Jornal do Commercio
Protesto

Perto de completar dois anos, família pede resposta sobre Caso Beatriz

Familiares e amigos da menina Beatriz Mota, morta em dezembro de 2015, realizam protesto em frente ao Palácio do Campo das Princesas nesta segunda (13)

Publicado em 13/11/2017, às 13h56

Lucia Mota, mãe de Beatriz, fez um discurso emocionado em frente ao Palácio  / Luisi Marques/JC Imagem
Lucia Mota, mãe de Beatriz, fez um discurso emocionado em frente ao Palácio
Luisi Marques/JC Imagem
Da Editoria de Cidades

Familiares e amigos da menina Beatriz Angélica Mota, 7 anos, assassinada em dezembro de 2015 dentro de uma escola em Petrolina, no Sertão do Estado, realizam um protesto nesta segunda-feira (13) em frente ao Palácio do Campo das Princesas, sede do governo do Estado. Os pais da menina, Lúcia Mota e Sandro Romilton, vieram até o Recife cobrar respostas da Polícia Civil e da delegada responsável pelo caso, Gleide Ângelo. O crime completa dois anos sem solução no próximo dia 10 de dezembro.

"Nosso objetivo hoje é reivindicar mais transparência nas investigações. É inadmissível a forma como a Polícia vem trabalhando no caso, sem nos dar uma resposta. Em agosto, nós pedimos para ter acesso ao inquérito e até agora não tivemos resposta. Todos os prazos que doutora Gleide acertou comigo, não cumpriu nenhum. Farei até greve de fome se necessário, mas hoje eu só saio daqui com uma resposta", afirmou a mãe da menina.



"Desde o início sempre pedimos a Polícia que nos deixassem a par do que estava acontecendo. Mas no caso de Lagoa Grande, a gente descobriu pela imprensa. Eu imagino que não querem liberar o inquérito para a gente porque há muitas falhas na investigação, no confronto de dados. Eu quero me digam o que falta, onde a gente pode colaborar", desabafou Sandro.

Coletiva

No início da tarde desta segunda, os pais da menina Beatriz foram recebidos por uma comissão de representantes do governo do Estado, formada pelo Chefe da Polícia Civil, Joselito Kehrle, o secretário de Defesa Social, Antônio de Pádua, e o secretário-executivo da Casa Civil, Marcelo Canuto. Às 16h, uma coletiva de imprensa deve ser realizada em frente ao Palácio do Campo das Princesas, onde a família da menina deve ser pronunciar sobre o encontro.


Palavras-chave

Recomendados para você


Comentários

Por EDWIN,13/11/2017

Total irresponsabilidade e omissão do estado.se fosse um familiar de uma autoridade policial já estaria resolvido o caso.a família devia procurar o Ministério Público.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM