Jornal do Commercio
Paralisação

Sem previsão de acabar, greve do Detran-PE é a mais longa em 10 anos

Paralisação já dura 45 dias. Enquanto Governo e Sindicato não se entendem, diversas pessoas são prejudicadas pela falta de serviços

Publicado em 29/03/2017, às 08h00

Em uma das entradas da sede do Detran, no bairro da Iputinga, Zona Norte do Recife, porta fechada e aviso claro. / Jedson Nobre/JC Imagem
Em uma das entradas da sede do Detran, no bairro da Iputinga, Zona Norte do Recife, porta fechada e aviso claro.
Jedson Nobre/JC Imagem
Diogo Cavalcante

A greve dos servidores do Departamento Estadual de Trânsito de Pernambuco (Detran-PE) alcança, nesta quarta-feira (29), um índice histórico: 45 dias de braços cruzados, tempo recorde de paralisação nos últimos 10 anos. Enquanto órgão e servidores não se entendem, a população segue prejudicada sem ter acesso a serviços básicos.

Monique Karine, estudante de 24 anos, não consegue renovar sua Carteira Nacional de Habilitação (CNH). "Eu já fiz a prova da categoria B antes da greve e passei. Falta a do tipo A, mas não consigo marcar prova nem pedir cancelamento porque tá parado. Eu não tenho culpa. Vou ter que pagar tudo de novo?", desabafou. A moça ainda relata que precisa da habilitação por causa do emprego: "Eles pedem que eu tenha carteira, mas como que vou conseguir se tá tudo parado?".

Desempregado há 10 meses, Daniel Bernardo da Silva, de 31 anos, conta que não pôde aceitar três propostas de emprego por, justamente, não estar com a carteira de habilitação em dia. "Eu fiz tudo direitinho para renovar ela (a carteira), só que o dia que a prova foi marcada, coincidiu com a greve. Não consigo ir para as entrevistas de emprego por não ter o documento atualizado", queixou-se.

De 2007 a 2017, houve sete paralisações oficiais, com suspensão de serviços. Mas nenhuma até então havia alcançado uma duração tão longa quanto a deste ano. Confira no infográfico abaixo:

Quem vai à sede do Detran, localizada no bairro da Iputinga, Zona Oeste da capital, na maioria das vezes só encontra portas fechadas. Foi o que aconteceu com o casal Henrique Vasconcelos e Graziela Valois, ambos de 25 anos e funcionários da Prefeitura de Camaragibe. Eles tinham agendado, pela internet, a comunicação de venda de um veículo que possuíam

"O próprio site do Detran me deu esse horário. Chego aqui, tá fechado e me informam que o atendimento só vai até 13h30", relata Graziela. "Se a pessoa que comprou o nosso carro fizer algo, eu que vou ser responsável", complementa. "Eu acho que eles (grevistas) estão certos, mas não tem necessidade de uma greve dessas não, quem acaba pagando é a gente", opinou Henrique. "Agora é esperar voltar, né? Os pais dela compraram um carro zero quilômetro. Quero ver como que vão fazer para emplacar o carro", concluiu.




Henrique Vasconcelos e Graziela Valois: uns dos muitos prejudicados pela paralisação recorde (Jedson Nobre/JC Imagem)

Atingindo o bolso

O comércio de veículos, seja via concessionária ou diretamente com proprietário, também vem sendo afetado pela paralisação recorde. Paulo Miranda, 40 anos, comercializa carros diretamente. E afirma que já perdeu 40% de seus rendimentos mensais por culpa da greve: "Já perdi muito negócio por causa disso. A situação tá complicada pro mercado em geral".

Paulo relata que tanto o mercado de carros novos e seminovos estão afetados: "No de novos, não dá pra repassar o carro por falta de emplacamento. No de seminovos, falta a transferência de titular. Ninguém vai comprar um carro que não foi transferido".

E a greve?

O presidente do Sindicato dos Servidores do Departamento Estadual de Trânsito de Pernambuco (Sindetran-PE), Alexandre Bulhões, afirma que o governo continua sendo irredutível na negociação das reivindicações: "Não tem nenhum avanço. O que resta é esperar é o Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) resolver".

A greve foi considerada ilegal pelo desembargador Eduardo Paurá. Como os grevistas não retomaram as atividades, a Justiça determinou o bloqueio de R$ 180 mil das contas ligadas ao Sindetran-PE, amparado na tese de crime de desobediência de decisão judicial. O sindicato recorreu da decisão e, agora, cabe ao Detran apresentar contrarrazões ao agravo interposto - em outras palavras, apresentar sua réplica ao recurso.

Desde o dia 13 de fevereiro, as atividades do Detran estão praticamente paralisadas. Os únicos serviços que seguem funcionando são a entrega da Carteira de Habilitação e do Certificado de Registro e Licenciamento de Veículo (CRLV). Testes práticos e teóricos também podem ser feitos, mas apenas para as primeiras 40 pessoas que chegam, pela manhã, à sede na Iputinga. Fora isso, portas fechadas.

O Detran-PE foi procurado pela reportagem do JC para comentar a greve, mas não respondeu às nossas solicitações.

Promessas

Segundo Bulhões, o sindicato somente quer que o Governo do Estado cumpra o que prometeu à classe. Entre os pontos, a contratação de um plano de saúde - hoje, há um plano, mas contratado de forma emergencial, não licitado, o pagamento de insalubridade para quem trabalha com vistoria de veículos e a gratificação aos servidores que trabalham em todas as agências do Estado, não somente aos que ficam nas unidades localizadas nos shoppings. “Há um acordo não cumprido, e acordo tem força de lei. Não pode fazer e depois fingir que não existe.”, reclamou.


Palavras-chave

Recomendados para você


Comentários

Por alexsandro assis,29/03/2017

ninguém esculhamba quando a pm faz greve né por que será?? certo e certo errado é errado o

Por Ricardo G,29/03/2017

Eu atras de tirar minha primeira CNH e não consigo , por que o Detran esta em greve , tanto eu como varias outras pessoas estão sendo prejudicadas.....

Por Augusto,29/03/2017

As pessoas observam apenas o que está a sua frente, e o que os incomoda diretamente. Greve em qualquer setor público incomoda e prejudica todos os cidadãos que necessitam dos serviços, isso é fato. O problema é que criticam o efeito(greve), mas não pensam na causa do problema(má administração). Se existe uma pauta de anos anteriores que foi acordada entre a administração estadual e os representantes dos servidores. Porque o simplesmente governo não deixa de enrolação, cumpre o que foi acertado e acaba logo com essa greve ?? Se já houve acordo anterior, porque o governo não honra o que foi prometido? Infelizmente essa prática de prometer e não cumprir é comum aos administradores brasileiros. E a administração pública pernambucana, lamentavelmente, não tem se mostrado diferente. Se não cumprem o prometido, nem para os próprios servidores. Imaginem para o resto da população, que só amarga os prejuízos. Mais o povo cego só vê a greve em si... Acorda povo cego !

Por Michael J.J. alves,29/03/2017

quem tem dinheiro e pode pagar pros servidores que atendem despachantes está sendo atendido. dependendo do serviço, pode custar de R$ 100,00 à 400,00. Meu carrinho tá emplacado. nem fui no Detran. kkkkk

Por José Valdemar Pereira ,29/03/2017

Jamais esperava que, ao chegar a terceira idade, residindo na capital do Estado de Pernambuco (antigo Leão do Norte - hoje apenas a raposa nordestina), iriamos ver tanta falta de respeito e bandidagem contra nós que pagamos religiosamente todos nossos impostos. Onde vai para parar nosso Brasil?



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM