Jornal do Commercio
Carnaval do Rio

Desfiles das escolas de samba mostram críticas à corrupção e violência

A onda conservadora existente no Brasil também foi alvo de críticas

Publicado em 13/02/2018, às 09h51

Insegurança foi um dos temas tratados no desfile / Foto: Mauro Pimentel/AFP
Insegurança foi um dos temas tratados no desfile
Foto: Mauro Pimentel/AFP
AFP

As escolas de samba do Grupo Especial do Rio de Janeiro encerraram na manhã desta terça-feira (13) os desfiles do Carnaval deste ano com fortes críticas à corrupção, à violência e à onda conservadora que atinge o país.

"Oh pátria amada, por onde andarás? Seus filhos já não aguentam mais! Você que não soube cuidar", repetia o samba da Beija-Flor, que concluiu os dois dias de espetaculares desfiles no Sambódromo.

Inspirada em Frankenstein, romance que completa 200 anos, a escola de Nilópolis quis ilustrar o "monstro" corrupto, abandonado e intolerante que é o Brasil atual.

Apresentou na Avenina uma réplica da sede da Petrobras, em cujos sótãos havia várias pessoas atrás das grades que conseguiam sair pagando propina enquanto. Já em outro ponto, crianças da favela vendiam balas na rua ou eram vítimas de um tiroteio, cenas que já se tornaram bastante comuns na cidade.

A intolerância racial, religiosa e sexual também ganhou espaço neste duro e teatralizado desfile da Beija-Flor, que contou com a participação da cantora Pabllo Vittar em um carro em defesa dos direitos LBGT.

"Esse desfile fala muito do Brasil. Estamos muito mal. E os políticos vão ter que começar a ver que o povo não está satisfeito. Oxalá que a situação melhore", declarou à AFP Tulio Silva, um empresário de 43 anos, fantasiado de "político vampiro".



O espetáculo da Beija-Flor encantou os mais de 70.000 espectadores no Sambódromo, que também vibraram com os coloridos desfiles da Portela e da bateria "furiosa" do Salgueiro e sua homenagem à mulher negra.

Em sua noite de estreia, as escolas que desfilaram já haviam trazido boas doses de crítica social. Assim, o presidente Michel Temer foi encarnado por um vampiro corrupto na Paraíso do Tuiuti, enquanto o prefeito Marcelo Crivella foi representado por um boneco de Judas na Mangueira.

Crivella foi um dos alvos principais, criticado por cortar pela metade a verba destinada às escolas de samba.

O grito "fora Crivella!" foi ouvido com frequência nos últimos dois dias dentro e fora da Sapucaí, porque o Carnaval, além de atrair 1,5 milhão de turistas e gerar mais de 1 bilhão de dólares para a cidade, representa uma trégua às tragédias diárias do Rio, mergulhado em uma grave crise econômica e de violência.

"A gente vem aqui e esquece de todos os problemas. Só pensamos em desfrutar o Carnaval", declarou Paulo da Silva, um dos músicos da Unidos da Tijuca.

Insegurança

Contudo, a insegurança da cidade não ficou de fora da festa.

O sambista Moacyr Luz denunciou que foi assaltado na véspera quando chegava ao Sambódromo e teve até sua fantasia roubada.

No ano passado, o carnaval carioca coroou duas escolas, que terminaram empatadas: Portela e Mocidade Independente de Padre Miguel. As normas de segurança foram reforçadas este ano, e os motoristas dos carros alegóricos tiveram que submeter, pela primeira vez, a testes para detectar o teor de álcool no sangue.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Julgamento de Lula Julgamento de Lula
O Tribunal Regional Federal da 4ª Região confirmou, no histórico 24 de janeiro de 2018, a condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e ampliou a pena para 12 anos e 1 mês de reclusão
Copa do Nordeste 2018 Copa do Nordeste 2018
A 15ª edição da Copa do Nordeste tem um sabor especial. 2018 marca a volta das transmissões de futebol da TV Jornal. Ao lado da co-irmã de Caruaru e de nove afiliadas do SBT Nordeste, a emissora vai levar ao público todas as emoções do torneio
Conheça o Cambinda Brasileira, maracatu rural mais antigo em atividade Conheça o Cambinda Brasileira, maracatu rural mais antigo em atividade
Conheça o Cambinda Brasileira, maracatu rural mais antigo em atividade

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM