Jornal do Commercio
Contra engarrafamentos

Carnaval 2019 de Olinda deve ter novo esquema de mobilidade

Uma das possibilidades é que os bloqueios fiquem mais longe dos focos

Publicado em 13/02/2018, às 07h27

Carros e ônibus têm ficado presos na entrada da cidade / Luiz Pessoa/JC Imagem
Carros e ônibus têm ficado presos na entrada da cidade
Luiz Pessoa/JC Imagem
Cidades

Diante das reclamações generalizadas sobre as dificuldades de entrada e saída de Olinda, nesse período de Carnaval, o secretário-executivo de transporte e trânsito local, Jonas Ribeiro, afirma que o município vai estudar melhorias no esquema de circulação para o próximo ano. De antemão, o gestor já elege o maior problema do trânsito: todo mundo querer chegar muito perto dos focos de folia. Ou seja, bloqueios mais distantes dos acessos podem vir a ser uma alternativa para 2019.

“No Rock in Rio as pessoas chegam a caminhar 2,5 quilômetros até a festa, aqui todos querem ficar dentro do foco, temos que mudar isso”, afirma. O secretário diz que o maior problema foi na sexta-feira, porque muitos insistiam em entrar no sítio histórico de carro, inclusive turistas que alugaram casas mas não tinham credenciamento. “A situação foi bem melhor no domingo, mas o travamento não deixou de existir, até porque todo ano aumenta o número de pessoas que querem brincar na cidade. Nem mesmo no dia do galo diminuiu o público”.

Os congestionamentos continuam sendo sentidos, inclusive por quem deixa o veículo mais distante e utiliza as linhas especiais. “Tenho ido a Olinda todos os dias, no Expresso Folia que sai do Shopping Tacaruna. O primeiro dia foi horrível. Apesar de ter muitos ônibus eles ficam presos no trânsito”, avalia a arquiteta Marcília Fernandes, que é pernambucana mas mora na Bahia e todo ano vem para a folia.



“Depois fizeram uma mudança no itinerário (em vez de ir pela Avenida Cruz Cabugá o ônibus passou a sair direto pela Avenida Agamenon Magalhães) que já reduziu em uns 15, 20 minutos o tempo do percurso, mas ainda está bastante demorado. À noite, na volta, fica mais fácil”, diz ela.

GARGALO

A abertura da cidade alta para os motoristas do Uber não está trazendo prejuízos à mobilidade nem aos 803 taxistas do município, segundo avaliação do secretário. E a criação de pontos de fuga está ajudando a reduzir os travamentos. “O maior gargalo é na altura da Marinha, justamente porque as pessoas insistem em entrar na cidade pela área de bloqueio”.

Para facilitar o acesso a cidade, os foliões contam com linhas especiais (que custam de R$ 8 a R$ 15 ida e volta) saindo dos shoppings Recife, Plaza, Tacaruna e Rio Mar, além do Centro de Convenções. Também há uma linha municipal circular (R$ 3,20).


Recomendados para você


Comentários

Por Luna,14/02/2018

Esse ano foram criadas mais dificuldades, por exemplo, vetando o retorno de quem vem da Rua do Sol, em frente ao Carmo, que é utilizado por moradores quando deixam foliões na Praça do Carmo e desejam retornar para Bairro Novo ou Rio Doce. Fomos obrigados a ir ao Varadouro, concentrando mais veículos. Muitos carros passaram, sem autorização, nas barreiras de retenção, próximo ao Hospital Tricentenário.

Por Tales,13/02/2018

Apesar de sentir as dificuldades de mobilidade no Complexo de Salgadinho, devo parabenizar o grupo de apoio que atuou em frente ao Atacadão de Olinda organizando o embarque e desembarque dos foliões que utilizaram os ônibus. Foi muito tranquilo o uso deste transporte devido ao auxílio desse pessoal.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Recife em Transformação Recife em Transformação
A cidade e o desafio de traçar o seu futuro
Zika em mil dias Zika em mil dias
Já se passaram quase 2 anos e meio desde que o JC anunciou a explosão de casos de recém-nascidos com microcefalia. Muitas dessas crianças já completaram os seus primeiros mil dias de vida. Famílias e especialistas revelam o que aconteceu nesse período
Logística e inovação Logística e inovação
Você sabe o que é logística? Ela parece invisível, mas está presente no nosso dia a dia, encurtando distâncias. Quando compramos uma maçã no supermercado, muitas vezes não nos damos conta do caminho que percorreu até chegar a nossas mãos

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM