Jornal do Commercio
Violência

Força-Tarefa Vidas é implantada para reduzir homicídios em Pernambuco

Paulista, no Grande Recife, foi o município escolhido para projeto-piloto

Publicado em 27/11/2017, às 07h47

Antônio de Pádua diz que nova Força-Tarefa vai atacar a causa do problema / JC Imagem
Antônio de Pádua diz que nova Força-Tarefa vai atacar a causa do problema
JC Imagem
Cidades

Depois de criar grupos específicos para combater assaltos a banco e a ônibus, Pernambuco está implementando a Força-Tarefa Vidas, com o objetivo de reduzir os índices de homicídios, que vêm batendo sucessivos recordes, devendo ultrapassar os cinco mil este ano – número jamais visto antes. O município de Paulista, no Grande Recife, foi escolhido para um projeto-piloto, no qual a ideia central é atacar a causa do problema, que, na maioria dos casos, é o tráfico de drogas, segundo levantamento da Secretaria de Defesa Social (SDS).

“A gente verificou que cerca de 70 a 80% das mortes violentas aqui no Estado estão diretamente relacionadas ao tráfico de drogas, então essa Força-Tarefa, além dos trabalhos de investigação dos homicídios, também é responsável por atacar a causa do problema. Por mapear, estudar e efetivamente fazer ações contra o tráfico de entorpecente para evitar que a morte aconteça”, informa o secretário de Defesa Social, Antônio de Pádua.

Conforme o gestor, o município foi escolhido porque teve um aumento maior nos assassinatos em relação a outros. Só de janeiro a outubro deste ano, foram registrados 197 homicídios em Paulista, número 60% acima do que foi contabilizado durante todo o ano de 2016, quando ocorreram 123 mortes na cidade. Em 2015, foram 114. “Vamos usar alguns planejamentos e ações em Paulista, para a partir daí disseminar algumas boas práticas no Estado todo”, salienta Pádua.

A FT Vidas é coordenada pelo secretário-executivo de Defesa Social, Humberto Freire, com participação das Polícias Civil, Militar e Científica. Segundo Pádua, algumas reuniões já foram realizadas e há missões em curso. “Pensamos nessa ação com base nos bons resultados que tivemos na redução de assaltos a ônibus e a bancos”, salienta Pádua.



De janeiro a outubro, a SDS registrou 4.576 homicídios – 80% a mais do que em 2013 (2.541 mortes), último ano de queda nas estatísticas desse tipo de crime desde a implantação do Pacto pela Vida, em 2007. O balanço indicou que dos 2.538 crimes ocorridos entre maio e outubro 754 tiveram como motivação o tráfico de drogas e 1.037 dos mortos tinham passagem pela polícia.

COMUNIDADES

As estatísticas também indicam que 417 homicídios ocorreram por conflitos na comunidade. Para enfrentar o problema, o Estado firmou parceria com o Japão a fim de conhecer sua experiência com policiamento comunitário. Equipes da Agência Nacional de Polícia do Japão e da Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp) estão em Caruaru e no Recife, esmiuçando a metodologia do sistema "Koban".

Em vigor no país asiático desde 1874, o modelo é voltado para uma polícia que garanta os direitos humanos e cidadania da população. “Vamos fazer algumas experiências para colocar a Polícia Militar mais próxima da população, para que haja um entrosamento maior”, adianta Pádua.


Recomendados para você


Comentários

Por hugo,27/11/2017

Mais um pacto pelo fracasso, podem tentar mil sistemas diferentes, nenhum vai funcionar com um governo que não faz diálogo, nos veremos nas eleições.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM