Jornal do Commercio
BOA VIAGEM

Arrombamento de quiosques e abandono na orla de Boa Viagem

Arrombamento de quiosques, assaltos e descuido tem atingido a orla de Boa Viagem

Publicado em 13/11/2017, às 07h00

Pelo menos oito quiosques foram arrombados nas últimas semanas na orla de Boa Viagem, segundo comerciantes / Foto: Sérgio Bernardo/JC Imagem
Pelo menos oito quiosques foram arrombados nas últimas semanas na orla de Boa Viagem, segundo comerciantes
Foto: Sérgio Bernardo/JC Imagem
Da Editoria de Cidades

Uma onda de arrombamento de quiosques, assaltos e descuido com a orla de Boa Viagem tem atingido um dos principais cartões postais do Recife nas vésperas do verão. Nas últimas semanas, pelo menos oito pontos de venda situados na Avenida Boa Viagem teriam sido arrombados durante a noite e furtados, segundo comerciantes que iniciarão um protesto com lonas pretas hoje em toda a praia. Na madrugada deste domingo (12), dois adolescentes foram levados para a GPCA após serem abordados por com objetos roubados de um quiosque. Outros dois homens, responsáveis por um assalto, foram encaminhados para a Delegacia de Boa Viagem.

O quiosque era de Tomé Ferreira de Lima, conhecido como Zezinho do Coco, de 69 anos, que trabalha há 50 anos na Avenida Boa Viagem. Ele estima um prejuízo de R$ 6 mil após ter perdido o caixa registrador, mercadorias e até a caixinha de natal dos funcionários. “A gente aqui perdeu o direito de trabalhar. A noite a gente fecha porque não tem mais ninguém aqui na praia com medo de assalto. Os turistas já não vêm mais. A gente está em uma situação difícil. Se não tomarmos uma iniciativa, vamos acabar fechando”, ele conta. A lojinha dele tinha câmeras, que foram destruídas na ação. O aparelho que registrava as imagens também foi levado.

Casos de assalto também não são novidade na orla. “Eu sempre tento me manter atenta. Quando eu estou levando o celular, tento andar com ele escondido. Também evito andar muito a noite”, conta a estudante Maria Luiza Pedrosa, de 22 anos. E a segurança está longe de ser o único problema do cartão postal. Bancos quebrados há meses se sucedem, assim como o lixo desordenado e obras em banheiros públicos que nunca terminam. “Está uma nojeira. Está totalmente abandonada essa orla. É até feio para os turistas”, lamenta a pedagoga Teresa Cristina Perez, 55 anos, que mora no bairro há mais de 40 anos.



Segundo os comerciantes, os arrombamentos ocorrem sempre após as 2h. “Eu vou gradear todo o quiosque. A gente está se precavendo dessa forma. Hoje, eu vivo preso. A gente trabalha com a certeza da insegurança e da impunidade”, diz Dionísio Jr, vítima de arrombamento no final de outubro.

PM e prefeitura de olho na orla

Comandante do 19º Batalhão, o coronel William Araújo diz que assim que foi acionada, na madrugada, a PM prendeu os quatro suspeitos por arrombamentos e assaltos na orla. Ele pediu que a população e os comerciantes continuem prestando queixa e ligando para o 190, inclusive para que a polícia tenha estatísticas capazes de mapear os pontos críticos de segurança na região. Desde setembro, a PM realiza a operação orla segura, em que seis duplas de policiais atuam na praia da manhã até a noite. O policiamento também é reforçado no início da manhã pelo Batalhão de Choque, por rondas da equipe do Canil da PM, além de incursões do Gati para atender ocorrências.

A Prefeitura do Recife diz que iniciou na semana passada a reposição de 230 apoios para bancos e a troca de 450 blocos de concreto a um custo de R$ 270 mil. Também disse estar em andamento a implantação de iluminação de LED em toda a Avenida Boa Viagem, além de um novo sistema que permitirá o controle remoto das luminárias, com monitoramento online das 161 torres da orla.


Recomendados para você


Comentários

Por gustavo,13/11/2017

Prefeito e governador sao homens de gabinete, ar condicionado! quem ja viu algum deles andando nas ruas se nao forem pra visitar obras ou fazer campanha!! nao sabem das dificuldades e mazelas da cidade !!

Por Breno,13/11/2017

A orla de Boa Viagem está suja, sem conservação e mal policiada. Os quiosques estão nojentos e sem condições de oferecer um bom serviço. A desordem dos barraqueiros também é outro problema sério. Se há o problema da violência e assaltos, há também o descaso para fazer com que o local seja mais organizado e atrativo para todos. Recife está um nojo geral, uma vergonha generalizada.

Por Marcelo Martins,13/11/2017

Tudo bem que é uma área turística. Mas esqueçamos os de fora um pouco. Essa orla têm de ser restaurada e nós recifenses temos de ter direito à segurança. Quem mais usufrui somos nós. Quem precisa da Orla somos nós. Temos que para com essa cultura de "pra turista ver". As coisas precisam ser feitas para o usufruto de nós cidadãos pagadores de impostos. Pra nós que devemos ter o mínimo de retorno de nossos impostos.

Por jorge,13/11/2017

Os quiosques da orla de Boa Viagem estão com um aspecto de castelinhos mal assombrados e estão virando barracas abandonadas. A Prefeitura do Recife deveria olhar com mais cuidado esses pontos de venda e apresentar um projeto contemplando a paisagem de Boa Viagem e o ar tropical que ela apresenta. Quem tem a ganhar são os moradores e muito mais os visitantes.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM