faz a ligação entre o Centro do Recife e a cidade de Camaragibe pelo Transporte Rápido por Ônibus (BRT na sigla em inglês). A praça sobre o túnel, vizinha ao secular Casarão de João Alfredo (Museu da Abolição) tem oito jardineiras sem flores. Só numa delas duas plantas crescem espontaneamente. Não há postes e a área fica às escuras.

“Quando chove, a praça fica completamente alagada e as pessoas só podem passar pelas laterais. À noite, ninguém tem coragem de cruzar essa área porque não há lâmpadas e os assaltos são frequentes por aqui”, declara o comerciário Kevin Campelo. Ele trabalha na Rua Benfica, a poucos metros do túnel, e só circula pela praça de dia e a serviço. Segundo ele, o risco de assalto é maior ainda dentro do túnel. “Nunca desci as escadas para ir lá, nem de dia nem à noite”, acrescenta o rapaz.

A parada de ônibus no túnel, prometida desde o anúncio da obra de mobilidade, não existe. “Ninguém teria coragem de ficar ali esperando por um ônibus e nem os motoristas dos coletivos iriam parar num local perigoso como aquele”, destaca a comerciária Carla Tainá Batista da Silva, que trabalha na Avenida Caxangá, na Madalena. A escada de acesso à passagem subterrânea está sempre alagada, com o piso cheio de lodo. As paredes do Túnel da Abolição mantêm vazamentos de água desde a época da inauguração.



O elevador para o transporte dos passageiros de ônibus, da praça ao túnel, nunca chegou a ser instalado. Fizeram apenas a estrutura de sustentação. “Era tudo aberto, depois fecharam o piso com medo que as pessoas, passando pela praça, caíssem pelo buraco”, comenta Carla Tainá Batista. Ela disse que entrou no túnel pelas escadas, apenas uma vez, por curiosidade. A obra de implantação começou em março de 2013, é de responsabilidade da Secretaria Estadual das Cidades e fazia parte do pacote de projetos estruturadores para preparar o Recife para a Copa do Mundo, ocorrida entre junho e julho de 2014.

LICITAÇÃO

Por meio da assessoria de imprensa, a Secretaria das Cidades informa que pretende publicar em novembro de 2017 edital para escolha da empresa de engenharia que executará os serviços remanescentes das obras do Túnel da Abolição. A licitação tinha sido aberta no início de 2017, mas foi revogada porque houve a necessidade de revisão dos projetos por se tratar de uma área de proteção de patrimônio histórico.

A obra prevê a instalação do elevador para garantir melhor acessibilidade ao túnel e a urbanização da praça na lateral do Museu da Abolição. O serviço também inclui a reabertura do acesso de veículos ao Casarão de João Alfredo pela Rua Real da Torre.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM