Jornal do Commercio
Olinda

Sem-teto fazem ocupação na área da antiga torre da TV Manchete

A ocupação no terreno da torre de transmissão da extinta Manchete foi realizada dia 7 de junho por mais de 60 famílias

Publicado em 13/06/2018, às 07h07

A área ocupada abrigou a TV Manchete nos anos 1980 / Foto: Felipe Ribeiro/JC Imagem
A área ocupada abrigou a TV Manchete nos anos 1980
Foto: Felipe Ribeiro/JC Imagem
Da Editoria Cidades

Cerca de 60 famílias do bairro de Ouro Preto, em Olinda,  iniciaram desde quinta-feira passada, 7 de junho, uma ocupação no terreno em volta da torre de transmissão da extinta TV Manchete. O grupo alega não ter dinheiro para pagar aluguéis e por isso resolveu construir casas de tábuas no local. Projetada pelo arquiteto Oscar Niemeyer (1907-2012), a torre de televisão encontra-se em processo de tombamento na Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco (Fundarpe).

O presidente da Associação da Imprensa de Pernambuco (AIP), Múcio Aguiar, que solicitou o pedido de tombamento estadual da torre em agosto de 2017, disse que a ocupação coloca em risco a preservação da memória da imprensa local. De acordo com Rosicleide Pinheiro, uma das líderes do grupo, as famílias sabem da importância histórica da torre da antiga TV para a comunidade e nenhum dos ocupantes participou da depredação do prédio.

“Vândalos que vieram de várias localidades destruíram o forro (do térreo) e estavam subindo a torre pela escadaria. Nós compramos cimento e fechamos ontem (anteontem) a porta de acesso à escada. Também vamos vedar a porta do elevador, que não existe mais, para evitar acidentes com as crianças. Não ocupamos a torre, apenas o terreno. Estamos preservando o que é nosso”, declara Rosicleide Pinheiro.

Na manhã dessa terça-feira (12) havia homens e mulheres limpando o terreno e levantando casas em espaços demarcados. “Nós queremos uma melhoria para todos, não temos escolas, creches e área paras as crianças e os jovens brincarem”, diz Edna Cristina de Lima, que também está à frente da ocupação. “As pessoas que vieram para cá viviam na casa da mãe ou pagando aluguel, mas são desempregados e dependem de biscate”, acrescenta Rosicleide.



Depois de vistoriar o local,  terça-feira (12) pela manhã, a Fundarpe decidiu fazer uma notificação e encaminhar ao responsável pelo imóvel para que sejam tomadas as providências. De acordo com Múcio Aguiar, não há representante da massa falida da TV Manchete em Pernambuco. A AIP, diz ele, aguarda o posicionamento da Fundarpe sobre a ocupação. Até a decisão final sobre o pedido de tombamento, a torre de transmissão é considerada, por lei, um bem protegido pelo Estado.

Olinda

Em 2013, a Sociedade Olindense de Defesa da Cidade Alta (Sodeca) solicitou ao Conselho de Preservação dos Sítios Históricos de Olinda o tombamento da torre da Manchete. “No mesmo documento, pedimos que a prefeitura entrasse em contato com o escritório de Oscar Niemeyer e solicitasse o projeto para concluir obra em Ouro Preto, que previa um centro cultural e ficou inacabado. Isso seria feito com patrocínio”, informa o arqueólogo Plínio Victor.

O arqueólogo fez a justificativa do pedido de tombamento como integrante da Sodeca. “O documento sumiu do Conselho de Preservação e a proposta não andou”, lamenta Plínio Victor. A Manchete foi inaugurada em Olinda na década de 1980.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM