Jornal do Commercio
Inquérito concluído

Motorista dirigia a 108 km/h quando matou três pessoas na Tamarineira

Carro atingido estava a 30 quilômetros. Inquérito foi enviado ao MPPE

Publicado em 04/12/2017, às 22h09

João Victor teve ferimentos leves e está preso preventivamente no Cotel / Felipe Ribeiro/JC Imagem
João Victor teve ferimentos leves e está preso preventivamente no Cotel
Felipe Ribeiro/JC Imagem
Cidades

O jovem João Victor Ribeiro de Oliveira Leal, de 25 anos, dirigia a 108 km/h o Ford Fusion que atingiu o Toyota RAV4 conduzido, a 30 km/h, pelo advogado Miguel Arruda da Motta Silveira Filho, 46, no dia 26, na Tamarineira, Zona Norte do Recife. No acidente, morreram a mulher do advogado, Maria Emília Guimarães, 39 anos; seu filho Miguel Arruda da Motta Silveira Neto, 3; e a babá grávida de três meses Roseane Maria de Brito, 23. Ele e a filha de 5 anos continuam internados. Laudo pericial constatando as velocidades faz parte do inquérito que foi remetido nesta segunda-feira (4) ao Ministério Público de Pernambuco (MPPE). João Victor pode pegar até 70 anos de prisão.

O resultado das investigações será apresentado às 10h desta terça-feira (5), pelo delegado Paulo Jeann, em coletiva à imprensa, na sede da Polícia Civil, na Boa Vista, Centro do Recife. A informação inicial do delegado era de que indiciaria João Victor por triplo homicídio e lesão corporal dupla grave, além de solicitar renovação de sua prisão preventiva, cujo prazo vence nesta quarta. 

Na coletiva, será detalhado se o crime foi considerado doloso (quando se assume o risco) ou culposo (sem intenção) e apresentadas as perícias realizadas. Não foi feito exame toxicológico, para saber se João Victor havia consumido outra droga além do álcool, porque havia passado o tempo para isso. No dia do acidente, o motorista havia feito apenas o teste do bafômetro, que apontou 1,03 miligrama de álcool por litro de sangue, quando o aceitável é 0,05 miligrama.



João Victor está preso preventivamente no Centro de Observação e Triagem Professor Everardo Luna (Cotel), em Abreu e Lima, no Grande Recife. A Justiça negou pedido inicial de seu advogado para que ele trocasse o presídio por uma clínica de tratamento para pessoas com dependência química. A família afirma que ele já foi internado duas vezes, em 2014 e 2016.

MUITA BEBIDA

Amigo que prestou depoimento à polícia informou que eles beberam um litro de uísque em uma hora e Victor ficou passando mal, instantes antes do acidente, por volta das 19h30. Ele teria sido deixado pelos amigos dormindo no carro, com a chave na ignição para que o ar-condicionado ficasse ligado.

Em alta velocidade, Victor avançou o sinal vermelho, no cruzamento da Avenida Rosa e Silva com Rua Cônego Barata, atingindo a lateral do carro da família Motta Silveira. Morreram a servidora do Tribunal de Justiça Maria Emília Guimarães Silveira, 39 anos, o filho Miguel Arruda da Motta Silveira Neto, 3, e a babá Roseane Maria de Brito, 23, que estava grávida. Miguel e a filha Marcela ficaram gravemente feridos.


Recomendados para você


Comentários

Por WELLINGTON,13/12/2017

Esse código penal brasileiro, não pode ser reformulado pois os legisladores esses sim tem a maior culpa no cartório.Pais de corruptos.

Por Fábio,05/12/2017

Só uma correção. Assumir o risco não caracteriza crime doloso. Sequer com dolo eventual. Já existe precedente do STF sobre o assunto. Ocorre que a lei do CTB conflita com a constituição. O inquérito sempre acaba reformado para homicídio culposo com agravantes. Homicidio doloso só ocorre quando há intenção deliberada de ferir ou matar e mesmo alcoolizado e em alta velocidade não há como afirmar que a intenção do motorista era essa.

Por Aderbal,05/12/2017

Como nesse Brasil justiça só tem validade para quem tem dinheiro e influência. Parece que esse monstro vai ficar preso por uns 2 anos, e estará livre. Atropelamento não existe justiça !!!

Por Rafael,05/12/2017

Só eu achei os amigos tão culpados quanto o rapaz do acidente? Como bebem 1 litro de uísque em uma hora, deixam o amigo bêbado dentro do próprio carro e com a chave na ignição?

Por Gil,05/12/2017

O grande problema no Brasil é que a justiça não funciona, cadeia foi feita só pra pobre, tem que reformular esse código penal obsoleto e punir realmente os criminosos, essa cara em um pais como Estados Unidos jamais estaria solto e possivelmente teria pena de morte. Por isso que o Bolsanaro ta subindo nas pesquisas.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM