Jornal do Commercio
OLINDA

Homem da Meia Noite emociona foliões durante desfile em Olinda

Emoção não faltou no desfile do Homem da Meia Noite, que homenageou a 'gigante Olinda' em sua roupa

Publicado em 11/02/2018, às 02h57

O desfile teve início no Bonsucesso em Olinda / Foto: Felipe Ribeiro/JC Imagem
O desfile teve início no Bonsucesso em Olinda
Foto: Felipe Ribeiro/JC Imagem
Cássio Oliveira
coliveira@ne10.com.br

Rei do Carnaval de Olinda há 86 anos, o Homem da Meia Noite deu um verdadeiro show de emoção e alegria durante seu desfile pelas ladeiras da cidade. O calunga trouxe  como tema em 2017, uma homenagem às origens do clube, que teve a maior parte dos fundadores negros. Vestindo as cores verde e branco, o homem que arrasta uma multidão pelas ruas de Olinda fez brilhar os olhos de cada um que acompanhou o percurso de quase três quilômetros.

"O calunga Homenageou Olinda que é uma cidade gigante, histórica. Não tenho palavras para descrever o que vi hoje. Um povo apaixonado, enlouquecido, algo difícil de se ver. Quando digo que o Homem da Meia Noite é algo único na cultura pernambucana, algumas pessoas não entendem. Tem que estar aqui para ver", destacou Luiz Adolpho, presidente do clube há 15 anos.

Paixão dos olindenses, o Homem da Meia Noite, que é Patrimônio Vivo de Pernambuco desde 2006, atrai pessoas de diversos lugares. Levi Batista, de 47 anos, se faz presente no desfile há mais de 30 anos, sempre fantasiado de calunga. Ele mora no Cabo de Santo Agostinho e disse que a distância não impede o amor. "Esse sentimento vem desde a infância, minha mãe sempre acompanhava e espero continuar por muitos anos minha paixão e minha alegria imensurável", comentou.



VEJA AS IMAGENS DO DESFILE DO HOMEM DA MEIA NOITE


Galeria de imagens

Legenda
Anteriores
Próximas

A Estrada do Bonsucesso recebeu uma verdadeira multidão à espera do calunga para que fosse revelado o mistério da roupa do galã de Olinda. Poucos minutos antes da saída da sede, já era possível ver que seu traje era branco com detalhes em dourado e verde. "Ele veio com uma coroa lembrando o Rei Momo em um dos punhos, com um horto no outro punho lembrando a cidade, veio com braço o farol da cidade no braço, uma forma muito especial ele brilhou de forma encantadora", disse o presidente da agremiação.

O grito que anunciou "lá vem o Homem da meia-noite" se mesclou ao som da orquestra do maestro Carlos, que contou com 86 músicos em homenagem aos 86 anos do desfile. O maestro foi um dos homenageados deste ano pelo bloco junto com o Clube de Máscaras O Galo da Madrugada, ao frevo pernambucano, que foi representado pelo cantor André Rio.

"Sou daqui e sinto muitas emoções, é muita história. Sou do tempo que o Homem da Meia Noite ainda tinha carro alegórico. Não consigo enjoar", comentou Luiz Carlos Lopes, de 72 anos. Ele acompanha o calunga desde criança. 


Recomendados para você


Comentários

Por Wendell,11/02/2018

Grilowsky,esta geração de novinho é aquela dos vídeo- games que não tem responsabilidae nehuma com a vida,e faz dos jogos a realidade jogando spray e porrada nas pessoas.mas,existe uma corregedoria que ainda funciona para puni-los e demiti-los.

Por grilowsky,11/02/2018

podemos ver numa fas fotos um bloco invasor e rival no meio da alegria, o bloco dos Boinas Laranjas, que mais criam confusao do que resolve o problema de seguranca!! um desastre a estrategia de seguranca, que mais atrapalha do que ajuda!! 1500 policiais, novinhos, mal preparados e com sangue no olho e jogando spray de pimenta na multidao!!



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva
Rodoviários: ''máquinas'' sem manutenção Rodoviários: ''máquinas'' sem manutenção
Carga horária excessiva, más condições de trabalho, terminais sem estrutura apropriada e os riscos ocupacionais aos quais estão submetidos. O transporte rodoviário está em quarto lugar entre as profissões com mais com comunicações de acidentes de trabalh
#UmaPorUma #UmaPorUma
Existe uma história para contar por trás de cada assassinato de mulher em Pernambuco. Uma por uma, vamos contar todas. Mapear onde as mataram, as motivações do crime, acompanhar a investigação e cobrar a punição dos culpados. Um banco de dados virtual.

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM