Jornal do Commercio
Sem definição

Fundo Nacional de Segurança: secretários preocupados com partilha

Criado por MP, fundo prevê reforço de R$ 800 mil para o setor ainda este ano, com recursos de loterias

Publicado em 13/06/2018, às 07h16

Antônio de Pádua diz que há pouco tempo para definições / JC Imagem
Antônio de Pádua diz que há pouco tempo para definições
JC Imagem
Cidades

Como serão repartidos os recursos do recém-criado Fundo Nacional de Segurança Pública, que deve reforçar em R$ 800 mil os investimentos para o setor este ano? Na tentativa de entender essa partilha, cinco secretários de segurança pública representando as regiões Nordeste, Norte, Sul, Sudeste e Centro-Oeste se reuniram, nesta terça, com o ministro da pasta, Raul Jungmann, em Brasília, mas, após mais de uma hora de debate, saíram sem definição. Novos encontros serão agendados e as discussões continuam hoje e amanhã durante o Seminário Nacional de Segurança Pública, que acontece na Academia Nacional de Polícia, no Distrito Federal.

“Ainda há muitas dúvidas. A proposta do ministro foi a de criar comissões para estudar como fazer essa divisão, diante das diferenças de tamanho e necessidades entre estados como São Paulo e Roraima, por exemplo. Mas de fato o que está escrito na Medida Provisória que cria o fundo é que o próprio ministro vai decidir isso. E temos muito pouco tempo até o final do ano”, declara o secretário de Defesa Social de Pernambuco, Antônio de Pádua, representante do Nordeste.

O secretário salienta que os recursos (provenientes de loterias federais) devem ser utilizados para investimentos. “Hoje, 85% dos gastos com segurança estão praticamente na conta dos Estados e 90% são para pagamento de pessoal”, observa.
O gestor destaca que a criação do Sistema Único de Segurança Pública (SUSP), apesar de ter sido feito de forma acelerada, é ferramenta fundamental para se ter números fidedignos do setor. “Hoje cada Estado tem uma maneira de contabilizar suas mortes e isso atrapalha muito uma política nacional”.



GOVERNADOR CRITICA PRESSA

Na manhã de ontem, durante entrega de novas motocicletas à Polícia Militar, o governador Paulo Câmara também criticou “a pressa” com que o SUSP foi criado, “a partir de uma situação pontual do Rio de Janeiro” e “sem maiores discussões”, mas lembrou a importância de uma política nacional. “Segurança não se pode fazer isoladamente, cada Estado de um jeito. Precisa ter uma coordenação nacional”. E informou já ter entregue ao ministro as demandas do Estado.

A Lei nº 13.675, que cria o SUSP e um Plano Nacional de Segurança Pública foi publicada ontem. O objetivo é integrar as forças de segurança da União, Estados e municípios, inclusive com um banco nacional de informações e uniformização dos dados.


Recomendados para você


Comentários

Por aldir,13/06/2018

eu tenho quase certeza que esse SUSP vai ser uma bosta. duvida???

Por TOREBA,13/06/2018

Não sei o motivo da preocupação deste secretário acima ! já que como as pessoas mais esclarecidas sabem que 70 % ou mais destes recursos oriundos do SUSP ( recursos do governo federal ) serão CONTINGENCIADOS ( isto é , serão usados em outros setores diferentes da segurança pública ) . Se o Brasil fosse um país sério caso fosse constatado o desvio destes recursos o governo federal deveria cortar os mesmos ! EITA BRASILZÂO SEM JEITO !!!!!!



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM