Jornal do Commercio
INTERIOR

A fome de folia dos papangus de Bezerros

Os personagens são o símbolo do carnaval da cidade

Publicado em 11/02/2018, às 07h11

Os papangus animam turistas e moradores em Bezerros. / Diego Nigro / JC Imagem
Os papangus animam turistas e moradores em Bezerros.
Diego Nigro / JC Imagem
Leonardo Vasconcelos

Carnaval de Bezerros, papangu. A associação é quase instantânea tamanha a identificação entre a folia da cidade, no Agreste, a 107 quilômetros do Recife, e o seu famoso personagem mascarado. Não há como pensar em um, sem imaginar o outro. Para a alegria de ambos e dos milhares de foliões que vão até lá se divertir no Carnaval que é considerado o terceiro mais procurado de Pernambuco. Hoje é o grande desfile dos papangus no município.

Uma brincadeira tão animada quanto antiga. Existem várias versões sobre a sua origem ainda no século 19. “Pelas pesquisas que fizemos descobrimos que desde a época da escravatura já existia a figura do papangu aqui em Bezerros. Os estudos dão conta de que era uma brincadeira quando as pessoas iam visitar os engenhos e não queriam ser reconhecidas. Por isso usavam máscaras e se vestiam mal”, explicou o artista plástico da cidade Roberval Lima.


Galeria de imagens

Legenda
Anteriores
Próximas

O nome papangu já é autoexplicativo. “O angu é uma comida feita à base de milho típica daqui, e na época era muito servido nas casas quando eles chegavam. Então, o nome veio justamente porque eles comiam, papavam muito angu, para ter energia para brincar”, disse Roberval Lima. Com o tempo, o material usado nas máscaras e fantasias foi mudando, mas o que se conserva até hoje é a intenção de não ter a identidade revelada para aproveitar a folia.



CULTURA

O papangu virou um símbolo tão forte de Bezerros que ele é vivenciado não só no Carnaval, mas durante o ano todo, com oficinas de máscaras e de dança. Agora, claro, no período da festa a cidade inteira se veste em homenagem ao alegre mascarado. A professora Maria de Fátima Almeida decora a casa inteira com o tema e ainda investe na produção de roupas de papangu para o concurso de fantasias. “Essa paixão enorme corre no sangue das minhas veias, há mais de 20 anos que participo dos concursos e para mim é a maior alegria me vestir de papangu, um personagem que encanta o mundo inteiro”, disse Maria de Fátima.

A cultura do papangu é divulgada também por meio da dança, com o grupo Folc Popular que existe desde 2001. As integrantes não escondem a paixão em incorporar o símbolo da cidade. “É uma satisfação imensa representar o papangu, me sinto realizada em vestir essa fantasia e ver no olhar de cada turista aquela alegria contagiante”, afirmou Equilaine Rodrigues.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva
Rodoviários: ''máquinas'' sem manutenção Rodoviários: ''máquinas'' sem manutenção
Carga horária excessiva, más condições de trabalho, terminais sem estrutura apropriada e os riscos ocupacionais aos quais estão submetidos. O transporte rodoviário está em quarto lugar entre as profissões com mais com comunicações de acidentes de trabalh
#UmaPorUma #UmaPorUma
Existe uma história para contar por trás de cada assassinato de mulher em Pernambuco. Uma por uma, vamos contar todas. Mapear onde as mataram, as motivações do crime, acompanhar a investigação e cobrar a punição dos culpados. Um banco de dados virtual.

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM