Jornal do Commercio
Maracatu

Maracatus tomam conta do Recife Antigo após polêmica

O evento é uma forma de encaixar os maracatus na programção recifense, já que eles foram retirados da abertura oficial do Carnaval de 2018, após 15 anos iniciando a folia na capital

Publicado em 08/02/2018, às 08h37

Treze nações sairão em cortejo da Rua da Moeda até o Marco Zero, passando pela Avenida Rio Branco / Foto: Léo Motta/ JC Imagem
Treze nações sairão em cortejo da Rua da Moeda até o Marco Zero, passando pela Avenida Rio Branco
Foto: Léo Motta/ JC Imagem
JC Online

Às 18h de hoje, as atenções se voltam para o Bairro do Recife, onde acontecerá a primeira edição do Tumaraca – Encontro de Nações. O evento é uma forma de encaixar os maracatus na programção recifense, já que eles foram retirados da abertura oficial do Carnaval de 2018, após 15 anos iniciando a folia na capital. Treze nações sairão em cortejo da Rua da Moeda até o Marco Zero, passando pela Avenida Rio Branco. O desfile de hoje encerra as prévias carnavalescas da cidade.

A expectativa para o Tumaraca é grande porque a decisão da prefeitura de abrir o Carnaval com frevo, e não mais com os maracatus, não foi aceita por parte das nações. Existem rumores de protestos para hoje e amanhã, na abertura oficial. A Associação dos Maracatus Nação de Pernambuco (Amanpe) congrega 29 grupos, sendo 26 em atividade.

Embora a entidade tenha divulgado nota, no dia 8, na qual afirma que a mudança “foi construída em consenso com a Secretaria de Cultura e de comum acordo entre as nações”, o presidente da associação, Fábio Sotero, disse que 13 nações são contra o desfile na quinta. Além disso, sua opinião é de que os maracatus não deveriam ter aceitado sair da programação de abertura.

“Eles (a prefeitura) queriam que a gente ficasse com o sábado, depois do Galo. Batemos o pé e dissemos não. Vamos ver como vai ser o evento de hoje, se teremos as garantias que a prefeitura deu. Espero que seja bom, porque os maracatus estão se esforçando”, afirmou. As garantias as quais Fábio se refere são: cortejo sem pressa, boa estrutura de som e palco para receber os convidados (Zé Brown, Isaar, Bongar), cobertura da imprensa e pagamento do cachê.

“Teve agremiação que recebeu o cachê do Carnaval de 2017 em setembro, outras, em outubro. As atrações nacionais não sobem ao palco com menos de 50% do cachê e querem o restante logo após a festa. Mas para quem é da terra, sempre há atraso.” Cada maracatu ganha R$ 15 mil de incentivo da prefeitura para realizar cinco eventos (quatro ensaios e o desfile oficial).



Fábio Sotero também reclamou da redução de grupos, segundo ele, imposta pela prefeitura. “Eram 16 até o ano passado. Agora, são 13. Esse desejo de nos tirar do Marco Zero não é de hoje. Existe desde o início dessa gestão. Vamos testar o formato da quinta-feira, não quer dizer que em 2019 repetiremos.”

Presidente do Maracatu Baque Forte, que tem integrantes dos bairros de Tejipió, Coqueiral e Ibura, no Recife, e Cavaleiro, em Jaboatão dos Guararapes, Jamesson Florentino lamenta a redução do número de grupos. O Baque Forte é um dos mais recentes, fundado em 2011, por isso não está entre as 13 nações do Tumaraca. “Se houvesse aumentado a quantidade, teríamos uma chance. Mas foi o contrário. Naná Vasconcelos dizia que o encontro de maracatus na abertura do Carnaval era único no mundo. Sou contra a mudança porque concordo com Naná.”

Negociações

Já a presidente do Maracatu Encanto do Pina, Joana D'arc, única mestra de nação em Pernambuco, acredita no novo formato. “Quem reclama é porque não esteve nas negociações. Acho que vai ser melhor porque não vamos dividir a noite com outras atrações, diferentemente da abertura. Será um momento só para nós”, comentou.

Em nota, a prefeitura afirmou que partiu das próprias nações a sugestão de se apresentarem no dia 8 de fevereiro. Sobre a quantidade de grupos que desfilam, a gestão disse que a redução é anterior a 2013, quando ficou decidido que só participariam agremiações do Grupo Especial, porque ensaiam o ano todo e estão mais preparadas para eventos oficiais.

A prefeitura ainda disse que a intenção é assegurar maior protagonismo aos grupos. A respeito dos cachês, o Executivo municipal informou que para este Carnaval, serão distribuídos R$ 2,9 milhões às agremiações. A primeira parcela foi paga em dezembro de 2017. A segunda, após o Carnaval.


Recomendados para você


Comentários

Por Silva,08/02/2018

Na verdade essas mudanças vem acontecendo gradativamente até chegarmos em abrir o carnaval com o funk do Rio de Janeiro e os cachês sendo pagos na hora. kkkk

Por Edna Nunes,08/02/2018

O Maracatu também é uma expressão cultural muito forte em nosso Estado e ele não pode ser menos valorizado que o frevo!



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Julgamento de Lula Julgamento de Lula
O Tribunal Regional Federal da 4ª Região confirmou, no histórico 24 de janeiro de 2018, a condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e ampliou a pena para 12 anos e 1 mês de reclusão
Copa do Nordeste 2018 Copa do Nordeste 2018
A 15ª edição da Copa do Nordeste tem um sabor especial. 2018 marca a volta das transmissões de futebol da TV Jornal. Ao lado da co-irmã de Caruaru e de nove afiliadas do SBT Nordeste, a emissora vai levar ao público todas as emoções do torneio
Conheça o Cambinda Brasileira, maracatu rural mais antigo em atividade Conheça o Cambinda Brasileira, maracatu rural mais antigo em atividade
Conheça o Cambinda Brasileira, maracatu rural mais antigo em atividade

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM